[ARTE] O místico e o fantástico na arte de Julie Dillon

Com uma combinação de cores vívidas e contrastantes, Julie Dillon usa sua arte para nos transportar para lugares jamais vistos e Reinos Imaginados. Este último, aliás, é o nome dos dois artbooks da talentosa ilustradora. Confira abaixo uma amostra do belíssimo acervo, e tente explorar cada detalhe. Garanto que compensará cada minuto:

[ARTE] Batalhas épicas de Skyrim e O Senhor dos Anéis retratadas nas artes espetaculares de Gax.

Enquanto o primeiro rendeu alguns momentos de gelar a espinha no multiverso dos games, o outro nos ofereceu um embate que já se tornou um clássico do cinema menos de 16 anos após o lançamento do primeiro filme da trilogia. Boa parte disto é devido aos dois grandes inimigos enfrentados pelos heróis de Skyrim e O Senhor dos Anéis.…

[GALERIA] Shangai Tango e sua arte inteligente

Shanghai Tango é um cartunista conhecido por seus quadrinhos minimalistas, inteligentes e divertidos. Ao longo dos anos, a coleção do artista reuniu uma gama de obras que não são tão simples como se poderia pensar à primeira vista. Algumas fazem pensar… Dê uma conferida:

[ARTE] Epiphany: viajando por mundos imaginários de artistas verdadeiros.

Desde meados do ano passado eu entrei pra equipe de colaboradores da Epiphany, uma página do Facebook dedicada à divulgação de artes relacionadas especialmente ao gênero fantasia. Como o próprio nome indica, é uma galeria virtual para aqueles que buscam aquele “clique” de inspiração, ou simplesmente para quem aprecia artes belamente executadas que nos transportam, por alguns…

[VARIEDADES] Perspectiva Forçada – Uma Boa ideia

Há alguns anos surgiu um boato de que fotos na frente da Torre de Pisa seriam proibidas por um motivo realmente inusitado: Fotografias de perspectiva forçada. Até onde é boato ou não, nunca se soube, porque arrancar uma verdade da internet é mais difícil do que fazer doleiros falarem. Mas, cá pra nós, apesar de…

[ARTE] Um momento de paz e natureza

No mundo atual de selvas de pedras e caóticos trânsitos empoeirados, por muitas vezes deixamos de lado nosso lado natural. Há tantos anos nos acostumamos com a comodidade da tecnologia e da artificialidade, que quase esquecemos que fazemos parte da mesma.