[ANIME] Yu-Gi-Oh!: The Dark Side of Dimensions (crítica)

Yu-Gi-Oh!: The Dark Side of Dimensions é o novo longa animado do nosso querido card game favorito. O filme foi lançado em abril de 2016 no Japão, mas só agora, no final de janeiro de 2017, veio para o ocidente trazido pela 4K Media e a Screen Vision Media.

A história contada no longa foi escrita pelo próprio criador da série, Kazuki Takahashi, e traz de volta personagens como Yugi Mutoh, Joey Wheeler, Téa Gardner, Bakura, Tristan Taylor e Seto Kaiba, eterno adversário de Yugi, além de um novo adversário. Os amigos estão no final do colegial, pensando no que fazer depois de se formar. Kaiba está em uma busca obsessiva pelo Enigma do Milênio, para trazer de volta o Faraó, e mais uma vez duelarem e provarem quem é o melhor.

O inimigo da vez é Aigami, que quer vingança pela morte de seu mestre. Aigami é tido como um rapaz misterioso, que acaba cruzando o caminho de Yugi e seus amigos. Ele está sempre acompanhado de Sera, uma menina cujo passado ninguém sabe. Ele controla o poder do Plana, que permite levar quem ele quiser para a dimensão sombria. Tudo se resolve em duelos (ah vá, não me diga!) na dimensão sombria. Onde você precisa usar sua energia espiritual para invocar monstros, e a cada ponto de vida perdido sua vida vai sendo drenada.

Novas cartas aparecem e os embates dos monstros estão graficamente muito fodas (trazendo de volta o gostinho do passado). O filme é grande, tem duração de 129 minuitos, mas, apesar disso, a sensação é de assistir a um grande episodio que é divertido, mas que não passa disso.

Pra quem é um saudosista como eu, o longa merece ser assistido para relembrar os duelos de Kaiba versus Yugi. E mais uma coisa (como diria o titio do anime do Jackie Chan), há uma cena final que nos revela que, talvez, possamos ter uma continuação (tomara que sim, e que seja melhor).