[ANIMAÇÃO] Ponyo: muito além da amizade, mais forte que o amor

Nossa, faz um tempinho que não falo dos filmes da Ghibli, mas aqui estou de volta com o assunto. Desta vez trouxe mais uma linda animação dirigida por Hayao Miyazaki: Ponyo, uma amizade que veio do mar.

Ponyo, uma princesa-peixe, escapa do navio submerso de seu pai, Fujimoto, que por sinal é super-protetor, e vai para uma cidade litorânea onde conhece Sosuke, que a acolhe. Ele logo a ama como a um peixinho misterioso, e ela se apaixona por ele desde a primeira vista. Durante um pequeno acidente, Ponyo prova um pouco do sangue do garoto, e isso faz com que ela possa se transformar em humana por um tempo. Mas nada é tão simples. Eles provam de uma amizade grande e intensa, e o amor mútuo cresce, contudo a presença da princesa em terra aproxima uma catástrofe, que só pode ser evitada pondo em prova o amor de Sosuke por Ponyo.

Os personagens são delineados por traços delicados e uma leveza quase poética em seus laços de relação. É quase impossível não nos encantarmos com as cenas coloridas, não se surpreender com a espontaneidade dos personagens, não rir das fugas de Ponyo, ou não se divertir com as velhinhas do asilo onde a mãe de Sosuke trabalha.

O que mais me encanta é que, em meio a tantos recursos de animação computadorizada, Miyazaki ainda faz questão de trabalhar à moda antiga com desenhos feitos a mão e pintados com tinta e pincel.

Ponyo – Uma Amizade que Veio do Mar” nos faz refletir sobre o amor verdadeiro (meio piegas, mas é vero) e, acima de tudo, aceitar a pessoa amada do jeito que ela é. Tudo embalado por um espetáculo de cores. E como Hayao Miyazaki nos transmite isso? Através da pureza das crianças é que enxergamos a fantasia que está ao nosso redor.