NoteSlate: a revolução que nunca foi

noteslate

De tempos em tempos, aparecem alguns produtos revolucionários no mercado que fazem a gente se perguntar “Como ninguém tinha pensado nisso antes?”, mas nem sempre o efeito “wow” é o suficiente pra determinar o sucesso de um gadget ou serviço inovador. Essa é a curiosa história de uma dessas ideias, que tinha tudo pra ser algo inédito em nossas vidas, mas nunca saiu do papel, nem deixou de ser uma renderização muito bem feita de Photoshop.

Antes de 27 de janeiro de 2010, o mercado de tablets de consumo de conteúdo era repleto de produtos mal acabados e que não se preocupavam em oferecer uma boa interface com o usuário para realização de tarefas ou entretenimento. Tudo isso mudou quando Steve Jobs subiu ao palco do Yerba Buena Center for the Arts, em São Francisco e mostrou a nova criação de sua empresa para o mundo. Foi a primeira vez que colocamos os olhos no iPad. E a primeira vez que tivemos uma ideia um pouco mais clara de como um tablet realmente deveria ser.

tablets antes depois ipad comparacao

Diga o que quiser: Antes do iPad – Depois do iPad

Um ano depois dessa mudança de mindset mundial, uma nova idéia que de certa forma ia contra alguns dos objetivos do One Tablet To Rule Them All surgiu. Logo em janeiro de 2011 o NoteSlate apareceu e deixou todos com uma sensação de “Era isso que faltava!”. O tablet simples e barato prometia substituir cadernos de anotação, rascunhos e pranchetas e ainda resolveria o problema de perder tudo que você anotou porque a empregada pegou aquela folha e enfiou lixeira abaixo.

noteslate preview

Preview do NoteSlate

Especificações técnicas? Nada impressionantes. Tela e-ink de 13 polegadas, com resolução de 750×1080 pixels, com apenas uma cor, que reconheceria toques com os dedos ou com a caneta stylus que acompanharia o tablet, nada de navegar pela internet, nada de apps, promessa de adição a suporte a MP3 e PDFs no futuro, tamanho próximo de uma folha A4, 280g, bateria de 180 horas e um cartão SD de até 32gb. Tudo isso por apenas US$ 99.

Mas não era o poder do NoteSlate que impressionava, era a filosofia por trás. A promessa de trazer o papel e a caneta para o novo século. Chega de carregar pilhas de cadernos, caro estudante. As notas de uma reunião importante poderiam ser salvas ali dentro, depois, com auxílio do reconhecimento de escrita integrado no sistema, poderiam ser arquivadas e facilmente pesquisadas através do computador (ou até da nuvem e smartphones, quem sabe?). Tudo isso com uma aparência elegante, simples, e que lembrava muito bem a experiência de utilizar caneta em papel.

O lançamento da versão simples, preto e branca, foi agendado para Junho de 2011 e uma versão com 4 cores de tinta seria disponibilizada mais tarde. Mas, como o tempo mostrou, nenhuma das duas chegou a ver a luz do dia. Por quê? Ainda não sabemos.

A repercussão na internet foi instantânea após o anúncio. Todos queriam colocar as mãos naquele produto incrível. A página da empresa no Facebook fez muito sucesso e muitos investidores devem ter se interessado na ideia.

noteslate preview

Junho de 2011 passou e nenhuma notícia era ouvida da equipe, de tempos em tempos eles se manifestavam adiando a data de lançamento do NoteSlate. Hoje, mais de dois anos depois, a ideia parece estar morta mesmo. Durante algum tempo houve a promessa de realizar uma campanha no site de crowdfunding Kickstarter para poder viabilizar o produto. Mas, não acredito que o problema encontrado para tornar essa ideia real tenha sido dinheiro.

A última manifestação aconteceu no dia 28 de Janeiro, quando a conta de twitter dos criadores respondeu a um usuário que perguntou “Quando o site irá ser atualizado com mais informações sobre o progresso do NoteSlate?”. Segundo eles, “provavelmente, esperamos, finalmente em Fevereiro, em nosso aniversário de dois anos de trolagem. Obrigado por estar conosco.”.

noteslate twitter activity january 2013

Última atividade da conta do NoteSlate no Twitter.

Pela quantidade de respostas vagas que já ouvimos dessa equipe nos últimos anos, e pela quantidade de dias que faltam pra acabar o mês, eu não ficaria muito animado. Hoje, o site do NoteSlate só exibe linhas de gráficos e rabiscos inspirados no produto.

Ao longo desse tempo algumas empresas tentaram tapar o buraco no coração dos órfãos dos tablets simples que se propõem a substituir o papel. O mais bem sucedido é o Boogie Board, da Improv Electronics. Ele é mais parecido com um quadro negro do que com um caderno, mas cumpre o seu papel.

Eu, como bom believer que sou, quero muito acreditar que um dia conseguirei colocar minhas mãos em um produto tão incrível como o NoteSlate.

One thought on “NoteSlate: a revolução que nunca foi

Comments are closed.