[VARIEDADES] Precisamos falar sobre Kevin – De Underwood a John Doe

Menos de um ano após as primeiras acusações de abuso sexual, o astro Kevin Spacey, no topo do sucesso, perdeu completamente seu rumo.

E antes fosse só isso.
É impossível não saber quem é Kevin Spacey.

Mesmo quem nunca viu nenhum capítulo de House of Cards, certamente viu Seven, Beleza Americana, K-Pax ou Corrente do bem – estou citando os mais famosos de cabeça, mas o ator fez mais de 50 filmes.

Claramente, não estou levando teatro e séries em conta.

Só sei que eu, assim como muitos que lerão esse artigo, sou fã de Spacey.

No fim de 2017, contudo, os ventos não sopraram muito a favor do grande artista. Não mais que de repente (e essa expressão cabe muito bem aqui), uma acusação de abuso sexual surgiu, proveniente de um rapaz.

Obs: abuso e assédio sexual são coisas completamente diferentes, cabe ressaltar.

O Abuso teria ocorrido muitos anos atrás, quando a vítima (Anthony Rapp) estaria com apenas 14, e Kevin 26.
Para não dizerem que não falei das flores, preciso tocar em pontos sensíveis do caso. Como sempre, advogada do Diabo. Ou do John Doe.

1- É muito óbvio que vítimas de violência sexual se sentem envergonhadas e coagidas a falar sobre o assunto. Mas não é estranho botar a boca no mundo no momento mais “rico” da carreira de Kevin?

2- Como ocorreu com Michael Jackson, a quem eu continuo defendendo, não importa o que digam, acho que há alguns casos em que um abuso é tão conveniente que chega a ser desejável. Michael foi acusado de abuso e, ainda assim, muitos pais permitiam que crianças dormissem com ele. Claramente, eram aproveitadores. Não sei se é o caso aqui, mas volto a lembrar que ninguém havia tocado no assunto até Spacey protagonizar uma série extremamente promissora para nada menos que a NETFLIX.

3- Quem me conhece sabe que eu odeio pedófilos. A bem da verdade, se eu escrevesse o que acho que deveriam imputar a cada molestador de crianças, talvez eu fosse considerada nazista. Mas…. até que ponto um garoto de 14 anos não é capaz de se defender?

Ok, ainda que tenha sido consentido, não deveria ter acontecido, pois o menino só tinha 14 anos. Mas acho que alguns de vocês entenderam o que eu quis dizer.

4- Um crime registrado no exato momento em que ocorre, ou pouco tempo depois, goza do benefício da temporalidade: as provas estão lá. Não há crime perfeito, se o tempo não passou. Basta que se façam exames e que indícios sejam averiguados.

Mas quando tantas décadas se passam, tudo o que temos é uma palavra contra a outra.

O Outro da Moeda é que ainda hoje há complicações que fazem com que desconfiemos, e MUITO, da conduta de Spacey.

Desde a revelação dos detalhes de como foi abordado por Spacey (“Ele me carregou no colo como um noivo carrega a noiva… Então, se deitou em cima de mim”), houve uma rápida sucessão de eventos.

No mesmo dia, Spacey pediu desculpas e assumiu ser homossexual. Em seguida, vieram as críticas de grupos LGBT – e novas denúncias de assédio, como as do ator mexicano Roberto Cavazos e do cineasta Tony Montana. Na terça-feira, o provedor global de filmes Netflix anunciou que suspendera as filmagens da sexta temporada de House of Cards.Com quase 60 anos de idade, anunciou que estava saindo de cena para se tratar. As alegações continuaram.

Segundo a rede TV norte-americana CNN, vários integrantes homens da equipe de House of Cards reclamaram do ambiente “tóxico” no set por causa do comportamento de Spacey, marcado por assédio e outros abusos. É difícil saber se não seria um efeito de aura causado pelas denúncias ou a mais pura verdade.

No fim das contas, não há uma forma de provar o que houve, ou se Kevin é um sex offender louco, ou só uma mente perturbada vítima de aproveitadores (que, curiosamente, só fizeram reclames um após o outro, em menos de 72 horas).

Fica a tristeza pela situação toda; o vazio pela perda de um profissional tão maravilhoso – que certamente não tornará a encontrar lugar nas telonas ou mesmo nas telinhas – e, um sentimento duplo de revolta: se Kevin é pedófilo, a raiva é grande. Se ele está sendo injustiçado, também.

Vale lembrar que James Gunn, diretor dos dois filmes dos Guardiões da Galáxia, está passando por problemas similares. Mas este é outro capítulo…