[CINEMA] Se quiser assistir a um bom filme, veja “Beleza Oculta” com Will Smith.

O temor da morte impulsiona o ser humano a realizar grandes feitos, a se mover no mundo e a querer evoluir. O tempo, recurso finito e escasso, é ilusão preciosa, e muitas vezes, serve de norte para nossas tomadas de decisões. O amor, presente em TUDO, jamais deveria ser negligenciado, por pior que fosse a situação.

Já não é de hoje que Will Smith vem fazendo belíssimos filmes. São provas dessa afirmação seus trabalhos em “Um Homem Entre Gigantes”, “À Procura da Felicidade” e “Sete Vidas”. Uma vez mais seu talento nos é explicitado, agora através de “Beleza Oculta”, novo longa dirigido por David Frankel.

Will Smith eleva-se sobre si mesmo e transcende expectativas dando forma a Howard, alto executivo de uma agência publicitária, que depois de uma tragédia pessoal, entra em profunda depressão e passa a escrever cartas para três destinatários incomuns: a Morte, o Tempo e o Amor.

Veja o trailer:

Os melhores amigos e sócios do publicitário, Whit Yardsham (Edward Norton), Claire (Kate Winslet) e Simon (Michael Peña) se preocupam com o estado lastimável, quase catatônico, de Howard e veem o negócio em que trabalham juntos há três anos não conseguindo saldar as suas dívidas, até que uma companhia investidora se dispõe a comprá-la, e a manter empregados todos os seus funcionários.

No entanto, Howard, que detém a maior quantidade de ações, é contrário ao fechamento do acordo comercial.

Whit, então, arma um estratagema para desqualificar Howard, tentando provar à direção da agência que o outro já não goza mais de perfeito juízo mental, na tentativa de “costurar” a transação. E o insight dele é brilhante!

Após contratar um detetive particular e descobrir os estranhos hábitos daquele que se tornou um impedimento para seus planos, Whit solicita a um grupo teatral representar os “receptores” das correspondências do empresário. Essas três figuras agora terão o direito de resposta às queixas apresentadas por Howard e passarão a ser forças causadoras de mudanças graduais e significativas nas vidas de todos os envolvidos.

Infelizmente, contar mais da trama e das relações dessas personagens estragaria uma excelente experiência. Mas, atesto que “Beleza Oculta” foi um dos melhores filmes sui generis ao qual assisti nesses últimos dez anos. Vale a pena conferir nos cinemas! Fica a dica.