[RELATO] Matt Fraction Fala Sobre Suicídio e Depressão

1100298-matt_fraction_4

Matt Fraction, pra quem não acompanha o mundo dos quadrinhos, é um escritor da Marvel Comics, atualmente muito aclamado pela crítica especializada e por seu público leitor graças ao seu trabalho em títulos como Hawkeye e FF (sobre o qual já falei um bocado aqui). É ele quem comandará Inhumanity, o próximo evento da editora, além da nova série mensal dos Inumanos.

Recentemente ele chamou a atenção não por alguma de suas histórias em quadrinhos, mas pela resposta que deu a um de seus leitores, que o procurou fazendo perguntas sobre suicídio e depressão, que deram a entender que ele (ou ela, pois não fica claro o sexo da pessoa) estava cogitando a possibilidade se matar.

O texto a seguir é uma tradução e adaptação feita por mim das perguntas do leitor, e da resposta de Fraction.

Obs.: acrescentei algumas notas sobre as referências culturais que ele usa no texto. Elas estão [entre colchetes] e em azul.

Perdão por te meter nisto mas eu tenho uma pergunta honesta sobre depressão e suicídio. Não é completamente possível que isto seja uma alternativa pra alguém? Não pode haver alguém lá fora que está genuinamente cansado e não quer continuar? Sei que há beleza e coisas maravilhosas neste mundo. Que há coisas pelas quais seguir em frente. Que haverá mais dor, mas também mais risadas. Mas e se eu não estiver interessado?

Bem… Pra começar, eu diria, procure uma ajuda profissional imediatamente. Porque sou loucamente desqualificado pra responder sua pergunta com nada menos que experiência. E em primeiro lugar, minha experiência diz que, se você está num lugar tão profundo e escuro que o faz dizer essas coisas para completos estranhos na internet, você precisa entrar em contato com alguém que possa ajudá-lo a começar a se curar.

Em segundo lugar, eu diria que… você está errado. Eu diria que as coisas que qualquer um de nós não sabe, especialmente sobre o amanhã, podem cobrir cada grão de areia de cada praia do mundo com besteiras. E simplesmente assumir que você estará mal amanhã porque está mal hoje é um engano. Um engano factual, um erro, um erro crítico de cálculo.

Eu diria pra ler JUMPERS de Tad Friend [texto em inglês] no qual ele procura, se encontra e conversa com pessoas que pularam da Ponte Golden Gate – e sobreviveram. E elas dizem as mesmas variações disto: “Eu instantaneamente entendi que tudo em minha vida que eu pensava ser irreparável era totalmente reparável – exceto o fato de eu ter pulado.”

E eu sei que este texto me manteve sentado em minha cadeira por mais de duas noites sombrias.

E eu diria – eu diria que também já me senti assim antes, e que eu estava errado.

E então eu contaria pra você algo que eu acho que nem mesmo minha esposa sabe. Isto aconteceu anos antes de nos conhecermos – pô, mais de uma década – e não foi a primeira vez que fiquei perto de suicidar-me, foi numa noite de ação de graças. Eu comi bem e quando todos foram dormir eu entrei no banheiro, preparei um banho tão quente quanto eu podia aguentar, e entrei na banheira com uma lâmina de barbear.

Quando eu comecei a cortar, quando o fio tocou minha pele e o sobressalto de dor disparou em minha cabeça, eu parei e pensei – é sua última chance. Você tem CERTEZA?

E eu estava cansado. Eu soava como você, sabia que haveria altos e baixos de novo, mas eu estava tão CANSADO que não podia sustentar o pensamento de ir adiante. Eu sentia este… interminável amontoado de dias cinzentos e tépidos, mas por alguma razão eu tinha que cumprimentar todo mundo com um sorriso. A pressão constante de ter que guardar meus problemas pra mim era desgastante.

E eu me perguntava – bem, tem algo sobre o qual você esteja curioso? Qualquer coisa cujo desenrolar você queira ver. E eu pensei num quadrinho que estava lendo na época cujo final da história eu não sabia. E me toquei que eu tinha curiosidade. E este foi o gancho onde pendurei meu chapéu. Por querer ver algo se desenrolar eu não estava pronto. Aquele pequeno broto cutucando toda aquela terra negra me manteve por aqui por um pouco mais de tempo.

Eu me toquei que já fazia muito tempo que eu havia dado risada. Estava tão entorpecido e reprimido que… parei de rir. Talvez se eu risse um pouco eu pudesse seguir em frente de novo. Daí eu esperei a conclusão da minha história em quadrinhos, tentei dar umas risadas, e reavaliei.

Então eu estava na banheira com uma lâmina bem afiada, certo? Olhei pra baixo e lá estavam gotas de mim flutuando na água, e pensei, “certo, vamos nos divertir”, e comecei a trabalhar.

Eu raspei verticalmente a exata metade dos meus pelos pubianos. O resultado foi uma púbis que parecia um Chia Pet que só funcionou pela metade [Chia Pets são miniaturas de animais ou cabeças humanas com furos na superfície por onde crescem brotos de chia que simulam os pelos do bicho ou o cabelo da figura humana – veja uma imagem aqui]. Eu comecei a rir quando fiz isto. E toda vez eu ia mijar, olhar pra baixo me fazia rir.

JESUS, que pesadelo era aquilo.

Pouco tempo depois assisti muitos desenhos animados de Chuck Jones e Tex Avery. Coçava bem menos e era bem mais engraçado.

Jesus. Eu ainda estava no ensino médio na época. Imagine um gordinho esquisito que estava sempre dando risadinhas de seu pinto no banheiro. Este era eu.

E depois eu te contaria sobre o Dave, que fez o mesmo que eu alguns anos depois, porém NÃO TINHA minha hilária estratégia Chia Pinto em mente, e cortou-se com a lâmina. E quando ele começou a sangrar “Brown Eyed Girl” tocou no rádio e ele se deu conta de que jamais a escutaria de novo, e numa sangrenta comédia de erros – juro por Deus que isto é verdade – ele saiu da banheira, tentou se vestir o melhor que pôde, desceu as escadas pedindo socorro e descobriu que sua família havia saído, entrou no carro, e dirigiu até a casa do Doug, só que o Doug não estava em casa, daí, finalmente, ele apagou devido à perda de sangue, sentado em seu carro, tocando um CD do Van Morrison repetidamente, até, por sorte, a mãe de Doug chegar em casa e encontrá-lo.

A porra do Van Morrison, sacou?

Uma música, um quadrinho, algo idiota, algo pequeno. Desta semente pode surgir tudo mais, juro por Deus.

Acho que por fim eu diria… Olha – se você veio até mim atrás de uma resposta, então tenho que chegar até você e insistir que escute isto. Isto significa que você me conhece? Que conhece meu trabalho? Que você leu minhas coisas e pensou, porra, se alguém sabe porque eu não devo acabar com minha vida, se alguém vivo é QUALIFICADO PRA ME SALVAR, é aquele cara que fez a Britney Spears socar um urso? Tá certo – beleza, então, como ESSE CARA estou dizendo: Procure ajuda. Agora, hoje, esta noite, sempre – pegue um telefone e procure um médico que possa te ajudar a se curar, que tente recolorir seu mundo, que possa te ajudar a se importar de novo. Tudo que você precisa é dessa coisinha pequena, desse cisco, desse grãozinho de areia. O Word Series [campeonato de baseball], VINGADORES 2, a nova série da Tina Fey, a primeira edição de PRETTY DEADLY, alguma fatia do mundo que você nunca viu, alguma bebida que você adora. Quem diabos vai amar seu cachorro como você se você for embora? E se J. J. Abrams DETONAR no novo STAR WARS? O que diabos você faz no Dia das Bruxas? Já alimentou um golfinho com suas mãos nuas? Porque eu já, e estou dizendo que É ALGO QUE VALE A PENA EXPERIMENTAR, e oh Deus, QUE PORRA DE FONTE O STARBUCKS VAI USAR NAS BEBIDAS DE NATAL DESTE ANO? [WTF?!] – Não importa o quê ou quão idiota, mas prometo que em algum lugar na sua vida há este cisquinho que pode ajudá-lo a retomar a estrada. Isto é tudo que você precisa. Um maldito cisco, flutuando em sua cabeça.

E porque você me perguntou estou respondendo porque eu conheço, filho da puta, eu conheço, eu conheço, eu conheço o buraco onde está porque já estive aí, e se você olhar bem ainda pode encontrar meus rabiscos nas paredes, e se olhar por tempo o bastante juro por Deus que eles estão apontando pra cima.

Fonte (o texto original em inglês): http://mattfraction.com

2 thoughts on “[RELATO] Matt Fraction Fala Sobre Suicídio e Depressão

  1. Excelente texto do Fraction, só uma coisa não entendi “é aquele cara que fez a Britney Spears socar um urso?”, o que isso significa?

Comments are closed.