[QUADRINHOS] Solar – Volume 1, de Srbek, Abel e Campos (resenha)

Não é fácil criar um super-herói original nos dias atuais. Se ele for brasileiro, então, a dificuldade aumenta. Corre-se o risco de apelar para lugares-comuns, visual carnavalesco, e parecer uma cópia mal-feita dos super-heróis estadunidenses. Há algumas exceções. Uma delas é Solar.

Este foi um daqueles casos em que a capa conseguiu me deixar curioso. Mesmo trazendo em si uma arte muito simples, e longe de ser original, algo no rapaz usando camiseta, calça jeans e tênis, enquanto voa confiante em nossa direção – como se quisesse invadir nosso mundo a partir da HQ que temos em nossas mãos – conseguiu atrair minha atenção. É uma arte muito eficaz em transmitir a leveza da maior parte da HQ escrita por Wellington Srbek, desenhada e colorida por Abel Vasconcellos, com letras e balões de Cleber Campos .

 

Logo na primeira página testemunhamos Gabriel, nosso herói, tendo controle pleno de seus poderes de voo, e somos contagiados por seu entusiasmo diante de tamanha liberdade. E, como toda boa história de origem, voltamos algum tempo no passado pra descobrir como tudo começou.

Verdade seja dita, Solar não é uma história de super-herói muito original. Ela não tenta redefinir os quadrinhos do gênero. Srbek e Abel criaram uma trama que entretem no início ao fim, sem experimentações narrativas ou tentativas de ser mais do que realmente é: uma história de origem de um super-herói. E isto eles fizeram muito bem.

O maior mérito da dupla criativa é a paixão presente em cada página. Os personagens têm a dose correta de carisma necessário pra nos envolvermos com os acontecimentos narrados, e a arte é muito correta e agradável de ser apreciada.

A trama se desenrola de maneira ágil, no ritmo dos quadrinhos clássicos de super-heróis. Em poucas páginas testemunhamos o despertar dos poderes de Gabriel, cuja origem tem relação com sua ascendência indígena, e envolve xamanismoanimais totêmicos, só pra começar. Mais adiante descobrimos com o herói mais informações sobre isto.

Boa parte da história gira em torno da busca de Gabriel por suas origens, a fim de entender melhor o que está acontecendo com ele, numa mistura de jornada do herói com rito de passagem. O uso destes temas arquetípicos se encaixa aqui, e é feito com muita competência. O texto de Srbek é enxuto, e a arte de Abel nos convida para um voo panorâmico pela vida do herói. Em vários trechos os desenhos me remeteram aos de Stuart Immonen, o que foi um atrativo a mais, pois gosto muito de seus trabalhos para a Marvel Comics.

Particularmente o trecho que mais me atraiu foi aquele onde Gabriel tem um contato mais direto com a cultura e os rituais da tribo de seu pai, e passa por algumas experiências transcendentes que me fizeram lembrar do Homem-Animal de Grant Morrison, e do Monstro do Pântano de Alan Moore.

Como toda típica história de super-heróis, Solar tem um vilão. Nesta é o Professor Zarkan, um mago europeu com poderes arcanos. Srbek não fez muita questão de esconder que o conflito entre Solar e Zarkan é uma alegoria super-heroica dos conflitos entre índios brasileiros e invasores europeus, ocorridos na era das grandes navegações. Também é mencionada na HQ a “versão atual” desse conflito, em que os índios da Amazônia enfrentam a ameaça dos “brancos” invasores de terra.

Antes do confronto final, mais revelações são feitas sobre a origem do feiticeiro e a fonte mais ancestral dos poderes de Gabriel. Tais informações, assim como outras espalhadas pela HQ, funcionam como pontas soltas a serem exploradas em futuras histórias do Solar.  O que realmente vale neste primeiro volume é a mistura de temas típicos de uma história de super-heróis com mitos indígenas brasileiros, que diverte sem grandes pretensões, enquanto nos apresenta um super-herói verdadeiramente nacional que faz por merecer mais histórias.

O conflito de Solar e Zarkan conclui-se em Solar: Edição Especial. Nela também é introduzido um grupo de vilões, que possivelmente darão trabalho para o herói em histórias futuras. Nesta o que mais se destaca é a belíssima arte em pintura digital de Carlos Fonseca.

Solar – Volume 1 e Solar: Edição Especial estão disponíveis para leitura na Social Comics, a plataforma de quadrinhos digitais que vem crescendo a cada mês, e já conta com milhares de opções para quem curte a 9ª arte.

Deixe uma resposta