[LIVRO] Mestre das Chamas, de Joe Hill (resenha)

Sinopse :

Ninguém sabe exatamente como nem onde começou. Uma pandemia global de combustão espontânea está se espalhando como rastilho de pólvora, e nenhuma pessoa está a salvo.

Todos os infectados apresentam marcas pretas e douradas na pele e a qualquer momento podem irromper em chamas. Nos Estados Unidos, uma cidade após outra cai em desgraça. O país está praticamente em ruínas, as autoridades parecem tão atônitas e confusas quanto a população e nada é capaz de controlar o surto. O caos leva ao surgimento dos impiedosos esquadrões de cremação, patrulhas autodesignadas que saem às ruas e florestas para exterminar qualquer um que acreditem ser portador do vírus. Em meio a esse filme de terror, a enfermeira Harper Grayson é abandonada pelo marido quando começa a apresentar os sintomas da doença e precisa fazer de tudo para proteger a si mesma e ao filho que espera. Agora, a única pessoa que poderá salvá-la é o Bombeiro – um misterioso estranho capaz de controlar as chamas e que caminha pelas ruas de New Hampshire como um anjo da vingança.

Minha cabeça quase entrou em combustão espontânea com esse livro! Sensacional, original e envolvente, comecei a ler um pouco desconfiada e com medo, pois, além do cenário apocalíptico e da ficção científica – gêneros que amo – o livro prometia ser de terror, e essa é uma palavrinha que eu tenho receio (eu fico impressionada facilmente). Pois bem, para minha surpresa, encontrei mais suspense do que o terror que eu esperava, e esse suspense não deixava eu parar de ler. Eu precisava saber o que aconteceria na próxima página.

Foi o primeiro livro de Joe Hill que tive o prazer de ler, e com certeza não será o único. Em Mestre das Chamas encontramos o mundo enfrentando uma epidemia de combustão humana instantânea. Ninguém sabe de onde veio, como funciona e nem como evitar. Sabem somente que as pessoas viram cinzas de um momento para o outro e que é contagioso. Todos a conhecem como escama do dragão, e os sintomas são marcas no corpo que parecem uma tatuagem preta e dourada.

Harper Grayson, nossa querida protagonista, se vê infectada, grávida e abandonada pelo marido. Antes da infecção afetar Harper, ela havia combinado com o marido que, se algum deles fosse infectado, eles iriam passar uma ótima noite juntos e iriam se suicidar ao fim.

Mas tudo muda com a gravidez inesperada. Harper não quer e desistir da pequena vida que cresce dentro dela. Isso faz com que seu marido fique muito louco e tente matá-la.

Mas Harper é salva por um bombeiro, que possuí domínio sobre a escama do dragão. Ele consegue se incinerar sem se machucar.

O Bombeiro leva Harper para uma colônia onde vivem cerca de 180 pessoas. Aparentemente ali será sua salvação: um lugar seguro dos esquadrões da cremação e da maldade exterior, ideal para a pequena criança a caminho. Mas a maldade também está dentro da colônia.

Foram os altos e baixos que Harper enfrenta que me fez sentir vontade de defender aquela mulher. Mas eu só pude continuar lendo e torcendo para tudo dar certo.


Editora Arqueiro

Tradução: Fernanda Abreu

Brochura

22,8 x 15,6 x 3,2 cm

592 páginas

Disponível nas livrarias:

Amazon

Saraiva

Cultura