[QUADRINHOS] Castelo de Areia, de Frederik Peeters e Pierre Oscar Lévy (resenha)

castela de areia frederik peeters tordesilhas feat

Três famílias vão passar um fim de semana num lago próximo a uma região litorânea. Nele encontram uma mulher nua, boiando nas águas. Ela está morta. Quando algo “estranho” começa a acontecer com suas crianças, todos descobrem que o cadáver é apenas parte de um mistério maior.

A vida passa muito rápido, já dizia Ferris Bueller em Curtindo a Vida Adoidado. Imagino que esta seja uma frase que passou pelas mentes de Frederik Peeters e Pierre Oscar Lévy durante a produção de Castelo de Areia, graphic novel publicada no Brasil em 2011 pela Tordesilhas.

Não demora pro leitor e os personagens entenderem o que está acontecendo com eles. Na verdade o que importa nem é tanto a causa, mas suas reações diante do “fenômeno”, que é descoberto aos poucos.

É muito difícil falar de Castelo de Areia sem revelar alguns detalhes da história, então, precisarei citar alguns SPOILERS daqui pra baixo.

castela de areia frederik peeters pierre oscar levy resenha 02

Continua comigo? Então vamos logo ao que interessa: no primeiro terço da história os personagens descobrem que começaram a envelhecer num ritmo acelerado. É esta descoberta que movimenta os conflitos entre eles. Pra piorar ainda mais a situação, eles também constatam que não conseguem sair do local, pois há uma barreira invisível que não só os impede de ir além de um determinado ponto, como interrompe qualquer tipo de comunicação com o mundo exterior (celulares param de funcionar depois de um tempo).

A situação é angustiante e perturbadora, pois todos começam a temer sua própria morte, ao testemunharem o envelhecimento dos demais, e sentirem a perda da força e do vigor conforme as horas passam. Através dos personagens, acompanhamos um processo psicológico que remete às cinco fases do luto: negação, raiva, negociação, depressão e aceitação. Todas foram representadas na trama.

castela de areia frederik peeters pierre oscar levy resenha 03

A noção de inevitabilidade da morte, e a percepção do rápido envelhecimento de todos se deve, em grande parte, ao brilhante trabalho de Frederik Peeters, desenhista e co-autor da história. Demonstrando um domínio impecável no processo de envelhecimento dos personagens, ele o conduz de maneira gradual, e em sincronia com a deterioração psicológica de todos. Sem dúvida um trabalho que merece ser apreciado com atenção, a fim de reparar nas nuances usadas pelo artista para nos transmitir a passagem de tempo de um trecho para outro da narrativa.

Em Castelo de Areia, o trabalho de Peeters remete a Will Eisner, em seu domínio sobre a expressão facial e corporal. E é por isto que a história nos atinge de maneira tão profunda.

O envolvimento com a trama foi tamanho que eu me senti preso com os personagens naquela condição. Foi assustador ver uma criança de três anos, numa questão de horas ter o corpo de um adolescente, e mais pro final se tornar um adulto. Ou uma menina se transformar numa mulher em idade fértil, e mais tarde lidar com a própria maternidade.

Tudo foi feito num ritmo que soa natural durante a leitura. Ao mesmo tempo que nos assombramos, sentimos o peso da mortalidade descendo sobre os personagens, a cada hora que passa, e a cada sinal da idade que se manifesta nos corpos, nos movimentos, nas conversas, que vão rareando conforme a história se aproxima do fim.

Enquanto lia, eu me peguei pensando diversas vezes em meu próprio envelhecimento e no das pessoas que fazem parte da minha vida. Isto prova o quanto Peeters e Pierre Oscar foram magistrais, criando uma história que persiste na memória, pois fala de questões que todos nós, sem exceção, teremos que enfrentar ao longo dos anos, conforme o tempo cobra seu preço, e a morte se torna mais próxima…

castela de areia frederik peeters pierre oscar levy resenha 04

Não espere uma grande revelação no final. A força motriz da graphic novel não é a resposta para um mistério, mas a desgastante jornada de pessoas comuns diante de um fenômeno inexplicável e irreversível, e a maneira como o encaram. Através delas, somos confrontados com uma das grandes verdade da vida: a de que ela é tão efêmera quanto um castelo de areia…


nota-5


castela de areia frederik peeters pierre oscar levy tordesilhasTordesilhas

Capa comum

28,8 x 22 x 1,2 cm

104 páginas

Onde comprar: Amazon | AmericanasSubmarino