[QUADRINHOS] “Fight Club 2 #1” de Chuck Palahniuk e Cameron Stewart (resenha)

fight-club-2-Boardgame

Ontem saiu lá nos Estados Unidos pela Dark Horse a 1ª edição de Fight Club 2, a continuação em quadrinhos do livro Clube da Luta, de Chuck Palahniuk, que foi adaptado pra o cinema em 1999 por David Fincher. Li a versão digital e é dela que falarei abaixo.

Fight Club 2 1 cover cameron stewartPor ser uma sequência do livro, e não do filme, o Narrador – aqui batizado de Sebastian – Marla e Tyler não têm as feições de Edward Norton, Helena Bonham Carter e Brad Pitt respectivamente. Suas aparências na HQ são baseadas em suas versões literárias. Neste ponto, chama atenção o quanto a Marla dos quadrinhos é mais atraente que a do cinema.

Iniciada a leitura, não demorei muito pra constatar que a acidez satírica do texto de Palahniuk foi preservada na continuação: logo nas primeiras páginas testemunhamos Marla falando sobre sua decepcionante vida sexual com Sebastian para um grupo de crianças com progeria – envelhecimento acelerado. Ou seja, caso sinta-se ofendido(a) com humor negro politicamente incorreto, melhor nem chegar perto dessa HQ. Mas vou presumir que, se está lendo esta resenha, é porque, no mínimo, gosta do filme ou leu o livro, e quer saber se a continuação é tão boa quanto, certo?

fight-club2-1-cover-david-mackJá respondo essa pergunta, com uma curiosidade: antes mesmo da história começar o leitor depara-se com a cópia de um questionário que candidatos ao Projeto Mayhew – criado por Tyler Durden no primeiro livro/filme – devem preencher com o objetivo de serem ou não admitidos na organização terrorista, que nesta continuação, ambientada 10 anos depois da história original, tem células espalhadas pelo mundo (!).

Este é um dos aspectos que Palahniuk sugere que será explorado de maneira mais ampla na continuação, o qual tem relação com as novas manifestações de Tyler que, descobrimos, andou enganando Sebastian estes anos todos para, aos poucos, reassumir o controle e coordenar as operações do Projeto Mayhew. Neste momento você, que leu o livro ou assistiu o filme, deve estar se perguntando como ele retorna, já que Sebastian o “matou” (simbolicamente falando) no final de ambos. Prefiro não entrar em detalhes a este respeito, mas apenas dizer que a solução para o problema é bem criativa e faz sentido.

Fight Club 2 1 variant cover lee bermejoImportante dizer que esta primeira edição também funciona para quem só assistiu o filme, contanto que tenha lido a edição especial lançada pela Dark Horse no Free Comic Book Day – o que não será um grande problema, pois a editora disponibilizou uma versão digital da HQ em seu site oficial. Nela os momentos decisivos do livro foram recapitulados, evidenciando as diferenças entre o final dele e a conclusão da versão cinematográfica – que também não revelarei aqui, pois você pode simplesmente ler a versão digital e descobrir (caso não tenha problemas com inglês).

Além de todo sarcasmo do texto de Palahniuk, Fight Club 2 ainda conta com o talento de Cameron Stewart como narrador visual. Na maior parte desta 1ª edição ele usa uma diagramação simples e objetiva, mas tira proveito das oportunidades de ser mais inventivo, como ao sobrepôr quadros de eventos atuais e flashbacks do livro/filme; usar objetos para encobrir alguns elementos imagéticos ou textuais, a fim de comentar visualmente a influência de drogas sobre o protagonista, ou a deterioração de seu casamento com Marla; e metáforas visuais para ilustrar a ferocidade sexual do casal quando Tyler assume o controle. Em suma, Stewart soube traduzir muito bem a prosa pungente de Palahniuk para a linguagem dos quadrinhos, o que talvez não funcionasse tão bem se outro artista estivesse incumbido da tarefa. Alguns exemplos:

Nesta 1ª das 10 edições previstas para a minissérie, tivemos uma boa noção do tom e do escopo que Palahniuk e Stewart pretendem explorar. Sebastian é um homem em conflito consigo mesmo, dividido entre seus papéis de marido e pai de família, e militante de reformas políticas e sociais. Há uma boa dose de crítica ao panorama global formado na última década, mas pouco aprofundada neste 1º capítulo, algo que talvez seja feito nas edições seguintes, o que sugere o extra que a encerra: a cópia do relatório de um dos integrantes do Projeto Mayhew, reportando diretamente a Tyler sobre o andamento de operações realizadas na Espanha e no Camboja (!). Promissor!

nota-4

3 thoughts on “[QUADRINHOS] “Fight Club 2 #1” de Chuck Palahniuk e Cameron Stewart (resenha)

  1. Eu tô bem interessada pra ler essa HQ! Aliás, não sabia que iam sair 10 edições, ingenuamente pensei que iam lançar uma edição só com a história. Hm, mas acho que aqui o apelo em vender chamou mais alto, né? Até porque HQs são sempre apreciadas assim, devagarinho. Devo ter me confundido com a minha versão de Watchmen, que obviamente tá tudo compilado hahah
    Enfim, parece estar muito boa e não esperava Sebastian como um nome pro narrador, você sabem quando será lançada por aqui? Eu vi umas lojas fazendo propaganda, mas não me recordo se falaram de datas.

    Adriana

    • Não creio que seja por questões comerciais, Adriana.

      Os quadrinhos são uma mídia mais dinâmica, exige um equilíbrio entre imagens e textos. Acho que 10 edições seriam o correspondente a um livro de médio porte.

      Por enquanto não soube de nenhuma editora que tenha planos de publicar por aqui, mas acredito que não deva demorar, já que o filme é muito popular, apesar de ser a continuação do livro. Talvez ano que vem, quando terminarem de publicar todas as edições lá fora.

      Particularmente prefiro que lancem por aqui um encadernado com todas.

      • É que eu imaginei que já lançariam tudo junto mesmo lá fora, acho que fiquei com a ideia de livro na cabeça haha 😛
        Pois é, eu devo ter me confundido, eu li alguma loja falando sobre e logo pensei que já haviam planos de lançar aqui, mas como terão várias edições é bem provável que esperem mesmo; também prefiro que lancem tudo junto, pois é assim que gostaria de comprar. Valeu pelas informações! 🙂

        Adri

Comments are closed.