Batman o Cavaleiro das Trevas Ressurge com detalhes.

   Depois de ficar falando meses sobre o novo filme do Batman no site Os Entendidos e no Nerd Geek Feelings eu resolvi não escrever uma critica nem nada parecido, já que mais de 40 amigos e sites escreveram tudo o que se pode imaginar. Resolvi fazer então um top 10 com detalhes, referencias ou pensamentos relacionados ao filme.

Antes, porém quero avisar que tudo aqui é SPOILER, então se você foi o único humano a não ter visto Batman, NÃO LEIA O TEXTO.

A menos que você não se importe.

10 – Selina Kyle dança com Bruce Wayne numa festa beneficente de mascarados. Aonde vimos isso? Em “Batman – O retorno” de Tim Burton. Um bom modo de fazer a referencia/homenagem ao inicio da mulher-gato nos cinemas.

9 – Bane pode ser o fodão do filme. Pode ter a melhor cena (ele lutando com Batman e quebrando a espinha dele) e perturbar o Batman o filme inteiro, mas o que ele acaba sendo no fim das contas? (Num modo grosseiro de falar é claro). Ele acaba sendo um CAPANGA de uma mulher/vilã, Talia. Aonde vimos isso? Batman & Robin, Hera venenosa (Uma Thurman) e sua parceria com o patético Bane, deste patético filme. (Vejam, não estou desqualificando a função de Bane neste filme do Nolan, muito pelo contrário, Bane é perfeito neste filme.)

9.1 – Quis Nolan fazer de Bane um Darth Vader moderno? Acredito que sim. ^_^

8 – Robin é um símbolo não um nome. Quando John Blake revela que seu nome não é o nome de batismo e sim que se chama Robin (bem, não é ele quem fala é a mulher que o atende), temos aí a pior adaptação de todo o filme. Por falta de poder ajeitar a situação melhor Nolan optou pelo caminho mais tedioso que é da resolução fácil em roteiros: a fala simples, rápida e explicativa. Tudo bem, lhe dou crédito. Não deve ser fácil lidar com tudo, todos e tantos personagens. Mas creiam, se Nolan optasse por ser citado o nome Dick Grayson já teríamos entendido de cara. Talvez TODOS, mesmo os pouco informados.

7 – Como citar o Coringa que nunca é citado? Como fazer uma homenagem discreta à Heath Ledger/Coringa? Fazendo um plano simples e que dura uns 8 segundo. Quando as crianças saem do orfanato por causa da possibilidade de explosão da cidade, John manda as crianças entrarem no SCHOOL BUS. Nenhum aparecera até então no filme The Dark Knight Rises. Os ônibus escolares são, aqui, o símbolo discreto relacionado ao Coringa do filme do Nolan. Como não se lembra da cena inicial de The Dark Knight em que o Coringa escapa num School bus? Tipo, sacada discreta e de gênio. Lindo.

6 – Batman 3 é um filme finalizador e completa todos os outros dois filmes. Há pequenas falhas, mas elas devem ser fruto da falta de cenas. O filme final na Warner tem 3 horas e 48 minutos. Foi assim que o Nolan entregou para produtora e um dia talvez nós vejamos.

5 – Batman The Dark Knight Rises é tão humano, mas tão humano que as vezes nem parece um filme do Batman e até não parece mais absurdo que todos possam vestir “fantasias”. Nolan levou tão a sério a questão que a gente não acha mais estranho que um homem possa se vestir de morcego, uma mulher de gato, etc… E seria IMPROVÁVEL aderir personagens como Hera Venenosa, Mr. Freeze, Crock, etc, devido as suas origens meta-humanas. Coisa que Nolan se afastou o tempo todo.

4 – O Asylum Arkham foi TOTALMENTE esquecido. Obviamente, porque depois de oito anos certamente muitos vilões já estariam presos, incluindo o Coringa, e se o Asilo de loucos fosse citado seria tipo um probleminha a ser resolvido no roteiro. Sabemos muito bem que se o Bane quisesse anarquia real era lá que ele deveria ir pra libertar presos e não no BlackCage. Assim faria uma maravilhosa referencia direta “A queda do morcego” e nós gozaríamos (#OSnerdPIRA?). Liberando os bandidos da prisão comum, obviamente só veríamos prisioneiros comuns e não os loucos maravilhosos do Arkham. Uma pena.

3 – Durante um tempo eu duvidei que os personagens de Batman morressem. Achava mesmo que Duas Caras não tivesse morrido, ou Ras Al Gull. Mas sim eles morreram mesmo. Talvez consista aí a principal estratégia humanizadora do universo de Batman por Nolan. Quando os personagens morrem, quando Bruce se afasta, etc, Vemos mesmo que o mundo em que eles vivem é totalmente humano e nada mágico. A quastão física-real é eminente e funciona.

2- Outra auto referência interna é relacionada com a cena final do Rises e a cena final de Inception, também de Nolan. Na cena não da pra perceber se o que Alfred vê é real ou não no café em que senta, pós “morte” de Bruce. O mesmo ocorre em Inception  quando o personagem de Leonardo DiCaprio vê suas crianças e o sogro. Nós nos perguntamos se aquilo é real ou não (na cena Michael Caine participa também).

1-Batman morreu? Sim, ouso afirmar. Por mais que uma cena indique que ele ajeitou o piloto automático do “Morcego”, acredito que por não se sentir mais adequado ao mundo em que viveu, e por perceber que alguém que poderá substituí-lo de forma correta, ele realmente não quis continuar sendo Batman. Quando Alfred vê a imagem de Bruce com Selina, PRA MIM não passa apenas do desejo subconsciente de Alfred. Se fosse o contrario  a cena em que Alfred se acaba de chorar ao ver o tumulo de Bruce não  teria funcionalidade no roteiro e por consequência não existiria (EU QUE ACHO ISSO, que fique claro). E de fato Selina NÃO IRIA SAIR DA VIDA que levava assim tão fácil. Toda dualidade das cenas que finalizam o filme servem apenas pra fazer as pessoas discutirem e chegarem a conclusão pessoal que ele está vivo sim, porque o desejo de todos é que assim seja, mas percebendo vários detalhes dá pra sacar que Bruce está morto, pois assim a ideia do real ganha força, assim é mais humano e essa foi a busca constante de Christopher Nolan desde o início. Um universo Batman mais humanizado. E sim, ele conseguiu.

7 thoughts on “Batman o Cavaleiro das Trevas Ressurge com detalhes.

  1. Discordo totalmente do último ponto. Assim como a cena do Alfred chorando perderia a funcionalidade, a cena que revela que o piloto automático foi consertado e a cena em que o alfred vê os dois no restaurante também não teriam funcionalidade nenhuma. Pode até ser que “o batman” tenha morrido, de alguma maneira, mas não o Bruce. O milionário simplesmente pode ter optado por finalmente aposentar a fantasia. E a mulher-gato larga seu futuro com facilidade pois era o que ela queria tanto, correndo atrás do ficha-limpa, e que Bruce entrega pra ela no clímax do filme para a convencer a ajudar na operação de salvamento de Gotham. Nesse caso acho que o desejo de todos que fez com que ele parecesse estar vivo, mas seu desejo de ver um final mais dramático em que ele estivesse morto.
    Mais uma coisa: de fato achei que colocar o nome de Robin foi um pouco discarado demais, mas se tivessem dito Dick Grayson, ao invés disso, pessoas como eu e meus amigos (já que não somos geeks nem tão fãs de batman assim) não iam entender a referência.
    Parabéns pelo post, quis apenas deixar minhas opiniões em oposição à sua. Os outros pontos que não comentei é porque concordo.

  2. *correção: “Nesse caso não acho que foi o desejo de todos que fez com que ele parecesse estar vivo, mas sim o seu desejo de ver um final mais dramático, em que ele (Bruce, o Batman) estivesse morto.

  3. muito boa analise do filme,e achei interesante essa ultima observação sua do Batman ter morrido,pois pra mim (minha opniao) ele não morreu,pq a cena em q Alfred chora acontece antes d Fox saber q ele injetou o piloto automatico,entao Alfred ainda nao sabia q ele estava vivo,e quanto a Selina,Bruce deu a ela o Ficha Limpa,ou seja,ela recomeçou a vida dela como ela comentou no filme q faria e se encontrou com Bruce,simplismente.

Comments are closed.