[QUADRINHOS] Os Poucos e Amaldiçoados #1, de Felipe Cagno e Fabiano Neves (resenha)

os poucos e amaldicoados 1 resenha feat

Uma bela ruiva com trajes de cowgirl atravessa um árido e imenso cânion que outrora foi o Oceano Pacífico. Logo descobrimos que ela é uma caçadora de monstros, cuja missão é eliminar de seu mundo pós-apocalíptico criaturas demoníacas.

Eis a premissa de Os Poucos & Amaldiçoados, série criada pelo escritor Felipe Cagno e o desenhista Fabiano Neves. A 1ª edição já foi lançada, e teve sua produção financiada coletivamente na plataforma Catarse, e a 2ª já está em produção. Após atingir sua meta inicial, o projeto agora busca colaborações para suas metas estendidas.

Antes de falar sobre o próximo capítulo, quero dividir algumas rápidas impressões sobre a primeira das seis partes que fecharão o primeiro arco de histórias da Ruiva. Fui um dos financiadores do projeto, e creio que ele merece uma continuidade.

Pra começar, a protagonista é conhecida apenas por seu codinome. Passamos pela primeira edição sem saber sua identidade e seu passado. Só isto já dá margem pra história crescer em arcos futuros, com a história pregressa da Ruiva sendo desvendada aos poucos.

os poucos e amaldicoados 1 resenha 3

O que mais chamou minha atenção na edição de estreia foi a ambientação. Em seu mundo, 90% da água desapareceu, e cada gota do precioso líquido é usada como moeda de troca. Como se este cenário não fosse terrível o bastante, os sobreviventes dessa seca global têm que lidar com monstruosidades cuja origem parece ter relação com a invasão do mundo por seres demoníacos de outras dimensões.

Felizmente o visual desse mundo ficou a cargo de um artista talentoso como Fabiano Neves, cuja arte detalhista ganhou ainda mais peso com as belas e caprichadas cores da dupla Dinei Ribeiro e Ivan Nunes, que tornaram as panorâmicas que abrem e fecham a história ainda mais impressionantes.

Como um bom faroeste, Cagno soube economizar nas palavras e usar os silêncios pra aumentar ou diminuir a tensão deste primeiro capítulo, que serviu mais para apresentar o mundo e os elementos e conceitos que o compõem, como a profissão da Ruiva, e alguns dos recursos que ela usa para rastrear, enfrentar e derrotar suas caças. Não entrarei em detalhes aqui, pois vale a pena descobri-los durante a leitura.

os poucos e amaldicoados 1 resenha 2

O que posso dizer sem estragar surpresas é que a história tem algumas semelhanças com o universo da saga A Torre Negra de Stephen King, com o diferencial de termos uma mulher como personagem central, do tipo que atrai ao mesmo tempo que inspira respeito. Se isto é só um dos aspectos de uma personagem mais complexa e cheia de nuances, é algo que descobriremos no futuro.

Os Poucos e Amaldiçoados #1 serve como um ótimo convite para um novo universo fantástico, além de atiçar nossa curiosidade pra saber o que mais ele tem a oferecer.


nota-4


os poucos e amaldicoados 2 capa tinta

Arte de Will Conrad para a capa de Os Poucos e Amaldiçoados #2

Como adiantei acima, a edição 2 já está em produção, e sua campanha no Catarse já garantiu seu lançamento; capas alternativas de Vitor Cafaggi e Fábio Valle; e imãs com ilustrações dos inimigos deste primeiro arco da série, os temíveis Corvos de Mana’olana.

Felipe Cagno já adiantou o seguinte sobre a próxima edição:

Para mim a história começou mesmo só agora. Enquanto a primeira edição foi importante para apresentar a personagem e o mundo que ela habita, serviu apenas como introdução e aperitivo, é neste novo episódio que finalmente pude tentar escolhas criativas mais fora da casinha e enfiar o pé no acelerador!

A próxima meta, se atingida, garantirá um aumento de páginas da edição e uma galeria de artistas convidados.

Entre as recompensas, é possível levar com a 2ª edição uma estátua da Ruiva, feita pela Making Magic e o escultor Eddie Vieira, responsável pela linha da Mauricio de Souza Produções com as estátuas do Astronauta, Valente e Mônica. E quem não teve a chance de participar da campanha da 1ª edição, pode comprá-la junto com a segunda, caso seja um apoiador dela. Enfim, opções não faltam. Vale a pena dar uma olhada na página do projeto no Catarse.

O que importa é que a Ruiva já mostrou que merece uma série só dela, cabe a nós torná-la possível. Eu já dei minha contribuição. Agora é a sua vez!