[LIVROS] 5 coisas que a J.K. Rowling faria diferente se Harry Potter tivesse sido escrito hoje

j-k-rowling-harry-potter-gay

Hoje (e provavelmente até o fim do século) J.K Rowling é J.K. Rowling. Também conhecida como a mulher que fez os livros voltarem a ser descolados com os jovens, e eu desconfio que se ela quiser escrever um livro sobre batatas crescendo, certamente será publicada. E eu desconfio certamente que será bom. Ah, espera, já existe um livro muito bom sobre batatas crescendo, chama-se “Perdido em Marte”. Ok, mas meu ponto continua o mesmo: a mulher é foda bagarai.

Só que não foi sempre assim. Houve um dia em que até mesmo JK Rowling já foi uma autora inexperiente escrevendo enquanto imaginava como pagar a conta do gás da semana (pq ela pagava por semana, sei lá). Foi nessa época que ela começou a escrever a saga de Haroldão Potter. Todo mundo me acompanhou até aqui? Bom.

Mas então, hoje JK é uma autora muito mais experiente e melhor do que quando ela começou – o que quer dizer que o livro seria muito melhor escrito se fosse lançado hoje (é meio assim que as profissões funcionam). Isso significa também que do alto de sua experiencia de hoje ela teria feito algumas coisas diferentes. Vamos conversar sobre isso, com base nas declarações dela e no que ela escreveu para Animais Fantásticos, como seria Harry Potter se ela pensasse na época como pensa hoje.

  • Grifinória vs Sonserina
anigif_enhanced-buzz-22025-1386709886-6

Quando você não precisa nem de meia chance para dizer da onde veio essa daí, você sabe que algo errado não pode estar certo

Vamos ser sinceros: em Harry Potter o mundo não pode ser dividido em pessoas boas e Comensais da Morte (ótima frase, alias), mas sempre foi dividido em boas pessoas e Sonserinos.

Ok, deixa eu perguntar uma coisa: porque a Sonserina sequer existe? Porque enquanto para um escritor iniciante é muito útil ter uma “terra das trevas” de onde de nada bom surge (seja Mordor ou seja o pessoal que tem a sala comunal nos porões de Hogwarts), meio que não fecha muito com o resto da conta quando você ganha experiencia, não?

Nos primeiros livros a Sonserina é um repositório de gente ruim e babaca a um nível que não faz o menor sentido que nenhum adulto nunca parou para conversar a respeito. Algo obviamente não esta funcionando naquelas masmorras.

 A JK meio que sacou que a Sonserina não estava funcionando e nos últimos livros melhorou muito como ela escrevia a casa. O professor Slughorn é o melhor exemplo de como seria um sonserino do bem, e mesmo o Draco Malfoy deixou de ser um plot device de antagonismo simplista para se tornar um personagem complexo que estava preso em algo muito maior do que ele queria realmente se meter.

Sério, pense nisso por um momento: veja como o pessoal da Sonserina é escrito nos últimos livros em comparação com os primeiros. Eu não tenho a menor dúvida de que hoje a JK faria mais do segundo tipo que o primeiro.

Agora expanda isso: nos primeiros livros da série só existem personagens da Grifinória ou Sonserina praticamente. Mesmo personagens com traços claros de outras casas (a Hermione é muito mais Corvinal e o Neville totalmente Lufa-lufa) foram colocados na Grifinória por questões muito mais práticas de escrita do que por construção do cenário. É mais fácil escrever se todo mundo for coleguinha de quarto, não há dúvidas quanto a isso.

Sim, eu sei que existe uma desculpa para isso nos livros, mas não é esse o ponto. Pare e reflita comigo: em 2016 você não acha que a Rowling escreveria Harry Potter muito mais como uma obra sobre pessoas de origens diferentes aceitando umas as outras e trabalhando juntas mesmo quando a sociedade já cagou um monte de regras prontas para como e com quem elas devem andar? Não é algo que é muito mais a cara dela fazer hoje em dia?

Exatamente como acontece nos últimos livros em detrimento dos primeiros. Nos últimos livros isso muda principalmente porque a Rowling, sendo uma autora muito mais experiente e segura do seu cenário, pode se permitir trabalhar com personagens de outras casas. Taí a melhor personagem dos livros que não me deixa mentir (cuja atriz veio a CCXP 2016,*fangirl scream*)

  • Diversidade

JK atualmente é uma pessoa influente com opiniões bastante bacanas sobre assuntos importantes. Sério, a resposta dela do porque o Dumbledore não parece gay nos livros (apesar dela dizer que é) é genial.

Ou então sua opinião sobre a possibilidade da Hermione ser negra (como na peça da Criança Amaldiçoada)

c8a341a6-942c-4ce1-8ff0-6769cb5d2b89-pngTudo isso é muito legal. De verdade. Só tem um problema: nada disso está nos livros. Dica do dedão pra cima: se você tem que explicar para os leitores o que você quis fazer no seu livro porque eles não percebem isso por conta própria, é porque você não fez. Ponto. Como disse o Zukemberg para os irmãos Winklevoss: “Se o Dumbledore fosse gay e a Hermione negra, o Dumbledore seria gay e a Hermione seria negra”. Simples assim.

É bom que a Rowling adore trocar ideias com os fãs. Mas se a diversidade religiosa, sexual ou étnica dos personagens fosse parte dos livros, não deveria – sei lá – aparecer nos livros? Rowling teve páginas suficientes para ir por qualquer caminho que ela quisesse, Mas ela não foi, e esse é o ponto aqui.

Eu nem estou sendo babaca do tipo que diz que todo mundo é heterossexual e branco por padrão, a questão é que não tem referencia nenhuma a nada mesmo – não sem forçar muito a interpretação de texto. Uma autora do calibre que a JK é HOJE e politizada como ela é, não se furtaria a incluir em seus livros esses pontos, como de fato vai colocar em Animais Fantásticos.

Então me parece bastante claro que se estivesse escrevendo Harry Potter em 2016, a JK faria um elenco com mais diversidade.

  • O Viratempo

Mexer com viagem no tempo sempre é pedir para se incomodar em um roteiro. Ou você sabe MUITO o que está fazendo, ou chuta para escanteio e diz que é uma coisa coisada timey-wimey stuff e tal. Ou seja, é um vespeiro narrativo que é escrever sobre viagens no tempo.

E quem está dizendo isso não sou, é a própria JK.

time-turnerOu seja, viagem no tempo não é algo que possa ser escrito levianamente sem dar merda. Se escrevesse hoje, a JK provavelmente não faria isso ou faria de uma forma bastante diferente e mais cuidadosa.

  • Rony e Hermione

funny-picture-harry-potter-hermione-lie1Existem três tipos de coisas que você encontra em um livro. Coisas que o autor escreveu porque é o fluxo natural da história (que eu chamo de “a verdade dos personagens”), coisas que o socou ali porque o livro é dele e ele bota o que ele quiser nessa porra, e por fim coisas que estão na história porque aquela conta do gás semanal ainda não vai se pagar sozinha.

O romance entre o Rony e a Hermione não se enquadra no primeiro tipo. Se você achou que a coisa pareceu meio forçada e sem química, como se os personagens tivessem saído da sua personalidade para forçar isso acontecer, não se preocupe: a JK também acha isso:

Por razões que têm muito pouco a ver com literatura e muito mais a ver com eu me apegar ao enredo como eu o imaginei pela primeira vez, Hermione acabou com Ron. Eu sei, sinto muito, posso imaginar a raiva e a fúria que pode causar a alguns fãs, mas se eu for absolutamente honesta, a distância me deu uma perspectiva sobre isso. Foi uma escolha que eu fiz por razões muito pessoais, não por razões de credibilidade.”

Qualquer autor poderá te dizer que uma vez que uma história começa, ela meio que começa a tomar seu próprio caminho. As vezes um caminho completamente diferente do que foi originalmente imaginado. Se fosse escrito hoje, Harry Potter seguiria muito mais a verdade dos personagens e menos seus organogramas de escritora.

  • Voldemort seria menos poderoso e mais complexo (e por conseguinte o protagonista também)
2567963_o

Quando seu antagonista é melhor descrito como vilão de anime shonen, algo errado também não está certo

Harry Potter tem um protagonista muito simples (cujas maiores características marcantes são ele ser bom e… não ser muito interessado pelas coisas?). E o vilão também é.

Grandes autores se dedicam a criar personagens complexos (criatura + meio em que vive + psicológico + transformação durante a trama),e isso é tudo que o Voldemort e o Harry não são no começo da série. O Harry nem no final deixa de ser. Embora mais pro final ao menos o Voldemort tenha um background mais interessante, não muda muito que sua característica definidora é ser mau como um pica-pau.

Isso é ok, pode funcionar (dica: funcionou pra JK), mas hoje não é viavel que a JK fizesse do mesmo modo. É só ver os trabalhos conseguintes dela, e sobretudo seu mais recente: Newt Scamander é um personagem bem mais interessante que o Harry não só porque ele tem um ator melhor (comparar qualquer um com o Eddie Redmayne é covardia também né?) como ele é muito mais bem escrito, mais complexo.

E um dupla protagonista/antagonista mais complexos levaria a uma história diferente.

O ponto é que a saga Harry Potter tem um problema: todo o ministério da magia e os comensais da morte parecem meio inúteis na história já que dá a entender que se o Voldemort quisesse poderia entrar marchando onde desse vontade e derrotar quem ele quisesse. É assim que overlords do mal funcionam tradicionalmente.

Vendo o que ela está preparando para o Grindewald em Animais Fantásticos, eu fico com a sensação que hoje ela colocaria uma força maior nas organizações, nas intrigas e pecuínhas do poder. Não que Harry Potter não tenha isso – a politicagem do Ministério da Magia é muito presente nos livros – mas é que parece não ser relevante no grande esquema das coisas.

Uma regra da boa narrativa é que individuos lutam contra individuos, organizações enfrentam organizações. Quando um herói (ou vilão) aniquila sozinho todo o exercito inimigo você pode ter grandes cenas de ação mas não uma boa história. Do jeito que foi escrito parece que a única coisa que o Voldemort precisa se preocupar na vida é o Dumbledore, e isso tira muito a força narrativa de um cenário tão rico. Sério, pense sobre todas as tretas que o Voldão conseguiu no ministério da magia (tomou o poder e tal) e o quanto isso não faz a mínima diferença porque ele é meio que invencivel com ou sem poder político, então qual o ponto?

Ou seja, hoje eu acredito que a JK faria muito mais o que ela esta fazendo com o Grindewald do que a coisa mais anime-like que foi o Voldemort.

Ou não, né.