[CURTINDO CINEMA] DMT: A Molécula do Espírito (crítica)

dmt the spirit molecule logoSim, a Monique já tem uma coluna sobre cinema aqui no site, mas eu também sou cinéfilo, não tão “praticante” como ela, mas sou. Por isto, resolvi inaugurar esta pra falar de alguns filmes que já assisti. Pra começar, dividirei minhas impressões sobre um documentário a respeito de uma droga intrigante.


DMT: A Molécula do Espírito é um excelente documentário que, apesar de despertar fascínio e curiosidade através dos relatos de experiências com a DMT, é equilibrado o suficiente em suas entrevistas para não inclinar-se para a apologia pura. Para isto ele toma um caminho mais centrado e correto: incentivar pesquisas mais metódicas e aprofundadas a respeito da DMT, uma molécula encontrada em plantas e animais que parece guardar e desencadear segredos, dando à mente humana acesso a uma quantidade imensurável de informações, a respeito de nós mesmos e do universo.

Não o encarei como uma elaborada tentativa de aumentar o número de usuários da DMT, mas, acima de tudo, como uma bela iniciativa de nos despertar o interesse por uma investigação mais profunda de nós mesmos, de nosso papel no mundo e de nosso futuro como espécie.

Parte da beleza do documentário reside nos vários grafismos mesclando imagens geradas por computador, pinturas e fractais para ilustrar os relatos que tomam parte do documentário, somando-os a uma trilha sonora evocativa que simula sinestesia e estimula o espectador a criar em seu próprio quadro mental as imagens descritas pelos entrevistados. Isto enriqueceu a experiência de assistir o filme, levando-nos a participar da experiência de livre associação vivenciada por alguns dos voluntários do experimento, a fim de tirarmos nossas próprias conclusões referentes à natureza dos relatos.

dmt spirit molecule gaia tietoisuus alex grey

Elogiável também foi a maneira sóbria com que os entrevistados foram selecionados, e suas diferentes visões e opiniões montadas e encadeadas a fim de compôr um quadro mais abrangente, holístico e imparcial de todas as questões referentes à DMT.

O documentário nos estimula a combinar conhecimentos provenientes de diversos ramos da ciência, sem medo de relacioná-la às experiências espirituais e místicas, que são igualmente humanas. Ainda há um preconceito muito grande contra aqueles que tentam derrubar as barreiras entre nossas fontes de conhecimento, e é sempre louvável quando alguém procura conscientizar-nos de que tais combinações podem se revelar enriquecedoras e fundamentais para nosso futuro, se bem embasadas e livres de repressões e preconceitos.

Dito isto, terminarei o post com algumas de minhas contribuições, em forma de associações que fiz enquanto revia o documentário a fim de fazer essa crítica:

  • Logo no início do documentário Leanna Standish – médica naturopata – diz que o DMT pode ser a base de uma “linguagem de ressonância”. No 1º episódio da série Sense 8 um personagem cita a hipótese da ressonância límbica pra explicar os poderes transcendentais de Riley, que a permite sentir-se na pele de outro sensate como ela (mais sobre a série neste cast).
  • Parte do filme dedica-se a recapitular as crenças religiosas e científicas em torno da glândula pineal. Livros ligados à doutrina espírita kardecista cita a glândula como a sede da mediunidade, que dá aos médiuns a capacidade de entrar em contato com o mundo espiritual. Há obras que afirmam que a glândula pineal dos médiuns apresenta uma cristalização, que não é comum na fisiologia da maioria dos indivíduos. Segundo uma hipótese a respeito desses “cristais” naturais, eles funcionariam como antenas de captação das vibrações imanentes do plano espiritual.
    Destaco abaixo duas observações que julguei intrigantes, e complementares ao que disse acima:
    A Cabala nos revela que o corpo pineal é de fato a borda da dimensão superior que penetra a nossa dimensão inferior, e está localizada precisamente no meio do cérebro.” – Joel Bakst, rabino.
    […] eu acredito que há níveis superiores e realidades transcendentais, e agora realmente começo a acreditar que o cérebro não é a fonte da consciência, não é realmente quem somos, é mais parecido com um sintonizador de rádio para algo muito maior.” – Leanna Standish, médica naturopata

dmt spirit molecule gaia net of being

  • O filme reserva um trecho para falar da história da ayahuasca, uma droga que também foi citada na edição 21 da série em quadrinhos Planetary, do Warren Ellis e John Cassaday:
    “Ayahuasca, peiote, psilocibina, stropharia cubensis. […] historicamente as considerávamos drogas xamanísticas, envoltas em rituais, religião, e outros contrassensos de sociedades arcaicas. Mas toda sociedade tinha seu porta-voz d’além-túmulo e seu oráculo com vista para outros lugares.”
    Abaixo destaco uma observação do matemático Ralph Abraham a respeito da DMT:
    “Isto na verdade é uma porta para outra realidade.”
  • Pra encerrar, sugiro que comparem os relatos dos voluntários na experiência com DMT narrada no documentário com esta leitura que fiz de um trecho do livro Superdeusesonde Grant Morrison descreve sua experiência mística/religiosa em Katmandu. As semelhanças são impressionantes!

O documentário pode ser assistido na íntegra e legendado logo abaixo:


O texto acima foi originalmente publicado no Filmow, e reeditado, com diversos acréscimos, para sua publicação aqui.