[HISTÓRIA EM SÉRIES] Review | Vikings 3×04: “Scarred”

vikings_s3_e1_gallery_1-P

[ATENÇÃO! PAREDE DE SPOILERS]

“Você é um deus?” – Siggy

Que episódio maravilhoso de Vikings! Tanta coisa aconteceu de formas intensas e o futuro ficou cada vez mais perigoso para Ragnar e Lagertha que terão uma surpresa nada agradável quando retornarem para casa. Então vamos lá, segurem seus escudos e vamos ver o que de melhor aconteceu no episódio “Scarred”.

Para começar, vamos falar de Harbard, o andarilho. O misterioso homem só não agrada a Siggy enquanto Auslag fica encantada com as histórias contadas pelo nosso “Forrest Gump” nórdico. É importante destacar que a história que Harbard conta a Auslag tem algumas diferenças em relação ao conto verdadeiro.

Harbard fala da rainha Astrid, que no conto de fato fugiu após ter tido sua família morta e refugiou-se numa ilha e lá deu a luz ao seu filho Olaf. Mas, não há nenhuma referência que Astrid tenha tido um filho com alguém que visitou a ilha, Harbard quis vender o próprio peixe pra cima de Auslag e conseguiu.

Siggy sentia-se bastante temorosa com a presença de Harbard e quando dois filhos de Ragnar somem da sua vista, ela não mede esforços para encontrá-los temendo que algo de ruim aconteça. Sobre um rio congelado, os filhos de Ragnar caminham, Siggy os chama mas a camada de gelo rompe e as crianças caem. Siggy os salva, mas não consegue salvar a própria vida. Uma morte meio estranha na verdade. Quando a filha morta de Siggy aparece podemos até imaginar que todo mundo ali já morreu e que isso se trara de uma visão, mas Siggy consegue salvar os dois meninos, porém quando volta a superfície encontra Harbard a beira do buraco no gelo e como quem decide morrer, simplesmente morre. Foi algo muito repentino ao meu ver. Podemos até dizer que Harbard não fez nada para salvá-la, mas a morte de Siggy foi estranha por ter sido executada de forma tão rápida.

vikings_s3_e1_gallery_5-P

Claro que fui atrás de informações sobre a morte da personagem. A atriz Jessalyn Gilsig revelou em entrevista ao The Hollywood Reporter que havia pedido ao criador da série, Michael Hirst, para sair.  Alegando fatores pessoais, a atriz contou a Michael que queria deixar a série já que não era mais possível viver no exterior (Vikings é filmado na Irlanda). Tal fato aconteceu no final da segunda temporada e com a compreensão de Hirst, Siggy teve seu momento final no terceiro ano da série.

Voltemos para Wessex, onde muita coisa importante também acontece. Como não poderia ser diferente, Ecbert quer muito que Lagertha e Athelsthan continuem na sua companhia, mas ambos estão decididos a voltar junto com Ragnar. Após a vitória contra o exército de Burgred, Ragnar, Aethewulf e seus homens retornam a Wessex, onde são recebidos com um farto banquete.

Athelsthan e Judith se entregam ao desejo e juntos confidenciam juras de amor. Judith pede que ele não vá embora, já que o ama e se entregou a ele.

O banquete tem uma cena espetacular entre Ragnar e Ecbert, onde os dois conversam sobre o futuro da Mércia e as qualidades de ambos. A cena mostrando os reis em pé de igualdade ficou muito bem feita. Mas o banquete ainda guardava supresas. A morte de Burgred não foi nada imprevisível pra mim. Imaginei que em algum momento alguém daria cabo dele, mas não imaginava mesmo que seria sua irmã, a princesa Kwenthrith. Em retrospecto, ela sempre pareceu disposta a proteger o irmão desde que Ragnar e seus homens chegaram a Mércia derrotando seus opositores. Prometeu ao irmão que ninguém faria mal a ele e que juntos governariam a Mércia, mesmo que sob a influência de Ecbert e Ragnar. Mas num ato “friamente calculado”, Kwenthrith mata o irmão com um cálice de vinho envenenado e se revela como a única soberana  da Mércia. Kwenthrith se vinga contra o irmão que abusava dela na infância. A sequência dessa cena é engraçada, os convidados viram seus cálices derramando o vinho que poderia estar envenenado também. Ninguém quis arriscar.

Já havíamos falado de Burgred enquanto personagem histórico real. A morte do personagem vista nesse episódio e completamente diferente do seu destino real. Burgred governou a Mércia até a invasão do Grande Exército Pagão em 865. Depois de deposto pelos vikings, Burgred refugiou-se em Roma, onde morreu.

Se as coisas parecem “tranquilas” em Wessex, o destino de Lagertha e Ragnar está sendo traçado em Hedeby. Após usurpar o poder, Earl Kalf se prepara para enfrentar os guerreiros de Lagertha e Ragnar quando chegarem. Kalf busca aliança com o filho do rei Horik, Erlendur, que casou-se com a mulher de Jarl Borg, Torvi que apresenta seu herdeiro, aquele que pode reclamar o título de rei de Ragnar.

Os eventos de Vikings ficam cada vez mais interessantes. As disputas pelo poder ainda dão gás a série e prometem momentos épicos. Já imagino o encontro de Lagertha e Kalf assim como Ragnar tendo que enfrentar a vingança de Erlendur e Torvi. Para quem pensou que tais personagens seriam deixado de lado – como eu – é importante lembrar que “a vingança nunca esquece”.  De fato é um episódio que deixa cicatrizes na série, afinal de contas não é somente “a” cicatriz que Porunn agora tem no rosto que é marcante, mas também a cicatriz da presença misteriosa de Harbard, a cicatriz da morte de Siggy, a cicatriz da imprevisibilidade de Kwenthrith e a cicatriz aberta de Erlendur e Torvi.

7 thoughts on “[HISTÓRIA EM SÉRIES] Review | Vikings 3×04: “Scarred”

  1. Boa esse review. Eu tinha achado muito ¨crua¨ a morte da Ziggy, não sabia desse lance da atriz, uma pena, as personagem tinha tudo para ficar foda no decorrer da historia. A conversa dos reis foi sensacional, o nosso ¨dual-monk¨ preferido deu no meio da Judith, só que o maridão viu e vai dar o troco a altura, essa eu quero ver. E estou bem curioso para ver o retorno deles para casa, muita treta acontecendo ao mesmo tempo.
    E outra coisa, alguém mais acha que o Floki ainda vai fazer algo de explodir mentes??

    • Olha, Grahall, acho que o Floki está se contendo muito pela consideração que ele tem por Ragnar, mas não duvidaria de uma hora para o outra ele não aceitasse mais a presença de cristãos perto dele. Ele teme demais ver seus deuses perderem espaço para o Deus cristão. A conversão virá e isso ele não pode impedir, resta saber como Floki lidará com isso. Agradeço pelo comentário.

  2. Acho marcante a referência que foi feita em relação a Harbard “ser” Odin (Wotan). Quando ele conversa com Siggy (na parte onde ela o questiona quem ele seria e ele fala que ela sabe quem ele é) ele ficou muito parecido com o semblante de Ragnar, neste caso seria algo “paterno”. Ragnar é dito como sendo filho de Odin. Além disto, Odin é descrito como um andarilho que usa uma capa e vaga por toda a Midgard. Além do fato de ele usar magia nórdica. Outro ponto que reforça esta hipótese é que no final do episódio, quando Helga vai vê-lo indo embora, ele simplesmente “some” na neblina.

    • Gostei muito desse personagem e a maneira como a série vai lidando com a religiosidade seja dos vikings ou dos cristãos. Harbard é cheio de mistérios, surge como um personagem que acabou de sair dos contos e vai embora de forma tão misteriosa como chegou. Acredito que ainda o veremos e gostei da sua observação relacionando Harbard com Odin. Obrigado pelo comentário, Anderson.

Comments are closed.