[SERIES] Por que amamos o Doutor?

all-doctors-day-of-the-doctor-570x319

Hoje, 23 de agosto de 2014, estreia a nova temporada da maior série de televisão de todos os tempos: Doctor Who. Quer dizer, maior no sentido literal mesmo, o primeiro episódio foi transmitido pela BBC de Londres em 23 de novembro de 1963!

Já fazem mais de cinquenta anos, quase três gerações inteiras, que fãs do mundo todo se reúnem na frente da TV (ou mais recentemente do computador) para assistir a pergunta talvez mais fundamental da história da televisão: doutor… quem?

Mas qual o segredo do sucesso? Como uma formula pode não ficar desgastada e implorar para ser posta para descansar como acontece com qualquer outra série? Qual o segredo do Doutor e sua fiel companheira?

Bem, em primeiro lugar é necessário entender sobre o que é a série e a série é sobre… deslumbramento.

ui que ela me afoga!

ui que ela me afoga!

Sabe, por mais que os comerciais de perfume digam o contrário, nossas vidinhas são bem previsíveis e chatas. Você tem um emprego (ou não), uma família (ou não), amigos (ou não) e talvez até mesmo conheça alguém especial (ou não, o que é bem provável caso você esteja lendo esse texto, sejamos realistas).

E mesmo as coisas mais fantásticas da vida são quantificadas e codificadas de uma forma cinza e maçante. Mesmo que exista um Deus que possa criar galaxias com um estalar de dedos, as religiões o vendem de uma forma desinteressante e chata. Mesmo que uma partícula de luz possa ir até o SOL e voltar em menos de vinte minutos, as escolas vendem essa ideia de uma forma que ela pareça desinteressante. Eu nem vou entrar no mérito do tédio que a História se torna nas mãos dos professores.

Mas não é assim que as coisas são, não realmente. O universo, o tempo e o espaço, são coisas incríveis e pulsantes! é tão muito mais do que isso de formas que não podemos sequer compreender com nossas mentes humanas!

E as vezes ele é ruivo. Não, brinks, ele nunca é ruivo.

E as vezes ele é ruivo. Não, brinks, ele nunca é ruivo.

Existem estrelas geladas la fora, civilizações que sumiram e desapareceram antes do nosso Sol servir para esquentar uma pizza, nuvens de gases tão radioativos que fazem você se desintegrar apenas de olhar para elas. Um planeta inteiro que é um grande engarrafamento no qual as pessoas nascem, vivem e morrem todas suas vidas. Um universo sem estrelas daqui a 50 trilhões de anos quando as luzes estiverem se apagando. Um planeta inteiro que é uma biblioteca com todos os livros jamais escritos. A própria essência do fluxo espaço-tempo que compreende tudo que foi, é, será e poderia ter sido! Tantas, tantas outras coisas!

Bem, talvez nada disso realmente exista, mas não é fantástico pensar sobre elas?

Mesmo o nosso mundo é repleto de coisas fantásticas e únicas que nos são vendidas como sendo desinteressantes. Pense em Pompéia, pense nos Dinossauros, pense na variante evolutiva do ser humano que desapareceu, pense nas coisas inimagináveis que existem residindo na Fossa das Marianas (a qual conhecemos menos do que a Lua, na verdade), pense na genialidade de Van Goch que morreu pobre e achando que ele era um fracasso como artista, pense em Agatha Christie – a maior escritora de todos os tempos que desapareceu por uma semana inteira e até hoje ninguém sabe exatamente o porque.

shut

Sério Hitler, dá um tempo pra cabeça…

Mas nem precisamos ir tão longe assim. Peguemos mesmo as pequenas coisas da vida as quais simplesmente passamos todos os dias e nem reparamos. Uma menina que esperou. Uma estatua de um anjo chorando. Uma sombra. Uma criança que procura sua mãe. Alguém que simplesmente se levanta e diz apenas “não!” na hora mais improvável possível. Alguém que apenas canta quando não há mais nada a ser feito. Um menino que tem medo do seu armário.

Talvez todas essas coisas que eu citei pareçam tremendamente mundanas e desinteressantes (mas whoovianos sabem exatamente do que eu estou falando e ficaram arrepiados), mas e se houvessem histórias interessantes e profundas sobre a própria essência do que é ser humano?

Agora, tente imaginar se for possível, juntar essas três coisas em uma só. Tempo, espaço e uma abordagem intimista do que realmente é o ser humano, o que teríamos?

A melhor explicação para como o fluxo temporal funciona

A melhor explicação para como o fluxo temporal funciona

Possivelmente, sei lá, uma aventura no ano 35 mil em um planeta onde jorram cachoeiras de cristal e que as pessoas são forçadas a enfrentar aliens e com isso revelam o pior e o melhor do preconceito, da necessidade de fazer parte de um grupo e sobre fazer a coisa certa apesar do preço.

Parece louco, não? Pois é, mas eu só descrevi um excelente episódio. Mesmo. Essa é a essência da série, o coração pulsante da TARDIS.

TARDIS is the best waifu ever!

TARDIS is the best waifu ever!

Pode ser sobre dinossauros em uma nave espacial ou spitfires britânicos da segunda guerra combatendo aliens ou um alien (que parece um saleiro gigante) geneticamente construído para ser capaz de sentir apenas ódio e aprende a sentir dor, mas essa é a essência.

Como se não fosse suficiente, a série alterna entre níveis de epicidade que só são possíveis no limites da imaginação. Pode ser desde uma ameaça que vá destruir todo o continuo espaço-tempo até um pai que faz um milagre porque ouviu a voz do seu filho, desde criaturas tão antigas e poderosas cuja existência definiu toda concepção do que é o mal até assassinos perfeitos que podem ser detidos com um único olhar (mas pelo amor de deus, faça o que fizer, NÃO PISQUE!).

E a imaginação é ilimitada, não importa o que os best sellers ou os blockbusters tentem te dizer de que só existem 3 ou 4 formulas.

Adicionalmente, eu tenho um fraco por histórias onde coisas completamente idiotas e aleatórias tem um motivo muito sério por detrás, como sair por aí usando óculos 3D

Adicionalmente, eu tenho um fraco por histórias onde coisas completamente idiotas e aleatórias tem um motivo muito sério por detrás, como sair por aí usando óculos 3D

Outra coisa que ajuda a manter o interesse é que volta e meia o Doutor regenera (os gallifreynianos podem regenerar 12 vezes para evitar a morte e a cada regeneração eles se tornam outra pessoa tanto fisicamente quanto em hábitos e preferencias) e ele se torna um novo homem. As vezes ele se torna o homem que faz exércitos fugirem a menção do seu nome, as vezes ele se torna o homem que escolheu esquecer, e mesmo sendo a mesma entidade você sente falta do homem que ele era na mesma medida que rejeita aquele idiota que ficou no lugar do SEU Doutor. Porque ele teve que ir e te deixar esse estranho sem graça?

Mas então, muito lentamente, você começa a admitir que talvez ele não seja tão ruim assim mesmo sendo um narigudo orelhudo, use um casaco que parece uma colcha de retalhos, seja um hipster de tênis ou usando gravata borboleta. E então chega a hora dele ir embora e você percebe que tudo que tem a dizer é… “por favor, não vá”.

E hoje, esta noite, uma nova aventura no tempo e no espaço começa com um novo Doutor. Eu não já gosto dele, mesmo sem ter visto mais do que 20 segundos dele em cena, mas sei que ele nunca vai ser tão legal quanto os outros, não vai ter os mesmos bordões ou o modo alien apaixonante de pensar. Não vai ser ser o mesmo alien que fez você rir, chorar e pensar.

Mas também sei que quando tudo tiver passado e chegar a hora dele ir eu vou apenas dizer “por favor, não vá.”

FEELZ!

FEELZ!

Porque é assim que sido nos últimos 50 anos.

Então, Doutor… quem?

E então Peter Capaldi começa hoje como o 13o Doutor. Apenas o trabalho mais importante da televisão. Sempre pressão aqui ;)

E então Peter Capaldi começa hoje como o 13º Doutor. Apenas o trabalho mais importante da televisão.
Sempre pressão aqui 😉

Então, respondendo a pergunta inicial do post… porque amamos o Doutor?
Porque ele nos lembra o quanto o universo, tudo que existiu, existe, existirá e poderia ter existido, é incrível.
Porque ele é um louco em uma cabine azul.

Certo. É isso que irei fazer. Vou lhe contar uma história.

Você pode ouvi-los? Todas essas pessoas que viveram com medo… de você e do seu julgamento. Todas essas pessoas cujos ancestrais se dedicaram. Sacrificaram-se. Para você.

Pode ouvi-los cantando?

Mas você não é um deus. É só um parasita alimentando-se com ciúme e inveja… ansiando pela vida dos outros.

Você se alimenta deles. Na memória do amor, da perda, nascimento, morte, alegria e tristeza.

Então…

Vamos lá, então.

Pegue a minha. Pegue as minhas memórias.

Mas eu espero que tenha um grande apetite. Porque eu vivi uma vida longa… e eu vi algumas coisinhas.

Eu escapei da última Grande Guerra do Tempo.

tumblr_mkx0wuXlr61qb27jeo9_r1_250

Eu assisti a morte dos Senhores do Tempo.

Eu vi o nascimento do Universo e assisti o tempo esgotar-se, momento após momento, até não restar nada!

tumblr_mkx0wuXlr61qb27jeo2_250

Nem tempo! Nem espaço!

Só eu!

tumblr_mkcjjuUjju1rvlp7eo7_250

Eu andei em universos onde as leis da física… eram concebidas pela mente de um homem louco!

tumblr_mkx0wuXlr61qb27jeo3_r1_250

Eu assisti universos congelarem e criações queimarem!

tumblr_mkx0wuXlr61qb27jeo5_r1_250

Eu vi coisas que você não acreditaria!

Eu perdi coisas que você nunca entenderá!

tumblr_mkv2cs9c2i1qfpkmdo1_500

E sei de coisas! Segredos que nunca devem ser revelados!

Conhecimentos que nunca devem ser contados!

Conhecimentos que fariam deuses parasitas queimarem!

tumblr_mkx0wuXlr61qb27jeo7_r1_250

Então, vamos lá!

Pegue!
Pegue tudo, criança!

tumblr_mkwiuo5Ya91r30tfoo4_500

2 thoughts on “[SERIES] Por que amamos o Doutor?

  1. Depois de ler esse texto percebi em mim um carinho pela Série Atual que eu tinha esquecido ter. O autor está de parabéns! A única coisa que não entendo é essa ladainha de fãs que amam o Doutor que está partindo e detestam o novo, para depois amarem o novo e ficarem triste quando recebem a notícia de que ele partirá, para começar tudo novamente… Eu, particularmente, tive um grande apreço pelo 11º desde seu bafo cósmico e comecei a perceber o quão fraco o anterior era – não me odeiem por isso, sei que “””todos””” amam o 10º…

Comments are closed.