[QUADRINHOS] Station 38: desafiando os limites das narrativas gráficas

Station38a

As histórias em quadrinhos são uma das minhas maiores paixões, não apenas por apresentarem seres, cenários e situações fantásticas, mas também pelas grandes possibilidades que sua mídia oferece para criadores dispostos a explorar seu potencial como plataforma de lançamento de narrativas gráficas.

Este ano foi lançado mais um exemplo de quão ampla e flexível é esta forma de arte como instrumento narrativo: Station 38.

A história, concebida por Andy Hirsch, tem a forma inicial de um cubo de papel de 2 polegadas de cada lado, que você vai desdobrando aos poucos para acompanhar a história de um astronauta sem nome, que explora solitariamente uma estação espacial.

Station38c

É o tipo de narrativa que só funciona em formato impresso, e demonstra o quanto esta mídia ainda tem a oferecer para alguém que está disposto a extrapolar os limites da forma. Conforme você desdobra o cubo, a história, literalmente, se desdobra diante de seus olhos, e cada parte da planta da estação espacial que seu protagonista investiga é revelada.

O autor usa este suspense gerado pelo desdobrar literal da história para criar no leitor a sensação de isolamento e ansiedade, conforme o personagem avança pelo cenário e através do mapa gerado pela narrativa visual.

E não é só isto. Uma das grandes surpresas que Station 38 reserva para o leitor é quando o astronauta sobe uma escada que o leva para um segundo andar da estação, e este segundo nível da história se desdobra sobre o primeiro nível, cobrindo os trechos que você já explorou no andar inferior! Assim, Hirsch brincou com a própria geografia que concebeu para sua trama. Sensacional, não?

Station38d

Este review, infelizmente, foi feito com base no que Chris Sims escreveu para o site Comics Alliance, onde ele tão bem apresentou o conceito por trás de Station 38. Tentei contatar o autor via e-mail para adquirir uma cópia, e ele foi muito prestativo e simpático ao responder, dizendo que todas as cópias da HQ já estão esgotadas. Mas não podia deixar de falar deste trabalho, que me pareceu fascinante, e deixo aqui a dica para que acompanhem os trabalhos de Andy Hirsch em seu twitter, seu tumblr, e em seu site oficial, onde ele sempre apresenta amostras dos projetos nos quais está trabalhando, e anuncia as vendas dos mesmos. Eis um autor cujo trabalho vale a pena acompanhar de perto!