[LIVRO] A Guerra Que Salvou A Minha Vida, de Kimberly Brubaker Bradley (Resenha)

Dizer que uma atrocidade mundial como a Segunda Grande Guerra foi capaz de salvar vidas seria um impropério, não é? Para Ada Smith e seu irmão Jamie a guerra foi a melhor coisa que podia ter acontecido.

Ada tinha dez anos – ao menos achava que tinha – ela não tinha culpa de ter um pé torto e de sua mãe não tê-la tratado devidamente quando podia consertar. Ada não tinha culpa por sua mãe odiá-la (Eu tinha? Eu era um monstro afinal.), mas isso não fazia diferença. Ela deveria viver para sempre confinada no apartamento onde moravam. Sua mãe não permitiria que aquele pé trouxesse mais vergonha para ela. Ada tinha seu próprio campo de concentração.

A guerra se aproximava cada vez mais de onde a família vivia. No interior da Inglaterra, crianças começavam a ser evacuadas para Londres, onde ficariam protegidas. Jamie seria evacuado; Ada não. Sua mãe não seria mais envergonhada expondo sua filha aleijada, o apartamento aguentaria as bombas. Foi quando Ada decidiu enfrentar sua guerra particular.

Fugindo de casa com seu irmão, como crianças evacuadas, elas vão parar nas mãos da Srta. Smith.

Susan Smith não sabia o que fazer com crianças, estava frio e ela estava deprimida. Ada, em especial, lhe dava mais trabalho. A menina precisava de conserto, não apenas do pé. Mas como Susan poderia consertar alguém estando ela mesma em frangalhos? Ela não era boa.

Ela não era boa, mas os alimentou. Ela não era boa, mas nunca os bateu. Ela não era boa, mas quis consertar o pé de Ada. Ela não era boa, ela não era boa…

Enquanto o Führer beirava a Inglaterra escasseando os alimentos e levando os homens para não mais voltar, Ada lutava contra os sentimentos ruins que sua mãe cultivara com tanto afinco dentro dela.

A Guerra Que Salvou A Minha Vida foi um livro que me agradou antes mesmo de chegar a mim, já pelo título. Fiquei imaginando o quanto de dor alguém pode suportar até achar uma guerra reconfortante em certo ponto. Ninguém poderia culpá-la, o infortuno da guerra deu a Ada a chance de liberdade a partir do caos que se instaurou no mundo.

Brutal em sua sutileza, mais cruel até por ser delicado e, acreditem, tratando de  assuntos tão atuais quanto ano em que vivemos, A Guerra Que Salvou A Minha Vida entrou para a lista dos meus livros preferidos. Porque não só os grandes heróis, os déspotas ou as bombas devem ser lembrados e tomados como exemplo.

Um dos poucos livros que farei releitura vez por outra.


DarkSide Books

Tradução: Mariana Serpa Vollmer

Capa dura

21 x 14 x 2,2 cm

240 páginas

Disponível nas livrarias:

Amazon

Saraiva

Cultura