[QUADRINHOS] Labirinto, de Thiago Souto (resenha)

Logo nos primeiros passos, percebi que estava dentro de uma obra de arte, arquitetada milimetricamente tanto para te esclarecer, quanto para te aturdir com a grandeza de seus quadros monumentais cheios de detalhes e texturas. E então, conheci Góreck, e depois, o jovem Nico. Os acompanhei por aventuras contra monstros, vi o fortalecimento da sua amizade, viajei por um mundo belíssimo e senti a dor da solidão de quem espera o retorno de um amigo que nunca volta.Há uma certa poesia na forma como o arquiteto usou as cores na sua construção, ora frias e pálidas, ora cheias de vida, representando o quão importante é a presença de Nico para Góreck, e quão sombrio o mundo fica com a sua ausência.

Goréck, cansado de aguardar, e motivado por sua força de vontade, decide começar uma aventura particular para encontrar seu amigo desaparecido através do mundo fantástico em que vive, vasculhando por pistas em suas memórias com Nico, encontrando bifurcações, cruzamentos, becos sem saída e, por fim, descobrindo seu destino.

E, em meio às curvas da narrativa, percebi que o labirinto não era apenas sobre fantasias, mas sim sobre confiança, lealdade, sacrifício e como o sonho nos ajuda a sobrepujar uma realidade hostil. Esta é uma aventura que nos leva para dentro de nosso próprio labirinto, para admirarmos a textura de nossas construções, cheias de marcas do cotidiano; para sentirmos a beleza de nossas memórias; caminhar por nossas bifurcações e cruzamentos; visitar os becos sem saída que deixamos pra trás e perceber que vale a pena continuar andando.

Ressalto que meu relato sobre a minha experiência com esta obra-prima se limita a algumas observações com o objetivo de instigar novos aventureiros a desbravá-la. Contudo estou evitando indicar caminhos e atalhos que podem estragar a jornada.

O Labirinto de Thiago Souto, ironicamente, foi construído pela Editora Mino, mas boa parte de sua matéria-prima veio do Catarse.


Sobre o autor:

Acredita que o lado bom da vida é amargo como uma boa cerveja ou café sem açúcar, coleciona quadrinhos e escreve resenhas sobre a nona arte no Instagram sob a alcunha de @quadrinhonauta!


Editora Mino

Brochura

28,8 x 18,6 x 1,8 cm

216 páginas

Compre aqui