[TECNOLOGIA] A nova Motorola

nova-motorola

“Nós não somos só uma empresa comum”

Lembra da época que todo mundo queria um Motorla V3? Parece que isso foi há 8 anos, né? É porque foi mesmo. A Moto estava no topo: diversidade de aparelhos, domínio do mercado e marca estabelecida no mundo. Até Julho de 2006, mais de 50 milhões de unidades do Razr V3 foram vendidas no mundo. Até que, de repente, um inimigo inesperado e em formato de maçã apareceu. O mercado mudou e faltou fôlego e visão para acompanhá-lo, a empresa começou a perder dinheiro, suas ações caíram drasticamente, em Julho de 2008 – pouco depois de estar voando alto – a empresa perdeu vários de seus funcionários que foram trabalhar no desenvolvimento do suculento iPhone da Apple.

Começava, então, uma era de vacas magras. Steve Jobs e AT&T tinham um acordo milionário de exclusividade para o iPhone e a Verizon – parceira da Motorola – precisava de um concorrente a altura, e esse concorrente não seria o Windows Mobile, que estava atrasado. Em 2009, Senjay Jha assumia a chefia da divisão de dispositivos móveis da empresa e anunciava que seus esforços seriam voltados para abraçar o Android, do Google. No final daquele ano, o iPhone viu seu primeiro concorrente de peso: o Motorla Droid ganharia o prêmio de Gadget do Ano da Time Magazine.

motorola-droid

O resto é história, entre alguns acertos e muitos – mesmo! – erros, passamos por Defy, Atrix, XOOM e chegamos, em Novembro de 2011, ao excelente retorno da famosa linha Razr, com o Droid RAZR, o smartphone 4G mais fino de sua geração, ostentando uma traseira feita de Kevlar foi porta-bandeira do renascimento da empresa.

Em 4 de Janeiro de 2011, a divisão de celulares da Motorola foi separada em uma empresa diferente, chamada Motorola Mobility. 7 meses depois da separção, a bomba. Google iria adquirir a Motorola Mobility por 12.5 bilhões de dólares. Por essa ninguém esperava. O que a gigante da internet faria com a Moto? Seria o fim de uma empresa tão importante para o setor? O Google iria parar de manter sua parceria com os outros fabricantes de smartphones e tablets com Android, concorrentes diretos de sua mais nova aquisição?

motorola-new-logo

Quase 2 anos se passaram e as respostas ainda eram poucas.  Na semana passada pudemos conferir o novo logo da empresa, que contém a frase “uma empresa do Google”, em tradução livre, e usa e abusa da paleta de cores do buscador. Hoje, a empresa divulga o anúncio de seu smartphone mais aguardado, conhecido como Moto X, é o primeiro smartphone em que poderemos realmente ver a influência do Google na linha de produtos.

motorola-moto-x-comercial

O primeiro smartphone desenvolvido, projetado e montado nos EUA está chegando.

Amahã, você irá comer hambúrgueres, assistir fogos de artifício e celebrar a liberdade de ser quem você quiser ser. É com esse mesmo espírito que estamos trazendo algo novo.

O primeiro smartphone que você pode projetar como quiser. Porque hoje você deveria ter a liberdade de planejar as coisas da sua vida para serem tão únicas quanto você mesmo.

E isto é só o começo. Imagine o que será possível quando tivermos os melhores talentos de design, engenharia e fabricação localizados aqui nos EUA.

Nós sabíamos que seria um desafio. Na verdade, algumas pessoas disseram que não poderia ser feito. Mas nós não somos só uma empresa comum. Nada tão animador assim vem de maneira fácil.

Moto X.

Em breve,

Projetado por você. Montado nos EUA.

Seguindo os rumores e especulações dos últimos meses, parece que a Motorola está realmente investindo em um novo mercado de smartphones criados sob demanda. Você poderia escolher a melhor configuração para seu uso (e seu bolso) e ter seu aparelho entregue em casa do seu jeito. Se o mercado irá aceitar essa nova forma de consumo, ainda iremos descobrir, assim como a maneira que a empresa irá viabilizar a fabricação de seus dispositivos em solo americano para atender a demanda mundial, ou se essa fabricação será distribuída em vários lugares.

De qualquer maneira, parece que a imagem da velha Motorola, aquela de aparelhos lentos, com o desastroso Motoblur e câmeras fracas está começando a desaparecer e será substituída pela de uma empresa mais jovem, moderna e pronta para seguir as tendências de mercado que mudam cada vez mais rápido hoje em dia. E como as concorrentes irão reagir se essa mudança de paradigma for bem aceita pelos clientes.

Vale ficar de olho para acompanhar os novos e incríveis passos que serão dados no, ainda muito novo, mercado de mobilidade em todo o mundo.