[A.Lice] Lâminas nos Degraus – um prelúdio ao Bispo

a.lice-capa-temporada-1

Anteriormente em A.Lice:
Sarah Cruz: PrólogoCapítulo 1
Gessica: Prólogo
Karasu: Prólogo
Rodrigo: Prólogo


Ele acorda ouvindo um falatório; o que demonstra já estar sendo dito desde muito antes de sua inconsciência.

— E agora eu imagino que você deva estar se perguntando sobre as noções de espelhado e oposto, não? Maravilhoso, é nesse ponto que eu quero chegar.

E a voz que lhe fala é esganiçada e rápida, como a voz de um coelho, se falasse. Um coelho muito chapado de pó, obviamente.

O ambiente é escuro e baço, parece pouco tangível, como se a realidade fosse pegajosa e instável se ele mexesse os dedos no ar. Imaginou-se dentro de um grande pudim de leite e não conseguiu segurar o riso frouxo quando sentiu as pernas dançando discretamente ao balanço do pudim.

Em resposta à sua risada, ouviu o coelho (que coelho?) rindo, ecoando a gargalhada:

— É realmente muito engraçado, eu sei! HI LÁ RIO!

Alguém falou… Foi tudo em que conseguiu pensar.

E pensou que era melhor fingir que ainda não tinha acordado.

a.lice bispo preludio 1

O som vinha de longe, repetido e ininterrupto, mas de longe; ficava, pouco a pouco, mais alto, o que quer dizer mais perto e mais insistente também. Era acompanhado de ritmadas vibrações e um estourar de enxaqueca e cores a cada nota lançada pelo celular.

A mão tateou ao lado da cama, derrubando chaves, um copo vazio e um cinzeiro cheio, até encontrar o celular quase rouco, tanto que gritava. Sem precisar ver o que fazia, deslizou o dedo pelo display, cancelando o alarme.

Voltou a dormir.

a.lice bispo preludio 2

O som vinha de longe, repetido e ininterrupto, mas de longe; ficava, pouco a pouco, mais alto, o que quer dizer mais perto e mais insistente também. Era acompanhado de ritmadas vibrações e um estourar de enxaqueca e cores a cada nota lançada pelo celular.

— Mas que mer…PUTA QUE PARIU! ALÔ!

— Você só pode estar de MUITA brincadeira com a minha cara, Cláudio, porra! Ninguém sabe de você, é a vigésima ligação minha, contada, porque eu contei cada caixa postal que tive que ouvir, e eu não sei nem o que dizer pros diretores! Todo mundo te esperando aqui, merda! Não consigo mais segurar os caras, fico só vendo as canetinhas super caras batendo no tampo da mesa e os relógios dizendo que você não chegou ainda!

— Juliano… ai, merda!

— Que foi, Cláudio?

— Caí da cama, acho que torci alguma coisa, eu qu…

— CAMA?! Cama, caralho!? Eu não acred… você tava dormindo, filho da puta?

— Calma, Ju, eu vou chegar a tempo…

— A tempo? Ju é o teu cu largo! Vem pra cá agora e TORCE pra aguentarem te esperar!

— Beleza, beleza, chego em dez minutos!

— Você tem quatro, Cláudio!

— Tudo bem, só me diz uma parada.

— Hum…

— Ele veio? Ele taí?

Suspiro

— Juliano, fala, porra, taí?

— Veio, agora vem logo!