[MANGÁ] Bestiarius – N.1: Roma Antiga com fantasia (resenha)

Quando participei da Iniciativa NGF, meu texto foi sobre o mangá Green Blood do mangaká Masasumi Kakizaki. Em novembro de 2016 a Panini publicou outra obra do autor: Bestiarius, uma mistura de Roma Antiga com fantasia e Mitologia.

Diferente de Green Blood, que é para o público adulto (Seinen), Bestiarius tem uma pegada mais jovem (Shounen), mas isso não torna o trama leve.

O primeiro volume conta duas histórias diferentes mas conectadas.

A primeira história fala sobre a relação de pai e filho criada entre dois escravos/gladiadores, Fynn, um humano e Durundal um dragão.

Já a segunda historia fala sobre os dois filhos do Minotauro da Ilha de Creta, Talos e Zenos, que após a morte do pai foram levados até Roma com escravos, e se tornam gladiadores.

As duas historias falam muito sobre laços familiares e sobre como laços afetivos são mais poderosos que laços de sangue. O enredo é conclusivo e bem trabalhado e a arte do mangá, assim como em Green Blood, é belíssima. Cada quadro é uma obra de arte. É um mangá que vale muito a pena ser lido.


Compre aqui o volume 1 de Bestiarius!