[ESPECIAL NGF] Um monumento para os nossos corações

semana-das-criancas-ngf-2016-douglas-emmanoel

Por que quando crianças temos a vontade de ser adultos e quando nos tornamos adultos temos a vontade de ser crianças?

Óbvio, por mais crianção que você seja, a responsabilidade de uma vida adulta sempre virá em primeiro lugar.

Para alguns adultos, como eu e meus amigos, por exemplo, nos tempos em que nos é permitido respirar, fazemos isso como crianças e não como adultos. Por que, somos imaturos? Quem tem o direito de nos julgar? Quem tem o direito de dizer que somos menos apenas porque mantivemos hábitos infantis?

Ora, atire a primeira pedra quem deixou seu passado para trás e se entregou por completo à chata e triste realidade da vida adulta. Ninguém, absolutamente ninguém nesse planeta, é 100% adulto. Essa pessoa pode, sim, esconder seu lado infantil em público durante 100% das vezes, mas duvido que, quando sozinho, o faz da mesma forma.

Quando nós rimos daquele episódio do Chaves, que já vimos incontáveis vezes, estamos sendo crianças.

Quando paramos apenas para observar um reboot animal de algum game clássico que você jogou quando pequeno, e você diz “Eu vi aquilo se tornar isso”, você está sendo criança.

Quando relembra e sente saudade daquele livro que leu quando era pequeno, mesmo que não pretenda ler novamente, você ainda é criança.

Então, não importa, não devemos tratar o passado infantil, nossos antigos desenhos, games, livros, HQs, não devemos tratar isso como passado, mas como um monumento em nossos corações. Para que sentimentos bons sempre venham à tona, você se lembra de tudo que te trouxe felicidade no passado e, assim, seja feliz por saber que apenas o fato de lembrar do seu passado infantil é capaz de te fazer feliz novamente.