[TÁ NO CATARSE] O Bestiário Particular de Parzifal, de Hiro Kawahara

Um dos subgêneros da ficção de que mais gosto é a fantasia urbana. O contato entre o mundano e o fantástico normalmente rende boas histórias. Este parece ser o caso de O Bestiário Particular de Parzifal, o novo trabalho de Hiro Kawahara.

A trama é focada numa mãe que, num momento difícil de sua vida, recorre à ajuda dos amigos imaginários de sua infância.

Saiba mais sobre a obra a seguir:

O projeto

Anos atrás, uma gestante consultou uma cartomante, que lhe disse que sua filha teria uma vida muito difícil e sofrida.

Na tentativa de mudar esse destino, a mãe levou a criança para viver em uma floresta, isolando-a de tudo e de todos, acreditando que ali ela estaria segura das dificuldades que a vida lhe reservava. Deu a ela o nome de um cavaleiro da Távola Redonda, aquele que encontrou o Santo Graal, na esperança a menina crescesse forte e invencível como uma guerreira.

Sem pai e com uma mãe imatura que vivia fora da realidade, Parzifal cresceu sem referências. Para suprir suas carências, criou muitos amigos imaginários. Da melhor maneira possível, eles educaram e a protegeram até a vida adulta, um período muito maior do que lhes era permitido. Na mente de Parzifal, eles tornaram-se criaturas reais, com qualidades, problemas e inseguranças típicas dos humanos.

Um dia, Parzifal sai da floresta para dar à luz na cidade e precisa deixar seus amigos imaginários.

A partir daí, sua vida começa a desandar ladeira abaixo. Como nunca aprendeu a lidar com problemas, Parzifal simplesmente fingia que eles não existiam, o que gerava consequências ainda piores.

Com o passar do tempo, Parzifal foi esquecendo seus amigos imaginários, levando uma vida focada nas preocupações e desgostos de uma vida adulta mal resolvida.

Muitos anos depois, Parzifal encontrava-se no pior momento de sua vida. Com uma filha muito doente, sem dinheiro, sem bens, sem amigos ou familiares, ela retorna à floresta, na esperança de que seus antigos amigos imaginários possam ajudá-la.


“Parzifal” é uma história delicada e melancólica. É sobre de uma mãe com mais de 40 anos que nunca foi orientada para lidar com o mundo real, mas precisa criar suas filhas dentro de um universo de muitos desafios.

É uma história de uma pessoa que tem dificuldades em se tornar adulta. Alguém muito criativo e que nunca teve responsabilidades ou referências e que por isso sempre tomou as decisões erradas, estragando a própria vida e a de outros.

É uma história sem vilões, sem grandes ações e sem atos grandiosos. Quis trabalhar com algo mais sutil, coisa que não fiz em trabalhos anteriores, da mesma forma que também quis explorar novas formas de linguagens gráficas. Apesar de triste, é uma história cheia de luz, literal e metaforicamente.

Tentei criar uma história onde não há pessoas certas ou erradas. Da mesma forma que Parzifal cometeu erros por falta de exemplos e orientação, seus amigos imaginários também erraram porque jamais poderiam ser companhia de alguém adulto, pois não foram preparados para isso.

Todos agiram de maneira emocional, querendo o melhor para todos. E essa vontade de fazer o bem sem pensar nas consequências é o que gerou a tragédia particular de Parzifal e de seus amigos.

A busca da cura de Zizi torna-se a busca do Graal de Parzifal, na esperança de que aconteça uma transformação ou uma redenção.

DA PARTE GRÁFICA

Eu venho de uma formação de ilustração. Por isso tenho buscado uma forma de expressão gráfica como se fosse um estilo de trabalho. Neste terceiro quadrinho, decidi eliminar os contornos dos desenhos, deixando apenas as massas de cor, tirando a leitura direta que as linhas pretas proporcionam. Sem elas, acontece um clima de fantasia permanente, com algumas cenas propositalmente coloridas ou confusas demais, como se a mente da protagonista não soubesse diferenciar realidade de fantasia.


72 páginas coloridas

17cmx23cm

Capa em papel cartão 300g

Miolo em papel offset 120g

Lançamento previsto para novembro de 2017

Tiragem: 2500 unidades

Mais detalhes sobre a obra, incluindo as recompensas para cada valor de apoio, você descobre acessando a página do projeto no Catarse.

Deixe uma resposta