[VARIEDADES] Por que o Brasileiro lê tão pouco? E como mudar isso?

Verdade seja dita: Apesar de todas as bagunças políticas e econômicas pelas quais passamos nos últimos tempos (A.K.A. ano infernal de 2016), tivemos uma notícia muito boa: 

Talvez você não esteja ciente disso, mas o povo brasileiro foi um dos povos que mais comprou livros desde o ano de 2015. A pesquisa foi divulgada pela revista IstoÉ, ano passado.

E realmente não há muito de que se duvidar nesse ponto, já que temos acompanhado o crescimento de leitores cada vez mais jovens.

Mas, tristemente, o brasileiro ainda é um povo que tem uma certa (para não dizer grande) aversão aos livros.

As desculpas são as mais diversas, e não variam tanto assim de idade para idade:

“Livros me dão sono”: Significa que você ainda não está acostumado a ler, Padawan. Prossiga e tudo ficará mais empolgante.

“Não tenho tempo para ler”: toda vez que escuto isso, lembro dos trocentos livros que li nos ônibus a caminho da faculdade ou durante a noite, mal iluminada por uma luminária safada.

“Enxergo mal e ler me dá dores de cabeça”: Tenho 5 graus de miopia e leio mais que a maior parte das pessoas que eu conheço. Sabe quanto são cinco graus de miopia na prática?

“Meu cachorro comeu meu livro”: Essa é a desculpa mais ridícula de todas e… Ok, ok… Isso pode acontecer.

Tirando as desculpas corriqueiras que as pessoas dão a si mesmas e aos outros (como uma espécie de verdade tacitamente aceita), ainda enfrentamos o problema óbvio, mas muito sério, da falta de acesso à leitura por grande parte da população.

Ainda enfrentamos, infelizmente, esse mal medieval chamado analfabetismo (além do analfabetismo funcional) que tira de muitos dos brasileiros a possibilidade de ter bons empregos, mais cultura e, claro, entrar no Universo Infinito da literatura.

Mas enquanto não somos fortes para resolver os problemas que assolam ESSES brasileiros, que tal melhorar a vida literária de você (sim, você mesmo) que está lendo esse artigo?

A pergunta que não quer calar, em primeiro lugar é: Por que o brasileiro não gosta de ler?

Fiquemos com a resposta da maior autoridade no mundo, a Unesco:

Para o setor da ONU que cuida de educação e cultura, só há leitura onde:

1) ler é uma tradição nacional, 2) o hábito de ler vem de casa e 3) são formados novos leitores.

Nesse ponto, você já entendeu que nosso problema é antigo: muitos brasileiros foram do analfabetismo à TV sem passar na biblioteca. Para piorar, especialistas culpam a escola pela falta de leitores.

“Os professores costumam indicar livros clássicos do século 19, maravilhosos, mas que não são adequados a um jovem de 15 anos”, diz Zoara Failla, do Instituto Pró-Livro. “Apresentado só a obras que considera chatas, ele não busca mais o livro depois que sai do colégio.” 

Não posso discordar: na minha vida escolar fui obrigada a ler coisas chatíssimas. Hoje sou professora e falo aos meus colegas de profissão que não é legal fazer um aluno de 11 ou 12 anos de idade ler O Triste Fim de Policarpo Quaresma, Iracema, Lucíola (se bem que eu adorei desde a primeira vez que li) e similares.

Infelizmente, embora o aluno precise aprender muito sobre literatura para compreender a história e a cultura do Brasil, introduzir o hábito de leitura por meio de experiências tão traumáticas (para crianças, entendam!) não é, nem de longe, uma ideia bacana.
Existe uma solução para isso? Óbvio que existe.

Conforme já dito, o hábito da leitura começa no lar. E também um pouco por pressão social. Se todos na sua casa leem, e você vê as pessoas nas filas de bancos e nos transportes públicos com livros na mão (em vez de ficar no Whatsapp, por exemplo), você terá um ótimo estímulo. Mas se não podemos contar com toda uma sociedade, já que o fito é justamente modificá-la, o desafio fica para aqueles que lidam com mídia e para os educadores:

Faça quem está perto de você ler um livro. 

Como? Algumas pequenas atitudes podem fazer diferença.

Divida seus vícios:
O estímulo à leitura será sempre feito da forma mais natural possível se você for um bom leitor. Quem lê tem muitos motivos para se viciar em leitura e, inevitavelmente, quem tem um vício nunca quer ter esse vício de forma solitária. Conte a seus amigos o quão fantástica é a história daquele romance que você acabou de ler. Vai que…

Passe adiante:

Não faz muito tempo, vários professores, donos de livrarias e pessoas ligadas a projetos culturais, estavam fomentando uma ideia que tinha e tem tudo para dar certo, chamada BookCrossing. Se os leitores fizerem mais pessoas poderão ler, e isso se tornará uma corrente do bem.  Funciona assim: você tem um livro em casa pelo qual não tem tanto apego sentimental, ou que está em edição repetida? Leia o livro todo e, ao terminar, deixe-o em algum lugar público (seco e longe de animais, claro) com os seguintes dizeres na cara:

“Esse livro deve ser lido e deixado em algum lugar público para que muitas pessoas possam lê-lo”.

Pronto. Você acabou de disponibilizar um mundo a alguém que certamente verá nesse pequeno ato um belo empurrão para frente.

Saiba mais sobre o BookCrossing no site da iniciativa.

Leia:
Ser exemplo é muito importante. Não importa sua idade, classe social, cor, estado civil; Não interessa nem se você torce pela Marvel ou prefere a DC. Para onde for, carregue um livro, pois oportunidades para lê-lo em público não irão faltar. E ao fazer isso, você se torna um exemplo ambulante, um testemunho de que há algo que faz com que a leitura valha a pena. Acredite, funciona!

Se você tem Padawans, seja o Jedi:
Pois é. Se você é pai, mãe, tio, tia, madrinha ou padrinho, você tem um dever especial. O seu Padawan, ou seja, a criança com quem você tem contato direto, aprenderá coisas com você. Seja você, então, a ensinar o melhor caminho: leia para seu padawan, e nunca mais esse hábito será abandonado. Nunca vi dar errado, esse método. Pelo contrário.

Quando eu era criança, meu pai lia para mim todas as noites (contei essa história completa aqui, caso tenha se interessado). Com o tempo me tornei uma leitora compulsiva. Faço estragos na minha conta bancária por causa de livros novos e, não raro, tenho problemas de rinite em busca de volumes antigos dentro de sebos inexplorados. E sabe de uma coisa? NADA que eu faça será o bastante para que eu agradeça a meu pai por esse legado.

Leia para seu Padawan… Você um dia vai se orgulhar muito disso.

E se vierem outras desculpas, apenas uma coisa responde a todas elas: Leia!

E se ainda ficou alguma dúvida, seguem títulos que eu sugiro como excelentes iniciações (dependendo da idade, claro):

É… pode começar por alguns desses… O caminho depois fica bem mais fácil.