[LIVRO] “Star Wars: Um Novo Amanhecer” de John Jackson Miller (resenha)

Antes que eu diga qualquer coisa sobre o livro, sugiro que você visite o vlog da Aleph no YouTube, onde a editora fala sobre os lançamentos de Star Wars, sobre o novo e velho universo expandido e tudo o mais:

Ainda antes de começar a leitura da minha resenha, sugiro que você veja essa bela linha do tempo criada pela Aleph, assim vai saber onde os livros já lançados e os futuros lançamentos se situam no universo.

Agora, vamos ao que interessa (e pode ler numa boa porque evitei spoilers)! Começo pelos aspectos físicos: quem já possui algum Star Wars lançado pela Aleph, nesse livro vai ter mais do mesmo, ou seja, material de ótima qualidade, com edição e arte caprichadíssimas. Um objeto que dá gosto de ter na estante. A arte da capa vai além, se une com a contracapa, lombada e orelhas em uma só imagem. Admirem:

star wars um novo amanhecer john jackson miller editora aleph capa painel

Vamos às informações presentes na contracapa:

John Jackson Miller, aclamado autor de Kenobi, traz aos leitores a primeira aventura da saga Rebels

Sinopse: Desde os terríveis acontecimentos em Star Wars – Episódio III: A vingança dos Sith, quando todos os Jedi foram perseguidos e condenados à morte, Kanan Jarrus tem vivido na clandestinidade, evitando criar problemas com o Império. Porém, um embate mortal entre as impiedosas forças imperiais e os revolucionários desesperados se mostra próximo demais e impossível de se ignorar. A honra e o senso de justiça do cavaleiro Jedi despertam, e ele volta à ação em uma batalha de grandes proporções contra o mal. Mas Kanan não vai lutar sozinho. Ele contará com a ajuda de aliados improváveis, incluindo a misteriosa Hera Syndulla – que parece ter suas próprias motivações. Enquanto uma crise de proporções apocalípticas surge no planeta Gorse, o grupo enfrenta as forças mais poderosas da galáxia, em defesa de um mundo e de seu povo. Nesta primeira aventura juntos, os protagonistas da série Rebels conquistam seu espaço entre os maiores heróis da série Star Wars, rumo à luta contra o Império.

Para contextualizar melhor a trama, confira a sinopse da orelha do livro:

O planeta Gorse e sua lua, Cynda, há tempos vêm servindo como uma grande fonte do mineral torilídio para o Império. E é lá que trabalha Kanan Jarrus, que usa o emprego e o lar para manter seu disfarce em meio a uma vida de fugitivo errante. Isso é tudo o que lhe restou, desde que as forças imperiais sentenciaram todos os jedis à morte. Tudo parece tranquilo em Cynda, até que uma inspeção imperial surpresa causa confusão e desespero entre os trabalhadores da mineradora. Para piorar, uma grande explosão coloca a vida de Kanan em risco e o obriga a usar a Força. Agora, seu único destino parece ser abandonar o sistema de Gorse e tudo o que conheceu por lá. Mas e se o conflito contra o poderoso Império estiver próximo demais das pessoas com quem ele se importa? Kanan terá coragem de virar as costas a tudo mais uma vez?

Como dito lá em cima, John Jackson Miller é o autor de Kenobi, já lançado pela Editora Aleph e resenhado AQUI. Mas quem é J.J. Miller? Além de escritor, é roteirista de quadrinhos (com trabalhos em HQs de Star Wars e do Homem de Ferro) e tem um site sobre… Quadrinhos chamado The Comics Chronicles.

Um Novo Amanhecer” mostra a história da origem do desenho animado Star Wars Rebels (a série foi lançada ano passado e está, nesse momento, na segunda temporada) – como Kanan e Hera se conheceram e acabaram viajando juntos pelo espaço. O livro serve como uma prévia (ou “prequel”, en anglais). No entanto, não apresenta as características infantis presentes no desenho animado. Tem uma trama indicada mais ao público infanto juvenil – e além. A história se passa logo após a contada em Kenobi, portanto, se você já leu a outra obra de Miller, vai entender um pouco melhor o contexto de tudo o que está acontecendo na galáxia. Se não leu, não há problema algum, pois “Um Novo Amanhecer” é repleto de informações pra não deixar ninguém boiando durante a leitura.

De modo geral, deixarei a seguir minhas impressões sobre o que você pode esperar da obra: Miller não é um escritor primoroso e o livro não se trata de nenhuma obra prima da ficção científica ou da literatura em geral. Contém alguns clichês e certas cenas de ação meio que se perdem em meio a descrições que tentam ser detalhadas mas acabam por atravancar a fluidez da leitura. “Então o livro é ruim?” De modo algum! Se trata de um ótimo entretenimento, tanto para fãs de Star Wars (como esse que vos escreve) quanto para qualquer pessoa interessada em um bom livro de sci-fi. A obra é dividida em 5 partes: o Prólogo e mais 4 Fases (Ignição, Reação, Detonação e Avaliação de Danos). A cada fase os riscos da trama se intensificam, assim como os desafios e toda a ação.

Kanan Jarrus, então, é um Jedi que precisa se esconder das garras do Império, que exterminou praticamente todo Jedi existente. Por isso ele não pode usar a Força em hipótese alguma, para não levantar suspeitas. Kanan é um nome falso, assim como toda a vida que ele leva: pulando de um trabalho medíocre para outro, de planeta em planeta, sem nunca fincar raízes ou se relacionar com ninguém. Ele não faz amigos, porque assim é sempre mais fácil deixar tudo para trás quando começa a se tornar conhecido no local atual. Mas quando o Império chega de repente onde ele está, o Jedi é obrigado a tomar uma decisão: fugir mais uma vez ou tentar se unir com algumas pessoas para lutar contra a opressão.

O que mais gostei na obra foi justamente o fato de Kanan não poder usar a força para não ser descoberto. Pois em muitas situações ele se vê tentado ou obrigado a usar a força, e sentimos essa tensão durante a leitura. Esperamos avidamente pelo momento em que Kanan vai ter que usar, mas parece que esse momento nunca chega. No entanto, depois de alguns capítulos, quando isso ocorre… É épico!

Miller dá atenção a certos aspectos psicológicos dos personagens e se demora um pouco em monólogos interiores ou em minúcias acerca de cada um, e isso é ótimo, pois quebra um pouco aquela coisa de ação atrás de ação atrás de ação, o que pode ser bem cansativo. Outro ponto positivo do livro é a presença de fortes personagens femininas. Além da independente Hera, temos Sloane, capitã interina do destroyer Ultimatum, a serviço do impiedoso Conde Denetrius Vidian, Zaluna, chefe de segurança do planeta Gorse, encarregada de monitorar todas as câmeras do planeta e de sua lua e Lal, chefe da empresa de mineração onde Kanan trabalha. E essas mulheres não estão no livro somente para enfeitá-lo ou para servirem de suporte para os personagens masculinos. Não, não… Cada uma delas tem papel fundamental na trama.

Falando em trama… Achei um pouco prolixa. A história toda é focada em poucos personagens que tentam sorrateiramente combater Conde Vidian e Sloane para salvar o planeta Gorse e sua lua – e até aí tudo bem. O problema não é como a história é contada, mas nos motivos e meios justificados por Vidian para fazer o que faz. Na parte final há uma explicação das reais intenções do antagonista, mas mesmo assim, a história poderia ser melhor escrita. No entanto isso não chega a ser um ponto negativo, é apenas uma observação. O Conde Denetrius Vidian, um mezzo robô mezzo coreliano, mas sem nenhum traço de corelianidade (o “certo” seria dizer sem nenhum traço de humanidade, mas você entendeu…) é um antagonista digno de figurar entre os melhores/piores do universo de Star Wars. A criatura é má, cruel mesmo, portanto não pensa duas vezes antes de matar alguém somente porque essa pessoa deixou de ser útil ou para simplesmente tocar o terror e fazer com que todos o temam. Quando Vidian chega em seu destroyer a Gorse, ele ainda não é um problema para Kanan, que logo pensa em deixar o planeta e partir para o próximo, como sempre fez. Mas, assim que ele descobre as reais intenções do Conde a mando do Império, sente que não pode simplesmente deixar tudo mais uma vez, mesmo que isso possa estragar seu disfarce e por a sua vida em risco.

Conclusão: O livro tem tudo aquilo que qualquer fã de Star Wars espera: batalhas espaciais, cenas intensas de ação, viagens, stormtroopers, dróides, imagens holográficas e, claro, cantinas repletas de alienígenas das mais variadas raças. “Um Novo Amanhecer” é o primeiro livro do novo universo expandido de Star Wars, lançado pela Disney (Kenobi faz parte do antigo universo). Um universo que ainda vai se expandir por muitos e muitos anos.


nota-3


star wars um novo amanhecer editora aleph capaStar Wars – Um Novo Amanhecer
John Jackson Miller

Editora Aleph
23 x 16 x 2,3 cm
Brochura
424 páginas

Onde comprar: Amazon | Saraiva | Submarino