[LIVRO] Os Filósofos no divã: quando Freud encontra Platão, Kant e Sartre

Salutations, nerds bonitos! [que ninguém se sinta excluído]

Senti saudades daqui. Pronto. Isso é tudo. Reservo meus arroubos de fofura para o sortudo que ousa intitular-se meu namorado.

Estamos aqui, neste belo dia de chuva, [Está chovendo na minha cidade! O dia inteiro chovendo em Manaus! Chupa, resto do mundo!] para falar de um livro, no mínimo, louco [vai dizer que não é seu tipo preferido] escrito por Charles Pépin, gosto de pensar que ele tem tatuagens de borboletas, e, segundo a orelha do livro, é um escritor e filósofo francês. Pausa.

Este é o Charles seduzindo os desprevenidos.

Se, você veio parar aqui por engano, não leu direito o título, clicou e achou que ia encontrar algo normal, ou putarias entre filósofos gays num divã, bem, saia enquanto é tempo, você já percebeu que não, e abraços para a Cláudia do José. [aliás, deixe-me fazer outra pausa para perguntar por que as senhoras dão referências desse tipo? “Ah, você não viu nada, a Cláudia do José…” Quem é Cláudia, vó? E o José? Ele sabe que tem uma Cláudia por aí que é dele?].

Play now. Vamos lá falar deste livro, sente nesse divã, pegue seu drink, suas memórias de infância e vem comigo!

Pelo título já percebe quão foda-louco é o negócio: você tem Platão, Kant e Sartre numa mesma história, sendo analisados pelo Freud! Uou! Parabéns, Charles, você extrapolou o nível de ópio.

Quando vi esse livro na casa da minha amiga Cynthia, pensei “Cara, tenho que ler!” Ok, a bem da verdade, não pensei isso, olhei, olhei, pisquei, já que não posso evitar, e me indaguei porque tem um grilo e uma daquelas tumbas egípcias na capa, perguntei para minha amiga e ela disse que é por causa do Freud [gente que explica bem é assim], enfim, comecei a ler, vi que o negócio era louco e deixei para continuar em outra madrugada. Não me arrependi.

Agora, um aviso importante. Se está pensando que estou indicando esse livro para você pagar de cult ou algo parecido, pense novamente, por gentileza. Parece aqueles livros que as pessoas usam para se exibir, sim, claro que parece. Mas, ele é realmente legal e você não precisará fingir que leu. Aliás, nem sei se dá para se exibir com ele. Alguns certamente diriam que se trata de uma espécie de BBB dos filósofos mencionados [Ãh?! Pra mim fez sentido, mas não me pergunte].

Estou só enrolando vocês, vamos ver do que se trata. Charles Pépin, após muita pesquisa, drogas e tatuagens de borboletas, escreveu esta história em que idealiza como seria se Freud fosse o terapeuta/analista/melhor amigo/whatever de Platão, de Kant e de Sartre, cada um discutindo seus problemas existenciais, pessoais, culpando a mãe, a Dilma e o preço da gasolina…

16275582

Trocadilhos everywhere, my friend!

E apesar de ter inventado os diálogos e a situação, Charles não inventou os fatos usados como material das sessões [então, história ficcional + realidade = gostei disso!]. Leitura legal e ainda instrutiva, ok, pode ser bobagens [a depender do ponto de vista], mas dizer algo pessoal que quase ninguém sabe sobre Platão para sua professora é mais divertido que dizer o que todos dizem [ah, é um plato grande, Cebolinha – se você entendeu essa, considere seriamente uma sessão de desintoxicação de trocadilhos infames, já agendei a minha, quarta, 14h]. Na verdade, ninguém quer ouvir você falando de Platão ou Freud, no entanto, é divertido saber, leia por si mesmo. That’s all.

O livro é organizado, em sua grande parte, em capítulos curtos, cada capítulo é uma sessão de algum dos caras lá [não, não é terapia grupal que, aliás, está entre as piores invenções da humanidade, perdendo apenas para a própria humanidade – sim, eu exagerei, não leve a sério] e aparentemente aleatórios, inicia com Platão, depois Sartre, aí Kant, volta pro Sartre, aí Platão… o que exige uma certa atenção, e pode, de início, embaralhar um pouco seu cérebro, mas de boas, somos nerds, it’s not a big deal!

tasteofawesome.com_336176_1389217389

Um combo para finalizar. [prometo ir para a reabilitação]

Psicanálise + Filosofia. No decorrer da obra, tem regresso às vivências passadas, os afetos e contradições dos filósofos analisados [os vemos como humanos, e isso é interessante]. Ao mesmo tempo, em que lemos pormenores da vida pessoal, aparecem-nos também suas teorias. Com essa combinação, não é de estranhar que ao final acabemos absorvendo melhor as suas ideias e teses filosóficas, como, por exemplo, o idealismo de Platão e o significado do dever para Kant, já que as vemos ligadas à história por trás delas [e não sei você, mas absorvo melhor uma informação quando me explicam o motivo e contam uma historinha].

nota-4

Só o título, o subtítulo e a capa é para fazer você querer ler, então vá nessa, aproveite seus olhos [quem mais aqui tem o maior medo de ficar cego?], e até a próxima, sedutividades!

Os Filósofos no Divã

Autor: Charles Pépin
Ano de publicação:  2011
Tradutores: Edgard de A. Carvalho e Mariza P. Bosco
Editora: Sulina
Formato: 14 x 21 cm

Compre aqui

P.S.: Escrevi esse texto no sábado quando realmente choveu o dia todo.

One thought on “[LIVRO] Os Filósofos no divã: quando Freud encontra Platão, Kant e Sartre

Comments are closed.