[GAMES] Diablo Immortal e o fiasco da Blizzcon: o real problema de que ninguém está falando a respeito

Caso você tenha acordado agora do seu coma de seis meses, talvez você não esteja informado que a internet odeia a Blizzard agora. Claro, a internet sendo a internet, daqui a duas semanas outro meme vai tomar o seu lugar, e ninguém mais vai sequer lembrar disso –  e esse é um dos motivos pelos quais eu não gosto de comentar notícias. Entretanto, essa em particular é interessante, e eu reparei que muita gente ficou “irritada” (novamente, a internet sendo a internet, ninguém sente nada de verdade além de tédio), e muita gente reclamou do que aconteceu na Blizzcon desse ano… e estão todos errados.

Não me entenda errado, o que aconteceu foi um problema, sim, mas um problema diferente do que as pessoas estão falando a respeito. Então, para entender o ocorrido, um pouco de retrospectiva dos fatos:

Blizzcon é aquela época mágica do ano em que temos novos cosplays da Jessica Nigri 🙂

A Blizzcon desse ano, o grande evento da Blizzard, foi realmente espetacular, e todos os fãs das suas várias franquias tiveram noticias realmente legais. Teve anúncio de personagem novo para Overwatch, uma expansão nova para Heartstone, a volta de personagens icônicos em World of Warcraft, teve o anúncio do remake de Warcraft 3. Só coisa da fina para todos os seus públicos, eu te digo.

Exceto por um caso. No marketing do evento, a Blizzard anunciou que faria uma grande revelação sobre o novo jogo de Diablo em que eles estavam trabalhando: Diablo Immortal. Uau, isso não é pouca coisa, afinal! Diablo é uma das marcas mais icônicas da história dos jogos de computador. Você não pode fazer um anúncio desses sem esperar um salão repleto de PC Gamers ansiosos para esgotar toda a tiragem do seu jogo enquanto reclamam em fóruns que você está arruinando com a marca (embora comprarão todo e cada DLC que você lançar para ele).

Bem, de fato, a revelação de Diablo Immortal foi realmente impactante para o público presente:

Acontece que “Diablo Immortal” é um jogo para celular. Pior do que isso, sequer é um desenvolvimento original da Blizzard: é um jogo que usa a engine de um jogo chinês para celular, Crusaders of Light.

Muita gente ficou muito ofendida por isso. O público da Blizzard, ESPECIALMENTE os fãs de Diablo, são PC Gamers, e isso é algo que eles adotam como uma característica de personalidade que os define. E para PC Gamers, jogos de celular são o cancro da humanidade e a mera existência dessa “abominação” no mesmo plano de realidade os torna menos felizes.

Sabe aquele orgulho arrogante que as pessoas sentem ao encher a boca para dizer que funk é lixo? É exatamente assim que os PC Gamers se sentem a respeito de jogos para celular. Tanto que na mesma sessão de perguntas e respostas, a equipe do jogo foi vaiada ao informar que o jogo não sairia para PC. Como eles OUSAM sugerir que jogadores de PC se rebaixem a um meio de entretenimento criado para plebeus?

Bem, e essa é meio que a parte relevante da história. Depois disso muitos memes nasceram, as ações da Blizzard caíram 23% e, resumidamente, para qualquer um que você perguntar, a Blizzard é a nova EA no campo de práticas abusivas com os gamers. Certamente você já ouviu a respeito.

O problema é que as pessoas estão preocupadas com as coisas erradas. Honestamente, eu não poderia me importar menos do que uma bunda de rato com Diablo Immortal em si. Talvez o jogo seja a nova febre que tomará o mundo de assalto, talvez seja Fazendinha Feliz 3.0 – Zack Snyder Edition. Eu não sei, e eu não ligo.

Se o jogo não for bom, basta apenas não comprar (ou gastar dinheiro com microtransações, que certamente existirão) e o problema meio que se resolve sozinho. Claro que a ideia de apenas não votar com suas carteiras naquilo que você acha ruim soa completamente alien em um país onde o camarada Estado decide até o que é permitido ter em cima da mesa na hora da refeição, mas isso funciona mais frequentemente do que você imaginaria. Realmente eu não estou preocupado com isso.

Eu também não estou preocupado com a reação dos gamers, porque isso levaria a uma conversa muito chata que ninguém quer realmente ter. Essa sendo uma discussão de que eu tenho zero interesse em participar, não é com isso que eu me preocupo também.

Com o que eu ESTOU preocupado, no entanto, e o motivo desse post, é aquilo que não está sendo dito o suficiente: o jogo em si não é o problema, a falta de tato da Blizzard com o seu público, sim.

COMO, por mil estrovengas geriátricas, a Blizzard não imaginou que teria essa reação ao anunciar um jogo de celular para o seu público gamer que pagou U$ 199 para estar lá! Porra, vocês sabem que tipo de gente paga CENTO E NOVENTA E NOVE dólares (quase o preço de um PS4) para ir em um evento de games? Eis aqui minha dica, Sherlocks: é exatamente o tipo de gente que vai ficar muito chateada ao ouvir que o grande anúncio para sua franquia amada há mais de vinte anos é apenas um joguinho para celular rippado de um caça-níquel chinês!

COMO que não tem uma viva alma no departamento de RP da Blizzard que previu uma coisa tão óbvia assim?

O quão pouco você precisa saber sobre como pessoas funcionam para entender que a primeira e a última apresentação de um evento são as mais importantes, e que se você faz um anúncio misterioso sobre uma marca que não recebe jogos há seis anos, as pessoas colocarão suas expectativas no teto? Isso é tão óbvio. Como que ninguém se deu conta disso?!

Ao ser perguntado sobre o jogo não sair para PC e ser vaiado por isso, o desenvolvedor da Blizzard deu a infeliz resposta “Ué, mas todos vocês não tem celulares?”. O que mais me assusta é que ele não estava sendo sarcástico, ele estava sendo ingênuo mesmo. Porque, sério, na Blizzard vocês não têm internet? Vocês não sabem com que tipo de pessoas estão lidando e o que elas esperam?

E se eles não sabem ao menos ISSO sobre o seu público… então o que eles sabem realmente? O quão grave é a dissonância entre a realidade e o que os criadores de conteúdo acham que o seu público quer. Considerando que a Blizzard trabalha quase que exclusivamente com o modelo de games como serviço, eu diria que, para eles, essa é uma preocupação maior do que se um joguinho de celular será bom ou não. Bem maior.

Os jogos da Blizzard dependem de atualizações constantes, de receber e entender o feedback do público, e fazer ajustes finos na experiência ao longo do tempo. E é justamente por isso que é tão preocupante que eles pareçam tão desconectados do que o seu público quer, espera ou precisa! O que mais uma vez me leva à pergunta: se eles estão tão perdidos ao ponto de não entenderem todo esse incidente do Diablo Immortal (e aparentemente eles ainda não entenderam).

E, a propósito, se a Blizzard queria fazer um joguinho de celular pay2win, Pet Battles do WoW seria uma escolha muito melhor do que Diablo para isso.