[NGF RESENHA] Verões Felizes 1 e 2, de Zidrou e Jordi Lafebre

Férias em família é uma ótima oportunidade de mudar de ares, recarregar as energias para um novo ciclo, especialmente se você viaja pra lugares estimulantes. Mas isto não significa que deixará seus problemas em casa, te esperando até sua volta. Em parte é sobre isto que trata a série Verões Felizes, de Zidrou e Jordi Lafebre.

A ideia da série gira em torno de um casal idoso – que só aparece no início do volume 1 – lembrando-se dos momentos felizes que tiveram com os filhos durante as férias em família. Por isto seu clima nostálgico, a beleza das cores, e a sensação de liberdade que a história passa quando mostra Pierre e Madô se divertindo e brincando com os filhos, tentando sentirem a mesma alegria dos pequenos. São as crianças que motivam o casal a se unir num momento tão delicado de seu relacionamento.

Há uma ironia no título do volume 1: o casal Faldérault está lidando com uma crise conjugal enquanto tenta dar aos quatro filhos as melhores férias de verão possíveis. Assim, acompanhamos os esforços de Piérre e Madô para que aquele seja, de fato, um verão feliz, enquanto tentam resolver os problemas de seu relacionamento.

Para dar forma à sua história, Zidrou contou com o talentoso Jordi Lafebre. Seu traço é muito expressivo, rico em detalhes, e possui uma fluidez que remete a animações, tornando cada membro da família Faldérault um indivíduo com personalidade própria. As cores de Lafebre e Mado Peña casam perfeitamente com o ambiente de cada trecho da viagem, e reproduzem com riqueza as nuances de um anoitecer, de um nascer do sol, de dias chuvosos e ensolarados, que ora ecoam as emoções dos personagens ou da situação retratada, e ora destoam delas.

Verões Felizes 1 é também uma história sobre frustrações; sobre sonhos que não renderam os frutos esperados; e sobre a tentativa de dois adultos “consertarem” sua relação, apesar das dificuldades e desafios. Temos uma jovem dona de casa desiludida e insatisfeita com o emprego, e um pai de família que insiste em perseguir um sonho de infância que ainda não alcançou a realização plena. Numa família com seis bocas pra alimentar, e quatro crianças pra criar e educar, isto é uma fonte de problemas conjugais.

Mas na história o que mais importa são os momentos de descontração, e os esforços do casal para poupar os filhos de seus problemas, enquanto é possível. Isto gera tanto empatia quanto um pouco de melancolia, pois, desde o início, Zidrou deixa bem claro que estamos lendo um recorte do passado daquela família.

O volume 2 tem um clima mais leve e descontraído. É focado num momento mais feliz dos Faldérault, quatro anos antes dos eventos narrados no primeiro volume. Parte da diversão de lê-lo é preencher algumas lacunas deixadas pelo volume 1, e conhecer mais uma parte da vida daquela família, quando eram mais jovens e mais cheios de esperanças. Por mostrar um período mais juvenil de Pierre e Madô, a história diverte mais, além de fazer mais jus ao título da série. Ver os pais brincando com os filhos sem grandes preocupações – como as do volume 1 – te faz torcer ainda mais para que o casal se acerte no futuro, quando tudo não estiver tão bem.

Mesmo sendo uma história mais otimista que a do volume 1, nela temos vislumbres dos problemas que Pierre enfrentará, como a descrença de alguns em seu trabalho como quadrinista. Mas o entusiasmo das versões mais jovens de Pierre e Madô acabam empalidecendo estes momentos em que o pessimismo ameaça atingi-los.

Talvez a lição que fica dos dois volumes de Verões Felizes seja a de que, não importa o que o futuro nos reserva, o que mais conta é aproveitarmos ao máximo os bons momentos. E o casal Faldérault nos ensina que, tão importante quanto aproveitá-los, é multiplicá-los. Talvez este seja o motivo pelo qual tiveram quatro filhos: cada nova vida que trazemos ao mundo é uma nova chance de voltarmos a ser crianças, e dar aos nossos pequenos uma infância melhor do que a nossa, enquanto desfrutamos de breves momentos de felicidade ao lado deles. São estas as memórias que carregamos conosco por uma vida inteira. Verões Felizes 1 e 2 são lembretes das pequenas coisas que fazem a vida valer a pena, que levam cada um de nós a insistir um pouco mais, pra ir além dos dias ruins.

Quer ler algo que te faça bem, que te entretenha na mesma medida em que te faz pensar no porque de estar vivo? Leia Verões Felizes! E depois, trate de viver bons momentos com quem ama. Tire férias, e permita que o sol varra as nuvens negras que, vez ou outra, se acumulam em nós, e nos faz perder de vista o que realmente nos faz feliz.


Assista abaixo a versão em vídeo desta resenha, com muitos previews das HQs:


Sesi-SP Editora

Tradução:
Fernando Paz

Brochura

30,8 x 23 x 0,8 cm

64 páginas

Onde comprar:

Volume 1

Volume 2

Deixe uma resposta