[LIVROS] Star Wars: Alvo em Movimento (Resenha)

star-wars-alvo-em-movimento

Dando fim à série de resenhas de livros de Star Wars, o livro “Alvo em Movimento“, de Cecil Castellucci e Jason Fry, chega às minhas mãos. Junto com “A Arma de um Jedi” e “A Missão do Contrabandista“, além do não resenhado “Estrelas Perdidas“, eles formam a série “Jornada para o Despertar da Força, filme que já estreou, já mitou, já se consagrou e, mais importante que tudo, já foi resenhado por mim.

Sinopse

Após os eventos em Hoth e Bespin, a Aliança Rebelde está em pedaços. Seus maiores heróis todos sofreram perdas e derrotas, ocasionando uma grande vitória, quase decisiva, para o Império. Leia, a princesa de Alderaan, se encontra com os líderes da Aliança, além de amigos como Luke, para uma reunião secreta. Nela, a nova Estrela da Morte é revelada, ainda em construção. Temerosos pelo fim eminente, alguns líderes criam um plano para conseguir tempo para o restante da frota Rebelde se reunir. A missão consiste de criar uma isca para o Império seguir, bem longe de onde a Aliança reunirá suas forças. E não há isca melhor em toda a galáxia do que a própria Leia Organa, líder nata e durona. Partem nessa missão, junto dela, alguns especialistas, a fim de estarem preparados para todos os eventos possíveis. Mas apenas Leia sabe o verdadeiro teor da missão, enquanto seus aliados acreditam que tudo é um plano para recrutar secretamente forças aliadas.

Em uma difícil decisão, Leia precisará decidir se o peso de vidas inocentes é maior do que o sucesso de sua missão, o que pode comprometer toda a Aliança Rebelde.

sw-alvo-em-movimento-2

Resenha

Eu recebi os três livros da série ao mesmo tempo. Nunca cheguei a ser informado da ordem deles. Eram os 3 personagens principais do filme, cada um em sua história particular. Por um acaso, achei que seria melhor começar com o de Luke e Han e terminar com o de Leia, pois os dois primeiros se passavam quase que ao mesmo tempo, e o último tinha pelo menos um filme de distância. Mal sabia eu, nessa decisão, que eu estava inconscientemente deixando o melhor para o final. Se com Luke eu tive uma aventura meio vaga, e com Han eu tive uma agradável missão de resgate, com Leia eu tive a melhor aventura de todas, com direito a personagens diferentes, cada um com suas funções e personalidades, diversas locações bem únicas, perseguições eletrizantes, conflitos morais intensos, etc.

Eu sempre senti que Leia poderia ter mais tempo de tela e desenvolvimento nos filmes. Claro que ela tem participações muito mais importantes nos dois últimos filmes do que no primeiro capítulo (o único dirigido por George rs), onde é apenas uma princesa e peça decorativa. Mas mesmo assim, sempre senti que ela foi resumida em seu amor por Han. Não sabemos suas convicções, seus ideais, seu modo de agir. E o livro vem em um bom momento para nos explicar porque essa personagem é tão forte (ao ponto de virar General no filme do ano passado). A trama toda é criada para nos mostrar o real impacto que o Império tem tanto na vida de Leia quanto na vida dos rebeldes. O eterno dilema entre enfrentar o Império enquanto vidas são perdidas ou parar de lutar para poupar pessoas. O peso que o cargo de “princesa da Aliança Rebelde” tem em cima de uma figura muito mais simples e guerreira do que sei título. O amargo da perda de amigos e entes queridos ocasionados pela própria luta por liberdade.

sw-alvo-em-movimento-3

Mais uma vez, personagens fortes acompanham a trama. Também os considero os melhores a serem introduzidos nesses três livros. Kidi Aleri, a especialista em comunicações e decodificações que acompanha Leia, para garantir que possíveis aliados receberão a mensagem de recrutamento, é uma personagem feminina nada forçada. Sua fragilidade e sua compaixão são bem naturais, assim como a coragem que ela adquire em momentos de extrema importância. Antrot, o reparador esquisitão que tem diversos problemas sociais. Lockmarcha, um militar mais clássico, mas que não deixa de evoluir e ser crucial para o plano todo. Mas acho que meu personagem favorito de todos do livro é Nien Nunb, um personagem já bem icônico por ter ajudado Lando à destruir a segunda Estrela da Morte em “O Retorno de Jedi“, mas que não tinha nenhuma fala inteligível. Descobrimos aqui, tal qual fizemos com Chewbacca no livro anterior, um piloto extremamente simpático, otimista e confiável. E isso é uma coisa que eu preciso elogiar, e muito, dos livros: dar o espaço devido a personagens relegados.

databank_niennunb_01_169_31eccf40

Nien Nunb

O mais surpreendente desse livro continua sendo o teor maduro da história. Eu continuo não acreditando que um livro desse tenha indicação livre e que seja considerado infanto-juvenil. A seriedade da trama ultrapassa qualquer aventura alegre, good vibes ou o que quer que seja. São mortes geradas através de rebeliões e opressão. Sacrifícios nada elegantes. Mortes duras, que machucam. Nada aqui me parece apropriado para uma mente infantil e que ainda assiste Ben 10 ou Beyblade. Mas eu só posso ficar feliz com isso, como um adulto que recebe uma história inteligente e respeitosa.

De tão curta e redonda que é a obra, não posso nem pensar em defeitos. Talvez a extensão da história me perdesse, pois é justamente o fato de eu ter lido o livro em dois dias que me permitiu absorver tão fácil o seu conteúdo. Talvez apenas a parte “do presente”, que todos os livros têm para conectar fatos e personagens com “O Despertar da Força“, acabe sendo bem menos importante do que todo o resto. A arte é a mesma, e todos somos abençoados por isso. O cuidado dado ao acabamento do livro também dispensa elogios. A Editora Seguinte foi muito feliz em trazer essa coleção para cá, e só agora, já finalizada, que eu posso dizer que foi um dos projetos mais bacanas do ano passado.

sw-alvo-em-movimento-4

R² (lembrei que usava essa sigla pra dar recomendação e “resultado”)

Se todos os livros derivados de filmes pudessem ser tão bons, fiéis e importantes quanto “Alvo em Movimento“, talvez vivêssemos em um mundo bem melhor. Eu não sei que ser humano na Terra não gostaria de ler uma obra dessas, a não ser que o mesmo seja diferentão e odeie Star Wars. A obra é recomendada para todos e não fica devendo nada. Um show de roteiro, desenvolvimento de personagens e de clímax. Espero que o novo Universo Expandido continue nesse bom caminho, e que boas edições como essa da Editora Seguinte continuem a vir para o Brasil.


nota-5


star-wars-alvo-em-movimentoEditora Seguinte

Capa comum

22,8 x 15,2 cm

240 páginas

Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva