[CONTO] Contos Malditos: A Nova Roupa do Rei

Após um longo hiato, estou retornando também aos Contos Malditos. Mas vou pegar leve dessa vez.

Só para desenferrujar…
Sim, todas aquelas desgraças que eu costumava jogar na cara dos leitores que ainda romantizavam os contos de fadas, voltaram. Agora, devo dizer, com alguns toque a mais de crueldade. Se você é sensível, curte um leite com pêra, e fica horrorizado (a) com cenas fortes, melhor ir ver outra atração do site.

529f623a62b59Depois não digam que eu não avisei… porra!

Agora, vamos ao que interessa.

Você conhece a história da Roupa Nova do Rei?

Bom, a versão que você deve ter ouvido quando criança foi bastante leve. Algo como:

Há muito tempo atrás, numa terra distante, vivia um rei muito jovem e bondoso, porém, dono de um defeito que parecia tomar-lhe todas as demais qualidades: esse rei não podia estimar nada mais que a si mesmo. Era um verdadeiro narcisista, achava-se lindo, perfeito, um deus, gostoso, tudo de bom, a última Coca-Cola do deserto… ahhh você entendeu. Ele se considerava belo demais para andar entre os homens comuns. Embora tivesse senso de justiça e fosse bom governante, não era raro que gastasse somas grandiosas dos tributos pagos por seu povo para custear vestimentas de preço inestimável e penteados caríssimos.

I'm sexy and I know it

I’m sexy and I know it

Sabendo de seu grandioso apego por belas roupas e tecidos caros, dois alfaiates trapaceiros decidiram ganhar muito dinheiro às custas do Rei. Assim, determinados a colocar em prática seu plano para ganhar um dinheiro alto por meios escusos, os dois decidiram ir até o castelo para fazer uma curiosa proposta ao Rei vaidoso.

Chegando ao castelo, a dupla de bandidos pediu para falar com o Rei narcisista e, já na presença de sua Majestade, ofereceram a ele a mais bela vestimenta, feita dos mais nobres materiais, dignos de vestir a pele real. Essa roupa, contudo, teria propriedades mágicas de acordo com os dois farsantes. Apenas quem fosse suficientemente inteligente poderia enxergar as vestes.

c2375c83-8f5a-412b-8925-a33e1507d24f

Não querendo dar o braço a torcer, ou mostrar qualquer fraqueza, afinal sua imagem estava acima de tudo, mesmo sem ver um só vestígio da tal roupa maravilhosa, disfarçou uma surpresa mista com satisfação. Claro que, mesmo sem ver nada, ele fez questão de pegar, tocar, apreciar e vestir (só Deus sabe como) a roupa sem roupa.

Eu fico imaginando o nível de Zueira dentro do Castelo. Afinal, muito embora a história mais difundida fale que os servos do Castelo também tentaram fazer de conta que estavam vendo a roupa (sem querer admitir uma possível burrice), a GRANDE verdade é que a maior parte deles apenas não riu da cara do Rei por duas hipóteses possíveis:

1- Nenhum servo queria perder a cabeça.
guilhotina2 – Possivelmente os atributos do Rei não eram tão grandes quanto seu ego… Talvez a maior parte dos servos ficou apenas chocado demais no primeiro momento ao ver o Pequeno Príncipe da Majestade tão convencida.

pinto-pequeno

Roupa Nova do Rei - 02

Vocês acham mesmo que ela estava de cueca?

Assim, com os servos em silêncio e até mesmo elogiando ( o Rei completamente NU) a “Linda Roupa do Rei”, o adulado monarca decidiu desfilar pelas ruas de seu reino para exibir sua “novas vestes”.

O problema é que, não importa onde você vá, haverá uma criança.

Pior: onde quer que você vá, haverá uma criança que não vale droga nenhuma já desde pequena.

Não poderia ter sido diferente com o Rei.

É claro que havia um casto e inocente infante no meio da multidão para apontar a verdade que nenhum adulto quis comentar ao ver o Rei andando peladão pelas ruas.

Ou melhor, é claro que tinha alguma maldita criança dus infernu com espírito de Joker, querendo mais é ver o circo (quiçá o mundo inteiro) pegar fogo.

Fofura!

Fofura!

O Resultado você já sabe:

Do meio da multidão desponta a voz esganiçada de um pequeno encrenqueiro (e um futuro grande Filho da puta):

– “Aê, o rei tá com a bunda de fora!”

Lembrando que os atributos eram deficitários.

Lembrando que os atributos eram deficitários.

O Resultado contado pela história original é que todos riram, o Rei ficou envergonhado, voltou ao castelo, certo de que o menino estava sendo sincero, e decidiu que passaria a acreditar mais em seu ego do que em sua inteligência.

O resultado provável mais real, se essa história tivesse de fato ocorrido: Algum puxa-saco (literalmente) do rei catou o moleque do meio da multidão e levou até um dos guardas.

O rei, sem querer ser ultrajado na frente dos plebeus, colocou o menino logo à sua frente e fez uma longa preleção com tudo de fora balançando alegremente quase na cara da pobre criança.

Bom, se fosse o Dr. Manhattan teria sido bem pior.

Bom, se fosse o Dr. Manhattan teria sido bem pior.

Não bastasse a violência de ter que encarar as partes íntimas do rei e seu discurso esganiçado de anacrônico, o moleque com certeza não teve o melhor destino.
downloadMoral da história: Jamais sabemos quem é o burro da situação na verdade. Mas é fato: o que o burro tem mais que você, eu, a sua amiga de classe que te colocou na friendzone e os seguidores do Trump?

R: Têm mais é que se FODER mesmo…