[HISTÓRIA EM SÉRIES] Reign | A vida de Mary Stuart antes da França

REIGN-POSTER

Reign é a série do canal norte-americano CW baseado na vida de Mary Stuart, rainha da Escócia. O ponto de partida do programa é a chegada de Mary a corte francesa fugindo das ameaças inglesas, forças que tentam matá-la e dominar o reino escocês. Porém há uma sequência de fatos que não são explorados na introdução do programa, muita coisa é resumida e temos uma base superficial do que estava por trás da ida de Mary Stuart para França. Fatos que trazemos agora para vocês. Confira abaixo um breve histórico de Mary Stuart antes de sua ida para a corte francesa.

reign 004

Adelaide Kane como Mary Stuart em “Reign”

Mary Stuart nasceu no dia 08 de dezembro de 1542, no Palácio de Linlithgow. Filha do rei Jaime V e Maria de Guise, era a única legítima. Também era sobrinha-neta de Henrique VIII, pois sua avó, Margarida Tudor, era irmã de Henrique VIII. Com apenas seis dias de vida, Maria tornou-se rainha da Escócia, em virtude da morte de seu pai na batalha de Solway Moss.

Como não podia assumir o trono, a Escócia seria governada por regentes até que Maria completasse a idade para governar o reino, 12 anos de idade. O trono “vazio” trouxe dois pretendentes ao cargo de regente: o cardeal Beaton, católico; e o conde Arran, protestante. Arran assumiu a regência até 1554 quando foi afastado por Maria de Guise.
O rei inglês, Henrique VIII, aproveitou a situação escocesa para propor uma aliança: o casamento entre Maria Stuart com seu filho, o príncipe Eduardo. No dia primeiro de julho de 1453, foi assinado o Tratado de Greenwich, onde ficava estabelecido que assim que completasse 10 anos, Maria se casaria com Eduardo e iria viver na Inglaterra onde receberia a educação que deveria ter. Mas as coisas não saíram bem como imaginara o rei inglês.
O cardeal Beaton retoma o poder na Escócia. Começa a defender o catolicismo e se aproximou com a França, irritando Henrique VIII que buscava o fim entre a aliança dos escoceses com os franceses. Por ordem de Beaton, Mary Stuart mudou-se para o castelo de Stirling junto com sua mãe. No dia 9 de setembro de 1543, Mary foi coroada na capela do castelo.
Quando mercadores escoceses que se dirigiam para a França foram capturados pelos ingleses e tiveram seus bens confiscados, várias revoltas ocorreram na Escócia e o conde Arran, converteu-se ao catolicismo e se pôs ao lado do cardeal Beaton. O parlamento escocês rejeitou o Tratado de Greenwich e retomou a aliança com a França. Tinha início a guerra entre a Inglaterra e a Escócia (1543-1550). Mary foi levada para Dunkled para ser protegida.
reign 005

Castelo Stirling

Em maio de 1546, Beaton foi assassinado por protestantes e no dia 10 de setembro de 1547, morria Henrique VIII, mas a guerra continuava e os escoceses sofriam duras derrotas como na Batalha de Pinkle Cleugh. Mais uma vez temendo pela segurança de Mary, a rainha foi levada para o convento de Inchamahome, onde ficou por três semanas até ser ajudada pelos franceses.
reign 006

Priorado de Inchmahome

O rei francês, Henrique II, propôs o seguinte: unir a França e a Escócia através do casamento de Mary com seu filho Francisco, que tinha três anos de idade. Com a promessa de auxilio militar e um ducado francês para si, Arran aceitou a proposta. Em fevereiro de 1548, Mary Stuart foi transferida mais uma vez, agora para o Castelo de Dumbarton. Os franceses enviaram ajuda militar para tomar a cidade de Haddington que estava sitiada pelos ingleses. No dia 7 de julho de 1548, o parlamento escocês assina o tratado francês que consolidava o casamento entre Mary Stuart e Francisco.
Com o tratado assinado, Mary Stuart, com apenas 6 anos de idade, é enviada à França (onde passaria seus próximos treze anos). Foi acompanhada da sua própria corte formada por seus dois meios-irmãos e por suas amigas, as “quatro Marias (Marys)”, crianças da sua mesma idade, filhas das famílias mais nobres da Escócia: Mary Fleming, Mary Beaton, Mary Levingstone e Mary Seton, além de Lady Fleming, sua governanta. Na França, começava a nova fase na vida de Mary Stuart.
Como uma obra de ficção, Reign adapta todo o contexto antecedente a chegada de Mary à França, preparando as tramas e subtramas que serão desenvolvidas na série. Substituindo perigos por outros, mas dentro da proposta da série, isso serve para revelar ao público o quanto a vida de Mary corria perigo, assim como na vida real sofreu. Às pressas é levada para a corte francesa, onde se desenrola o episódio piloto.
reign 007
Mesmo com as liberdades artísticas, o primeiro episódio de Reign tem suas qualidades. Enche de beleza os olhos do espectador. Uma produção de arte impecável aliada a uma fotografia que valoriza os ambientes palacianos casando com uma proposta jovem que é a cara das séries do canal CW. No entanto, pelo olhar crítico da análise histórica, a série perde feio. Com imprecisões históricas e anacronismos, o episódio piloto de Reign vai fazer tremer de raiva historiadores e aqueles que buscam veracidade histórias em tais produções.
Mas se você embarca nas tramas mesmo que elas estejam bastante distantes das suas realidades históricas, Reign pode ser a série histórica que você procura. Mesmo sendo uma produção de época, a série engloba elementos modernos como musicas atuais para embalar os conflitos e os romances da jovem Mary Stuart (Eu, particularmente não me sinto incomodado com tais inserções desde que sejam coerente com a proposta da obra de ficção). Reign é uma série de pegada teen, valorizando romances, triângulos amorosos e os conflitos adolescentes. Imagine “Malhação” encontrando a “corte européia do século XV”, medida as suas devidas proporções. Isso é ruim? Não sei, depende de você. A série tem um público fiel e já foi renovada para a sua terceira temporada.
reign 003
Esse texto foi originalmente publicado no blog “História em Séries” no dia 21 de janeiro de 2015.

One thought on “[HISTÓRIA EM SÉRIES] Reign | A vida de Mary Stuart antes da França

  1. Descreveu bem o que eu vi nos dois primeiros capítulos assistirei com a mente aberta para os desvios históricos e a música moderna que mais incomodou meu filho de 16 anos do que a mim de 46.

Comments are closed.