[CINE MONIQUE] X + Y (A Brilliant Young Mind) – sobre autismo e a fórmula do amor

x + y a brilliant young mind (1)É extremamente desconfiável me deixar opinar sobre esse filme, visto que ele me atingiu de uma maneira muito intensa, por diversos assuntos pessoais.

X + Y ou A Brilliant Young Mind foi dirigido por Morgan Matthews em 2014, porém ainda não tem previsão de estreia para o Brasil.

Trata-se de uma comédia dramática, em que o personagem principal, Nathan (Asa Butterfield) é autista. Como na maioria dos casos, o garoto tem uma séria dificuldade para socializar, inclusive com a sua mãe Jullie (Sally Hawkins). A única pessoa com quem ele conseguia se sentir melhor era com seu pai, que veio a morrer em um acidente de carro, com Nathan ao seu lado ainda muito jovem.x + y a brilliant young mind (5)

A morte de Michael (Martin McCann) refletiu de maneira drástica no filho, que potencializou ainda mais sua obsessão por padrões. Consecutivamente, Nathan acaba desenvolvendo um interesse ainda maior por matemática, como uma forma de entender melhor o mundo.

Vendo o potencial do filho, Jullie decide procurar uma instituição para desenvolver ainda mais a capacidade do garoto. E é aí que Nathan conhece o Sr. Humphreys (Rafe Spall), um professor de matemática que passa lhe dar aulas, e com quem desenvolve uma amizade.x + y a brilliant young mind (2)

Com o início das aulas particulares, o jovem descobre a existência da Olimpíada Internacional de Matemática, e então passa a torná-la seu único e principal objetivo de vida.

Após alguns anos de estudo, Nathan consegue finalmente entrar na OIM, e viaja para Taiwan, para que pudesse disputar uma vaga entre as seis disponíveis para o grupo representante de seu país.

Mas a viagem acaba lhe proporcionando mais do que esperava.x + y a brilliant young mind (3)O envolvimento com outras pessoas – além de familiares e seu professor – gera diversas emoções até então desconhecidas para Nathan, e com isso ele acaba buscando informações matemáticas para todos esses novos sentimentos, até que encontra a fórmula do amor.

Se eu fosse definir o filme com apenas uma palavra, seria simplesmente como “lindo”.

Além de mostrar alguns fatores do autismo, o longa ainda expõe a dificuldade que uma mãe pode passar, além de apresentar também o drama do professor Humphreys, que sofre de esclerose múltipla, e com arrependimentos passados. x + y a brilliant young mind (4)É uma ótima recomendação para quem está a fim de se emocionar um pouquinho, ou para quem quer entender um pouco mais do quão maravilhoso e complicado o mundo pode ser pelos olhos de um autista! Vale a pena conferir.

nota-5