[CINEMA] Filadélfia – Você Merece Morrer de AIDS!

E se alguém dissesse a um soropositivo que ele merece morrer de AIDS em razão de um comportamento?

O título provocativo não foi escolhido ao acaso.

Ao assistir Filadélfia, estrelado por Tom Hanks e Denzel Washington, a sensação de que existe o sentimento de vingança da sociedade é pulsante. Mas será que é essa a intenção?
582x0_1383170240Produzido no ano de 1993, e tendo sido o primeiro filme comercial de Hollywood a discutir o HIV e a homofobia, sob a direção de Jonathan Demme, Philadelfia é um filme de drama que conta a história do jovem e brilhante advogado Andrew Beckett: um profissional bem-sucedido, gozando de conforto financeiro e muito bonito. Parece a vida perfeita para alguém aos 26 anos de idade.

Mas o que não é aparente (ao menos a princípio) é que Andrew esconde sob a aparência do sucesso precoce o terrível fado de ser soropositivo.

O Mal Invisível

20155142

No início do filme vemos Andrew como um rapaz extremamente ativo e no auge de sua carreira profissional. O advogado ganha uma promoção em razão de sua competência, é querido pelos seus patrões e aparentemente muito respeitado por todos na firma de advocacia em que trabalha.

Mas, todo mal um dia vem à tona.

Não seria justo dizer que o inferno particular de Beckett começou com uma manchinha roxa em sua testa. Calculo que se descobrir soropositivo em uma época em que o peso da doença era ainda mais intenso que hoje tenha sido o início de uma tormenta incapaz de caber em qualquer classificação.

Mas foi com uma mancha roxa que Andrew passou a não conseguir mais esconder a doença que antes parecia presente apenas no sangue.

O mal, que era até então invisível, começou a se fazer presente aos olhos de quem quisesse ver em formas de violáceas – pequenas lesões de cor roxa que não doem, e cuja consistência é mais densa do que a da pele saudável.

revelationCom a aparência se modificando aos poucos, e a contínua perda de peso, o jovem Beckett não tem mais como trancar a sete chaves o seu segredo.
hqdefaultO antes confiante advogado,  acaba sendo demitido da firma em que atua em razão de sua condição de saúde. Ou melhor, por ser portador e “merecedor” da Aids, a doença que tinha sido invisível até então, mas que se tornou gritante em algum momento.

É a partir dessa demissão motivada por razões contraditórias que começamos a pensar o filme como muito mais do que uma história melancólica. Filadélfia foi um filme responsável por levantar um dos méritos mais sutis na agressiva postura preconceituosa com relação ao vírus HIV.

Você Mereceu Contrair AIDS

download-1

Muito embora o filme tenha sido produzido em 1993, deixando essa impressão de que a maior parte dos monstruosos preconceitos e mitos acerca da AIDS foram destruídos, não custa mais do que um olhar mais atento para notar que a vida de pessoas soropositivas ainda é assombrada por um peso social quase tão cru quanto o peso da doença em si.

Como o próprio Beckett fala durante o filme, “primeiro ocorre a morte social, para logo em seguida ocorrer a morte física“.

Pois é. Ainda que pareça um universo distante, e que a maior parte dos telespectadores, ao menos da boca para fora, pareça chocada com a frieza com a qual os ex-patrões do jovem advogado o tratam na corte judicial, exaltando o fato de o rapaz ser homossexual, como se fosse esse um motivo de merecimento da terrível doença imunossupressora, a atitude é repetida hoje em dia. Talvez com menor frequência e intensidade. Mas é.

hil3O assunto se torna cada vez mais pesado, com o decorrer do filme e com a degradação de Beckett, cada vez mais magro, perdendo cabelos e abatido. Mas mesmo fisicamente arrasado, o jovem continua de pé, diante das mais vergonhosas acusações.

Ou melhor: diante dos mais normais fatos transformados e narrados de forma insidiosa, fazendo parecer delito o que era para ser parte de uma vida normal.

As declarações vão além da ideia de homofobia que temos hoje em dia.

É claro que eu não estou entrando nos casos em que as pessoas são espancadas e até mesmo mortas por sua orientação sexual. Mas no que diz respeito a assédio moral e ataques pessoais, o filme chega a ultrapassar a linha do revoltante, fazendo com que o telespectador chegue a questionar a fleuma com a qual Beckett consegue lidar com a situação no tribunal.

O preconceito contra a sexualidade do jovem soropositivo é tamanho que não há, em momento algum, menção ao preconceito racial, tão comum nos EUA.

No filme, o jovem advogado é defendido pelo personagem mais que genial e espirituoso de Denzel Whashington, mas isso não o poupa de ouvir tolices que poderiam ser resumidas em: “Pessoas como você – homossexuais – merecem morrer de AIDS.”

Vingança X Justiça

tom-hanks-philadelphia

Conforme dito logo no início do artigo, a impressão que temos, ao saber do plot do filme, é que Beckett e seu advogado, de alguma forma, saíram com o sentimento de que a justiça foi feita pelas mãos frias da vingança. E, confessemos, essa é a vontade em grande parte das cenas: ver a justiça devolvida além do troco.

Afinal de contas, é nisso que consiste a vingança: a justiça em nossa própria medida; jamais justa ou proporcional.

Nota da redatora: é muito interessante que um filme que se passa quase todo dentro de uma corte e que trate de um assunto tão pesado não tenha um tom claustrofóbico. Contudo, o filme não passa essa sensação, além de ser muito dinâmico (contrariando o ritmo dos filmes da década de 80 e início de 90.

Mas, no fim das contas, a beleza do filme, levada desde os tons de melancolia em que Beckett se vê condenado a uma morte cheia de um peso que qualquer outra morte não tem, até os pequenos momentos de leveza em um humor sutil mas efetivo, não permite que tenhamos o sentimento da vingança. Seria baixo demais para um homem que, de acordo com a já idosa Senhora Beckett, “não criou seus filhos para sentar no banco de trás do ônibus”.

A dupla busca justiça diante de uma covardia e, ao fim, o que sentimos é que toda tentativa de lutar por aquilo que é certo, deve ser levada mais a sério do que se pode imaginar.

fe3e59f493052d34711e9b4a2ea67002

2 thoughts on “[CINEMA] Filadélfia – Você Merece Morrer de AIDS!

Deixe uma resposta