[LIVROS] As infinitas referências da Torre Negra – parte 2

Longing_the_Dark_Tower_by_andyfactor

No post anterior, nós tivemos uma breve apresentação do(s) mundo(s) da série A Torre Negra, de Stephen King, com uma pincelada sobre as referências históricas e mitológicas que esses livros trazem. Hoje, gostaria de comentar sobre as inúmeras maneiras que a cultura pop está presente na saga de Roland, e inclusive como Dark Tower por sua vez influenciou a cultura nerd.

Começando pelo óbvio, a presença dos filmes de faroeste é bem forte na história, a começar pelo próprio protagonista, claramente inspirado no Homem Sem Nome de Clint Eastwood. A versão revisada do primeiro livro, O Pistoleiro, tem uma introdução de Stephen King na qual ele comenta bastante sobre como os filmes de bangue-bangue deixaram uma impressão duradoura nele, e como ele tentou recapturar a imensidão do Oeste e a dureza de seus heróis em sua epopeia. A aridez, tanto no clima desértico quanto no coração do pistoleiro impiedoso, é passada nas páginas do livro com tanta clareza quanto na obra cinematográfica de Sergio Leone. Um filme que chega inclusive a ser mencionado por nome na série é Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven), cujo enredo é refletido no quinto livro (a cidade onde ele se passa, Calla Bryn Sturgis, é uma homenagem ao diretor deste filme, John Sturges).

Roland, o Homem sem Nome

Roland, o Homem sem Nome

Mesmo no meio escrito, a música também se faz presente n’A Torre Negra. Logo no primeiro livro, nós encontramos um saloon em uma cidadezinha perdida no que parece ser o Velho Oeste (mas, posteriormente, descobrimos ser o reino fantástico do Mundo Médio), onde está tocando nada menos que Hey Jude. Isso mesmo, dos Beatles, apesar de a letra ser ligeiramente diferente. Em outro livro (relatando eventos que ocorreram décadas antes), em outra baronia do mesmo reino, uma camponesa cantarola Careless Love, uma balada de blues que na verdade tem várias versões, mas a do link acima é da cantora Odetta Holmes – aliás, nome de uma das personagens principais da série, em outra referência musical. Outras músicas que assombram os personagens da série (literalmente) são Someone Saved My Life Tonight, de Elton John, que sempre aparece na vida do Padre Callahan, quando ele está vagando pelos EUA caçando vampiros; e Velcro Fly, do grupo ZZ Top, cuja percussão leva os habitantes da cidade de Lud (praticamente uma versão pós-apocalíptica de Nova York) a fazer sacrifícios humanos para apaziguar os “tambores dos deuses”.

Por incrível que pareça, não há referência a Guns'n'Roses.

Por incrível que pareça, não há referência a Guns’n’Roses.

A série também tem muitas inspirações na literatura de fantasia, e deixa isso bem claro através de referências. A saga do Senhor dos Anéis já foi mencionada anteriormente; Crônicas de Nárnia também é lembrada, quando os heróis são teletransportados através de um armário e um deles se pergunta se vão para Nárnia. Merlin, personagem das lendas do Rei Artur e inúmeras obras inspiradas nelas, é o criador de um conjunto de artefatos do Mundo Médio (os Vidros de Maerlyn), e inclusive aparece no livro O Vento Através da Fechadura, lançado após o final da série, mas que se passa entre o quarto e quinto livros. Em certo momento, encontram um misterioso urso chamado Shardik, nome de uma obra de fantasia na qual o protagonista é um caçador que busca um urso de mesmo nome, que representa o poder de Deus. Mas a referência mais profunda talvez seja a O Mágico de Oz; no quarto livro, os personagens se deparam com a Cidade Esmeralda, na qual encontram um personagem usando ilusões para parecer ser um grande mágico, assim como Oz (e atrás de uma cortina!), além de prosseguirem para a próxima parte de sua jornada batendo os calcanhares de uma série de sapatinhos de rubi que encontram lá.

Mas o maior festival de referências é no quinto livro, Lobos da Calla, com a aparição dos personagens que dão nome a esse livro. Após refazer os passos de Sete Homens e um Destino (e, por extensão, Os Sete Samurais, no qual esse western é baseado), em uma cidade com o nome do diretor desse filme, e que tem um robô com a cara do C3-PO, os personagens enfrentam os tais Lobos, cuja natureza eu vou deixar pra você ver no livro… mas eles se vestem como o Dr. Destino, só que com uma máscara de lobo, empunham sabres de luz, e atiram uma arma que é uma bolinha com asas que batem rapidamente, zunindo. Ao pegar uma dessas armas, os heróis leem nela: “SNEETCH” Harry Potter Model Serial # 465-11-AA HPJKR. Sendo que o “pomo de ouro” da série Harry Potter, em inglês, se chama “snitch”.

Imagem real de um dos Lobos da Calla

Imagem real de um dos Lobos da Calla

Tudo isso não é nada comparado com a principal obra referenciada pelos livros da Torre Negra: a bibliografia do próprio Stephen King. Entretanto, as relações entre esta série e as outras coisas que ele escreveu ficam para o próximo post, pois é coisa pra caramba que tem pra dizer. Aguarde e confie…

Curta nossa página no [Facebook] e nos siga no [Twitter] para mais bugigangas do universo Nerd Geek!