[TOP 10] POKÉMON: coisas que deveriam mudar nos jogos

pikahcu perda de peso

A Nintendo tem uma política muito simples: se não está quebrado, não conserte.

Como qualquer empresa de vídeo games, enquanto seus produtos venderem bem, eles ficarão do mesmo modo até o fim dos tempos (oi Assassin’s Creed 17 e Call of Duty 512). Felizmente para todos nós, a Nintendo volta e meia toma pau nas vendas, e eles têm que correr atrás do prejuízo (eu acho que faria mais sentido correr atrás do lucro, mas o que eu sei da vida?), sendo obrigados a inovar, para o bem da civilização.

Tanto é que aconteceu da Nintendo, com o Wii U, que era um fiasco de vendas, emparelhar com o Xbox One em vendas. #justNintendothings

Mas vejamos o caso de Pokémon, por exemplo. Pokémon vende muito bem, e a Nintendo não vai mexer nele até que isso mude, mesmo que seja um jogo com quase vinte anos de idade em sua fórmula. Agora vamos imaginar, apenas pelo prazer disso, que o jogo fosse atualizado… vejamos algumas coisas que poderiam mudar:

pokemons flying comuns1) Pokémons únicos

Qual a diferença entre o Starly e o Pidgey? Entre o Bidoof e o Ratata? Furret e o Sentret? Para efeitos práticos, nenhuma. Isso acontece com a maioria dos pokémons tipo normal, na verdade. Eles são bilhões e isso poderia mudar.

Eu não estou dizendo que todo pokémon deveria ser um lendário ou mesmo forte, nada disso, muito pelo contrário. Pokémons “inúteis” em níveis de otimização são muito importantes ao cenário, porque, como disse o vilão d’Os Incríveis: “Se todo mundo for especial, então ninguém mais vai ser”.

Mas isso não quer dizer que eles não precisem ser únicos de alguma forma. De um ataque único, uma habilidade, uma característica de atributos (tipo a velocidade do Slowpoke ou o HP da Chancey), algo que os faça diferentes. Não poderosos, não especiais, nem mesmo eficientes, apenas diferentes.

random enconters ffvii2) Chega de encontros aleatórios

Quando Pokémon foi criado em 1995, era simplesmente bizarro o conceito de um RPG que não usasse encontros aleatórios (Earthbound mandou um beijo). Ok, certo, mas isso foi a 20 bucking trees anos atrás.

Nem Final Fantasy (veja o brilhante Bravely Default, por exemplo) usa esse esquema mais hoje em dia, e cada vez que você tem que andar na grama, ou em uma caverna em Pokémon, alguma parte dentro de você suspira um longo e pesado “ai que saco…”.

20 anos de RPG nos entupiram de opções para lidar com isso, então traria muita diversão a todos se a Nintendo tirasse a cabeça da bunda e fizesse isso. Embora, é claro, eles teriam que diminuir o números de zubats nas cavernas, não existe atualmente um computador capaz de processar tanto assim…

hm slave3) HM’s não deveriam ser golpes

Os HM’s tem um propósito muito claro no jogo: evitar que você vá a lugares que não deveria antes da hora, por mais ridículo que seja a desculpa (porque, aparentemente, sem o HM “Cut” você não consegue passar por uma árvore, contorná-la deve ser contra a religião vigente). Tá, ok.

O problema é que os pokémons só podem aprender 4 golpes, ou seja, você tem 24 golpes para os 6 pokemons que andam com você, e 8 você tem que gastar com movimentos inúteis. O que as pessoas normalmente fazem é pegar um pokémon Zé que possa aprender o maior número de HM’s possíveis – prática conhecida como “HM Slave” – e socar pelo menos 4 nele, e voltar à cidade para trocar quando necessário.

Isso é lento, isso é gordo, isso é DESNECESSAURO!

Façam do HM a porra de uma habilidade a ser aprendida no pokémon. Querem me forçar a variar o time? Beleza, façam isso – limitem os HM’s que os pokémons podem aprender – mas não me façam carregar um peso morto nível 1 apenas porque sim.

charizard pokemon skyrim4) Mundo aberto

Ok, a jornada de um zé mané que não sabe nada sobre pokémons (em um mundo que gira em função disso, mas ok) até se tornar o fodão dos fodões foi legal. Nas 5 primeiras vezes que fizeram isso. Agora chega, né?

Os videogames já são grandinhos, porra, o Wii U é mais máquina que o PS3, e mesmo o 3DS dá baile em consoles que nos trouxeram grandes jogos… que tal colocar um pouco de opções nessa vida?

Quer dizer, você quer ter uma main quest de ser o mestre pokémon, ok, mas que tal umas sidequests, facções, explorar as coisas do mundo? E se eu quiser me juntar à Equipe Rocket, ser o presidente da Silph Co ou ser um líder de ginásio? Basta querer, Nintendo.

Falando nisso…

reshiram vs zekrom5) Me deem uma história

As obras da Nintendo são conhecidas por não terem muita história ou profundidade e Pokémon não é exceção. As coisas são assim, e não se se discute muito as possibilidades desse mundo mais do que um desenho animado dos anos 80.

Então veio um jogo que mudou tudo isso: Pokémon Black/White. Uau. O jogo tem a jornada principal de ser um mestre pokémon e tal, mas paralelamente tem uma história épica sobre deuses dragões ancestrais, dilemas morais de se usar pokémons em rinhas de combate, a dominação do mundo e ser “o escolhido”. É tão bom e tão legal que, pela primeira vez em quase vinte anos, eu escolhi um pokemon para o time porque fazia sentido com a história!

Obviamente o cara que bolou isso foi expulso da Nintendo, e açoitado com vara de alcaçuz em praça pública para que formigas o comessem. Mas, dammit!, usar todo o potencial de um cenário de fantasia único para contar uma grande história é algo genial, e nós queremos mais disso!

… e aí veio Pokémon X/Y, que é basicamente “hey, blablabla, apresentando uma mecânica nova, blablabla ginásios, insignias, etc”. Dammit!, Nintendo…

hall of fame magikarp6) Nível de dificuldade

Eu ia falar sobre o sistema de combate, mas não tenho certeza se quero que isso mude. O que eu tenho certeza que eu quero que mude é o nível de dificuldade do modo single player.

Basicamente, para terminar um jogo de Pokémon, tudo que você precisa fazer é subir o nível de seus pokémons e deu. Só que, quando você joga competitivamente contra outras pessoas, aprende que a mecânica de combate de Pokémon é tão rica, tão saborosa, permite tantas opções, que realmente é uma pena que você não use NADA desse universo maravilhoso em 95% do jogo.

Se o jogo usasse mais estratégia, você teria que fazer combos, ser criativo, explorar as fraquezas do oponente, criar sinergia entre o seu time, enfim, jogar o sistema de combate muito bem bolado que Pokémon JÁ TEM, mas que no modo single player se resume a pegar o ataque mais forte possível, e bater de novo e de novo. Ao invés disso, é possível terminar o jogo com uma equipe de magikarpas.

coop journey7) Co-op

Junto com o remake de Final Fantasy VII e Half-Life 3, o MMORPG de Pokémon é uma das coisas mais aguardadas dos vídeo games. Spoiler: nenhum deles vai acontecer tão cedo (sequer descartaria “nunca”) por diversas razões.

Entretanto, tem um paliativo que funcionaria: modo cooperativo. Vamos lá, o sistema de combate permite até lutas em trios, e Dark Souls e Journey já provaram ubermente provados que dá pra fazer um sistema cooperativo simples mas eficiente. Aliás o co-op de Journey poderia ser quase transportado integralmente para Pokémon, e seria lindo.

Lindo, eu digo.

pokemon chaveiro8) Mais cuidado no design dos pokémons

Eu não vou dizer “não se fazem mais pokémons como antigamente” por três motivos:

a) Esse argumento é idiota e só perdedores peludos usam ele.
b) Existem pokémons idiotas nas versões anteriores (se você conhece alguém que usa um Spearow ou um Exegutor, mande um beijo).
c) Existem pokémons ótimos nas novas versões, como o Beartic, que é um URSO POLAR COM BARBA, e a barba dele é FEITA DE GELO, ou o Greninja, que é um SAPO NINJA QUE USA A LÍNGUA COMO CACHECOL. Onde está seu Arceus agora?

Isso não quer dizer que não vejamos muitos pokémons que foram criados dando uma cabeçada no MS Paint aberto. Sério gente, pokémon sorvete? Pokémon bebê do Jinx? Pokémon monte de lixo? Mesmo?

evolve trade9) Sistema de evolução por trocas pré-internet

Quando Pokémon foi lançado em 1995, ele veio com uma ideia revolucionária para a Nintendo: Pokémon era na verdade três jogos (Red, Blue e Green), e não vinha todos os pokémons em um só, você tinha que trocar com os amiguinhos que tinham as outras versões, para completar sua coleção com o cabo link do Gameboy. Alguns pokémons só evoluíam dessa forma, e usualmente uns bem legais, como o Gengar ou o Steelix.

20 anos depois, esse sistema de trocas foi atualizado para um mundo wi-fi online, e você pode trocar pokémons pela internet de boa. Ok, certo. Mas sabe o que não mudou? O sistema de evolução.

Então, se eu quiser um Alakazam, o único modo é entregar meu Kadabra para alguém, e torcer que essa pessoa me devolva ele. Dois problemas graves nisso:

a) Na escola, se o filho da puta quisesse pegar meu pokémon e sair correndo, eu podia correr atrás dele e matá-lo tropeçando em cima dele (eu era gordo e desajeitado, me julguem). Na internet faz como?

b) Para não depender da sorte com estranhos, isso parte da premissa que eu tenha amigos, e que eles joguem Pokémon. Obviamente a Nintendo não entende muito bem como a nerdice funciona…

E é por isso que eu jamais tive um Milotic, e provavelmente jamais terei. Culpa da Nintendo (e da Dilma).

10) Um único arquivo de save.

Os cartuchos de NES de 1988 faziam melhor que isso. Sério.

a4e6c34405164b0fd45263f8b5dc09a4fa07d37ebc9d5731469c2d4769cba8f1

3 thoughts on “[TOP 10] POKÉMON: coisas que deveriam mudar nos jogos

  1. Texto genial, concordo com praticamente tudo, principalmente a parte da dificuldade maior no singleplayer. Seria demais ter que treinar seus IV’s pra vencer a elite quatro após vários fracassos.
    Mas alem disso tudo que foi dito eu teria mais duas coisas pra acrescentar
    A primeira é que nesses novos jogos de pokemon, chegar ao level 100 é a coisa mais fácil do mundo, lembro bem que nos pokemons mais antigos eu nunca havia chegado nesse nível, e no X/Y eu chegava em 10 minutos. Então acho que seria mais interessante se isso voltasse a ser difícil, ou que alguns pokemons mais fracos evoluíssem bem mais rápido do que pokemons mais fortes, motivando os jogadores a terem pokemons alternativos.
    A segunda coisa são novas evoluções para pokemons que só tinham dois estagios e uma revisão geral nos stats dos pokemons. É muito triste você sofrer pra evoluir um pidgeot e ele não dar nem pro cheiro contra um charizard sendo que os dois estão no mesmo estagio. É deprimente ter vários pokemons incríveis mas ter que descarta-los se quiser participar do competitivo, fazendo os pokemons do pessoal serem sempre os mesmos.

    • Verdade seja dita, ao menos a Nintendo teve piedade em sua alma e no X/Y voce pode ao menos VER os seus EVs (não lembro dos IV, faz um tempinho que eu joguei). Ao menos isso.

  2. ahsuahsu muito foda, mas seguinte,sobre os Pokemon: Eles se baseiam na mitologia Xintoista, em que as criaturas vão de Animais, plantas, objetos inanimados, fantasmas, Junção de seres e objetos e ETC. Por tanto,a forma deles nem se quer chega perto de ser um grande problema (apenas para a gente, que não conhece a mitologia a qual pokémon se baseia). Muito bom o texto, genial.

Comments are closed.