[SÉRIE] The Walking Dead s05e01: “No Sanctuary” (resenha)

walking-dead-season-5comic-con-poster

Com um episódio bastante movimentado do início ao fim, The Walking Dead estreou sua 5ª temporada neste domingo. Abaixo comentarei um bocado sobre a season premiere, portanto, alguns SPOILERS serão feitos.

Ao contrário do que ocorreu na 4ª temporada, que comecei a assistir forçado, apenas para escrever um review sobre ela, esta eu iniciei com interesse, pois o gancho da anterior me deixou com suficiente interesse pra continuar acompanhando a série. Felizmente não me decepcionei.

O episódio começa imediatamente após o final da 4ª, com Rick Grimes (Andrew Lincoln) e seu grupo presos no vagão de trem do Terminal. A sequência inicial de “No Sanctuary” é daquelas que mostram o quanto a equipe de produção da série aprendeu com os erros do passado, investindo no que fazem de melhor: escrever, dirigir e montar boas sequências de suspense. Mais um acerto de Greg Nicotero, que vem se superando a cada novo episódio que dirige, entre uma maquiagem de zumbi e outra (é ele o criador do visual dos mortos-vivos, caso não saiba).

the-walking-dead-s05e01-no-sanctuary-cagaco-no-matadouro

“Qual a necessidade dessa faca, jovem? Vamos conversar…” (sobre como eu vou te matar daqui a pouco)

Mas devo dizer que parte da tensão da cena do “matadouro” se diluiu logo quando mostraram a ordem da fila dos que seriam “abatidos”. Deixaram muito na cara que não aconteceria nada. E a sequência de interrupções ocorridas antes de chegar a vez de Glenn (Steven Yeun) acabou tendo um efeito mais cômico do que “aliviador de tensão”.

O episódio foi inteiro dedicado à fuga de Rick e os demais do tal “Santuário”, e à missão de resgate de Carol (Melissa McBride).

Aliás, a Carol merece um parágrafo só dela por sua participação no episódio. Depois de protagonizar “The Grove“, um dos episódios mais marcantes da 4ª temporada, a personagem foi uma das que mais amadureceu na série. O que nos levou ao seu “momento Rambo” em “No Sanctuary“, onde praticamente sozinha (e com a ajuda de uns zumbis estrategicamente direcionados para o Terminal), derrubou as defesas do lugar. Deu gosto ver aquele bando de canibais sacanas sendo devorados por mortos-vivos.

Carol "Rambo" ao resgate! o/

Carol “Rambo” ao resgate! o/

Outro detalhe que me incomodou um pouco foi a tentativa corrida e superficial do roteiro de Scott M. Gimple de dar um arremedo de motivação pro grupo do Terminal. Não fez muita diferença no fim das contas saber o que os levou a fazer aquilo, pois muito pouco foi mostrado do passado deles para que nos importássemos com qualquer justificativa que dessem para seus atos. Achei que necessitava de um pouco mais de flashbacks, ou de estender a estadia de Rick e os outros no local por mais um episódio, pra isto ser melhor explorado. No fim, teve um efeito parecido com os dois episódios da temporada passada dedicados ao Governador, que acabaram se mostrando desinteressantes.

Como dito acima, nesta retomada, pouco desenvolvimento foi dado aos personagens, que se concentraram mais em agir do que em discutir seus problemas uns com os outros, o que é bom, pois conseguiu prender a atenção do espectador até o fim, sem deixar a bola cair.

...inclusive teve até uma BOLA DE FOGO ZUMBI!!! O.O

…inclusive teve até uma BOLA DE FOGO ZUMBI!!! O.O

Os reencontros no final lembraram aqueles momentos emocionantes dos finais dos episódios das primeiras temporadas de Lost, mas não chegaram a emocionar taaanto assim, apesar de ter sido bacana ver o Daryl (Norman Reedus) se derreter todo por ter reencontrado a Carol, abraçando-a como se tivesse reencontrado sua mãe, e o Rick aceitando-a de volta ao grupo sem dizer nada. Apenas uma troca de olhares e um abraço, e o resto foi só interpretação bem feita pelos atores. Gosto dessa economia de palavras numa série que consegue sair-se muito bem em seus momentos silenciosos.

"Pô, Carol, te considero muito, ae!! T_T" (mas não mate mais pessoas no nosso grupo sem minha autorização)

“Pô, Carol, te considero muito, ae!! T_T” (mas não mate mais pessoas no nosso grupo sem minha autorização)

Esta season premiere também foi eficiente em plantar algumas subtramas que serão melhor abordadas nos episódios seguintes, como a possibilidade de uma cura para a pandemia zumbi, e a volta de um personagem do qual alguns já haviam se esquecido.

Bom início para uma temporada que promete manter o ótimo nível alcançado na anterior, além de ter preparado o terreno para que Rick e seu grupo voltem a explorar seu mundo pós-apocalíptico, deixando o presídio e o Terminal para trás. Quais ameaças eles encontrarão a seguir? O jeito é continuar acompanhando pra descobrirmos.

Nota 8,0

2 thoughts on “[SÉRIE] The Walking Dead s05e01: “No Sanctuary” (resenha)

  1. Eu curti bastante esse inicio de temporada, o lance de “justificar” o porque os residente de Terminal se tornaram canibais foi vazio demais, MAS acho que ainda teremos “altas confusões” com alguns sobreviventes de lá, afinal o chefe do local não foi morto.
    O que achei que deveria ter sido mostrado com frieza foi o momento que o Tyreese matou o outro cara, tinha que ter sido mais viceral, pois quem conhece o personagem dos quadrinhos sabe que o cara é um “monstro” em materia de sobrevivência. E a cena extra foi foda.

Comments are closed.