[HISTÓRIA EM SÉRIES] “Boardwalk Empire” e a Lei Seca nos EUA

alcra

Enoch “Nucky” Thompson (Steve Buscemi), tesoureiro de Atlantic City, faz um discurso eloquente sobre os malefícios do álcool para a sociedade americana. Sua plateia é formada pelos membros da Liga Pró-Temperança Feminina. O discurso é realizado no dia 16 de janeiro de 1920, dia em que a Lei Seca entrou em vigência nos Estados Unidos. Nesse mesmo dia, à noite, Nucky está reunido com seus chefes de governo celebrando a oportunidade criada pela nova lei: faturar altos lucros com a venda ilegal de bebidas alcoólicas.

E assim começava Boardwalk Empire, série do canal HBO baseado no livro “Boardwalk Empire: The Birth, High Times, and Corruption of Atlantic City” escrito por Terence Winter, produtor e roteirista da série The Sopranos. A primeira temporada estreou no 19 de setembro de 2010 quando o episódio piloto (dirigido por Martin Scorsese que é um dos produtores da série) alcançou a maior audiência para o canal, algo que não acontecia desde 2004. Boardwalk Empire possui uma belíssima produção com uma recriação da época bem esmerada, figurinos bem trabalhados e com uma excelente trilha sonora composta pelas músicas da época. A série foi exibida entre 2010 e 2014 possuindo cinco temporadas.

20140905_044407_boardwalk-empire

Steve Buscemi como Enoch “Nucky” Thompson. O personagem é fictício, mas inspirado em Nucky Johnson que vivia como o “Nucky” da série.

A série ficcional traz também personagens reais que fizeram história durante o contexto da Lei Seca nos Estados Unidos que se estendeu de 1920 a 1933: gângsteres como Johnny Torrio e o lendário Alphonse “Al” Capone. Mas como era os Estados Unidos durante os anos da Lei Seca e o que motivou a criação de uma lei que proibisse o consumo e a produção de bebidas alcoólicas?

Manter-se sóbrio.
Manifestações contra a venda e consumo do álcool remontam ao século XIX quando diversas lideranças políticas e religiosas dos Estados Unidos propagavam que as bebidas alcoólicas deveriam ser combatidas no intuito de moralizar e desenvolver a sociedade americana. Para esses grupos a proibição parecia justa levando em consideração o “Destino Manifesto” que manifestava a crença que os americanos teriam sido escolhidos por Deus para guiar o mundo. E para isso nada melhor do que estar sóbrio.

Mulheres protestando à favor da proibição.

Com o advento da Primeira Guerra Mundial e a subsequente entrada dos Estados Unidos no conflito em 1917, os alimentos começaram a ser racionados e o trigo assim como outros cereais não deveriam ser desperdiçados na fabricação de bebidas alcoólicas. Nesse mesmo ano, com a campanha contra as bebidas ganhando força nacional, o Congresso aprovou a 18ª emenda que em pouco tempo foi sendo confirmada nos estados americanos, consequentemente, em 1920, a lei entrou em vigor. No dia 16 de janeiro de 1920, o Ato de Proibição Nacional entrava em vigor.

Conhecida também como Ato de Volstead (em homenagem a Andrew Volstead, deputado que liderava a campanha) a lei proibida o consumo e a produção de qualquer bebida que tivesse mais de 0,5 % de álcool. No entanto a proibição não impediu o consumo e tão pouco a produção de bebidas alcoólicas nos Estados Unidos.
Por baixo dos panos.
A lei não foi capaz de acabar com o hábito de milhares de pessoas. Eram montados bares clandestinos, conhecidos como “speakeasies”, pois se tinha que falar baixo para não chamar a atenção. Para se conseguir as bebidas, muitos contrabandeavam o produto do Canadá e da Austrália, por exemplo. Proliferaram também as refinarias clandestinas que produziam bebidas caseiras, porém com baixa qualidade, sendo em alguns casos extremamente tóxicas.
khnl

Bebida alcoólica sendo despejada.

A Lei Seca mostrou-se um verdadeiro fracasso no combate a criminalidade. Os defensores da lei diziam que bebidas alcoólicas eram responsáveis pela extrema violência, no entanto a proibição do consumo e produção da bebida fez crescer o contrabando, a corrupção, desmoralizando as autoridades e enriquecendo a máfia com o comércio ilegal.
As taxas de criminalidade elevavam-se em cidades como Chicago e Nova York. O comércio ilegal ganhou força e organização. Os gângsteres – geralmente imigrantes italianos e irlandeses – que viviam do jogo e da prostituição passaram a organizar o comércio de bebidas subornando policiais, elegendo representantes políticos e assassinando seus oponentes.
Chicago, por exemplo, esteve controlada por Dean O’Brian que distribuía no norte da cidade uísque contrabandeado do Canadá, enquanto que ao sul, Johnny Torrio contratava policiais para defender seus interesses. Ao lado de Johnny Torrio, um jovem de apenas 14 anos passou a auxiliá-lo no contrabando de bebidas em Chicago. Seu nome era Alphonse Capone.
Al Capone tornou-se uma lenda. Assumiu os negócios de Torrio quando este se aposentou. Capone expandiu seu comércio ilegal para cidades como Saint Louis e Detroit. Apesar de todos os crimes violentos que Al Capone cometeu, o gângster foi preso por sonegação fiscal e passou cinco anos na prisão de Alcatraz. Morreu em liberdade no ano de 1947.

Al Capone

Ressaca.
Em 1933, a Lei Seca fora revogada pelo então recém empossado presidente Frankiln Roosevelt. Com a crise financeira provocada pela quebra da Bolsa de Valores em Nova York no ano de 1929, várias indústrias foram a falência e fez muitas famílias mergulharem em extrema pobreza. A Grande Depressão nos possibilita entender o porquê da Lei Seca ter sido revogada, pois os que eram contrários a lei defendiam que a legalização das bebidas estimularia a economia, aumentaria a criação de empregos e a arrecadação de impostos.
No dia 5 de dezembro de 1933, a Lei Seca chegava ao fim sem causar o grande impacto que almejava quando entrou em vigor no ano de 1920. A série Boardwalk Empire contextualiza sua trama no início da era da Lei Seca mostrando os bastidores do submundo do crime e as relações corruptas entre autoridades políticas e policiais com notórios criminosos, onde muitas vezes autoridades e criminosos se confundiam criando um verdadeiro império do contrabando.
FONTE:
SOUZA, Rainer. Lei Seca dos EUA. mundoeducação.com.br
DEURSEN, Felipe Van. Lei Seca: A lei que foi um porre. guiadoestudante.abril.com.br
Esse texto foi publicado originalmente no blog História em Séries no dia 7 de setembro de 2014.

One thought on “[HISTÓRIA EM SÉRIES] “Boardwalk Empire” e a Lei Seca nos EUA

Comments are closed.