[GAMES] As 10 melhores trilhas sonoras de video game (Parte II)

Eis a segunda e última parte do top-10 de trilhas para video games. Uma observação: TODAS as trilhas listadas são feitas por japoneses. Porque…sim. Para ver a primeira parte clique AQUI.

 

 

5 – Final Fantasy VI (1994, por Nobuo Uematsu)

FinalFantasyVI_SuperFami_front

FFVI é muitas vezes lembrado como a obra prima de Uematsu. A trilha tem uma das “boss battle theme” mais ambiciosas e épicas, “Dancing Mad”, que detona “One Winged Angel” (de FFVII) facilmente. E qual outro jogo de SNES podemos dizer que tem uma trilha melhor do que a de Chrono Trigger? Essa trilha é o ápice da série e dos video games em geral, quando se trata de grandiosas composições e arranjos além do limite.

4 – Silent Hill 2 (2001, por Akira Yamaoka)

Silent-Hill-2-Wallpaper

“SH2” é uma obra-prima. O jogo alcança a perfeição na ambientação e atmosfera, a principal coisa que a série busca oferecer. Algumas das canções em si são umas das melhores de qualquer álbum que se possa ouvir, de video game ou não. “Laura’s Theme” é tão boa quanto um bom rock alternativo pode ser, “White Noiz” é a perfeição ambient, “Alone In The Town” e “Heaven’s Night” são algumas das melhores canções de trip-hop já feitas e “The Reverse Will” é com certeza a coisa mais incrível que já ouvi. Poderia facilmente ser a música de fundo para uma canção de rap. A trilha não é limitada só a isso. A obra como um todo transcende a religiosidade.

3 – Dracula X (Clastlevania): Symphony of the Night (1997, por Michiru Yamane)

alucard

Por muito tempo essa trilha sonora foi a minha favorita, de todas, especialmente quando ouvi “Dracula’s Castle” pela primeira vez. É um momento que nunca irei esquecer. A trilha mistura diversos tipos de música, como coral, heavy metal e cantos gregorianos. O que é mais incrível é que se trata do primeiro trabalho de Yamane. Inacreditável se considerarmos a profundidade musical e virtuosidade contida no álbum. O trabalho é intocável, nunca haverá nada que se assemelhe a ele.

2 – Chrono Cross (1999, por Yasunori Mitsuda)

Chrono-Cross-chrono-cross-28576131-1024-768

Enquanto “Chrono Trigger” foi uma realização sólida que só foi possível pela graça de Deus, de algum modo Mitsuda se superou com Chrono Cross, mais transcendente que o game prévio da série. Enquanto a música de “Chrono Trigger” era quase inteiramente “muito boa”, “Chrono Cross” é completamente algo mais. Não é só a melhor composição de video game do ps1 (ou quase, se isso importa), é também a que soa melhor. nada parece datado, diferente dos jogos de “Final Fantasy”. Enquanto alguns RPGs gastam várias horas com música e tentar ouvir a trilha sonora toda tende a ser um desafio, apreciar as 3 horas dessa OST é uma tarefa emocionante e nem um pouco entediante, não só porque todos as músicas são maravilhosamente ótimas, mas porque cada uma nos deixa uma única e distinta impressão. Cada música pode ser ouvida separadamente, dentro ou fora do jogo, e mesmo assim teremos o mesmo proveito. Às vezes me pergunto se devo ouvir outro tipo de música se quando ouço essa OST tenho musicalmente e emocionalmente as paletas mais diversas.

1 – Final Fantasy X (2001, por vários artistas)

FFX-4[1]

“FFX” tem, sem dúvida, a melhor trilha sonora já criada. O motivo disso é que, além de ter Nobuo Uematsu, que é um Deus das trilhas por direito, temos também dois outros excelentes compositores, Junya Nakano e Masashi Hamauzu, que levam uma qualidade vital à trilha. Surpreendentemente, os dois outros compositores estão em pé de igualdade com Uematsu. Os três juntos criaram um trabalho com seus estilos únicos que se mesclam perfeitamente. Isso cria uma trilha diferente que supera a todas da série (e além), mas que ainda se parece com uma trilha de Final Fantasy. O jogo ainda explora tantos diferentes estilos musicais que eu poderia sinceramente ouvir só essa trilha por um longo, longo tempo e ainda ficar de boca aberta. Seu ecletismo se deve a essas três pessoas trabalhando juntas para criar algo sem precedentes. Quando terminei o jogo, a música – sem dúvidas – foi responsável por me emocionar. E não me emocionei porque era triste (apesar do fim ser bem triste), emocionei-me por causa da beleza da música e pelo fato de tudo ter chagado ao fim.

Sobre as canções em si? Eu poderia escrever um livro sobre essa OST, falando profundamente sobre cada música e como ela me faz sentir. Essa complexidade e profundidade de emoções de cada faixa nunca foi alcançada antes. “Chrono Cross” foi o que chegou mais perto de fazer o mesmo que “FFX” me fez sentir. Posso honestamente dizer que essa é a maior experiência musical que já tive.