[CINE MONIQUE] O Espelho: um clichê diferente

O EspelhoDepois do post sobre o Goodnight Mommy, dei uma analisada na lista de filmes de terror que vi este ano. E dentre o títulos, encontrei O Espelho (Oculus), uma produção um tanto quanto clichê, mas que conseguiu não ser tão ruim.

O filme foi produzido em 2013, porém só teve sua estreia no Brasil em 2014. Dirigido por Mike Flanagan, a trama é baseada no trauma de dois irmãos.

Tim (Brenton Thwaites) e Kaylie (Karen Gillan) sofreram com a morte inexplicada dos pais ainda na infância deles, mas acabaram lidando com a situação de formas diferentes.

Tim foi internado em um hospital psiquiátrico quase sem contato com a irmã, que por sua vez teve que lidar sozinha com toda a situação. Enquanto o garoto foi crescendo com todo um suporte médico para entender e aceitar a tragédia, a garota cresceu nutrindo a ideia de que tudo foi causado por um antigo espelho que tinha na casa da família.

Quando o irmão sai do hospital, Kaylie vê a chance de colocar toda a sua teoria a prova. Por trabalhar com objetos históricos, ela tem acesso ao espelho novamente, e o leva para a antiga casa para testar os poderes sobrenaturais daquele estranho artefato.

Até então só clichês: espelho, trauma infantil, objeto histórico amaldiçoado…

Mas algo me chamou a atenção no filme: a incerteza da veracidade dos fatos. E não digo isso por acreditar na possibilidade daquelas coisas serem reais (realmente acredito que não), mas o filme foi produzido de uma forma que não dava pra adivinhar quando os acontecimentos eram reais, ou quando eram apenas “artimanhas” do espelho.

Além disso, o final não foi feliz, o que me fez gostar ainda mais do filme. Porque pra mim, não tem coisa pior do que filme de terror com final feliz (me julguem)!!!

Acredito este seja uma das produções “menos piores”, pois independente da diversa quantidade de trivialidades, conseguiram transmitir de uma forma não tão banal.

Resumindo, é um filme de terror que dá pra assistir sem dar vontade de desistir do gênero.

nota-3